Histórias e memórias em quadrinhos

Elane Ribeiro Peixoto, Adriana Mara Vaz de Oliveira

Resumo


O presente artigo originou-se de uma pesquisa orientada pela abordagem da história da cidade via seu cotidiano, reconhecido nos bairros. Cremos que é nessa escala da cidade, a do lócus da vida e das práticas sociais, que seus moradores estabelecem os mais fortes laços de pertencimento ao espaço urbano, predispondo-os para sua salvaguarda. Os tombamentos, frutos em geral de decisões que não encontram uma verdadeira ressonância nos habitantes da cidade, a nosso ver, estão fadados ao malogro, pois só se cuida daquilo a que se atribui significados. Cientes da multiplicidade dos habitantes da cidade vinculados a memórias diversas, optamos por construir nosso trabalho com base em depoimentos. Entre os produtos da pesquisa, apresentamos os quadrinhos “O aeroporto que virou bairro”; uma versão da história do bairro de Goiânia, o Setor Aeroporto, escolhido para nossa pesquisa. Os quadrinhos direcionam-se às crianças, decisão tomada diante de nossa convicção de que a preservação do patrimônio necessita do respaldo afetivo da população ao qual se vincula, e por isso a atenção à população jovem é importante. Buscamos, dessa maneira, traduzir para a linguagem dos quadrinhos a dinâmica que também é própria à memória: a irrupção de imagens, sua dimensão presente, entre outros aspectos.

PALAVRAS-CHAVE: Educação patrimonial. Goiânia. História em quadrinhos. Memória.


Palavras-chave


Educação patrimonial. Goiânia. História em quadrinhos. Memória.

Texto completo:

PDF

Referências


BRESCIANI, M.S.M. Cidades: espaço e memória. In: SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Cultura do Município.

Departamento do Patrimônio Histórico. O direito à memória. São Paulo: DPH, 1992. p.161-168.

CAUQUELIN, A. Essai de philosophie urbaine. Paris: PUF, 1982.

CORBIOLI, N. Ícone arquitetônico abriga caminho para o desconhecido. Projeto Design, n.373, 2011. p.84-89.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

CUSTÓDIO, L.A.B. Educação patrimonial: experiências. In: BARRETO, E.A. et al. Patrimônio cultural e educa-

ção: artigos e resultados. Goiânia: Iphan, 2008. p.23-36.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

GONÇALVES, A.R. Goiânia: uma modernidade possível. Brasília: Ministério da Integração Regional, 2002.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HORTA, M.L.P. Educação patrimonial. In: BARRETO, E.A. et al. Patrimônio cultural e educação: artigos e

resultados. Goiânia: Iphan, 2008. p.15-21.

HOUAISS, A. Grande dicionário da língua portuguesa: pertencer. 2012. Disponível em: .

Acesso em: mar. 2012.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Educação patrimonial. 2012.

Disponível em: . Acesso em: mar. 2012.

JEUDY, H.P. Memórias do social. São Paulo: Forense Universitária, 1990.

MANSO, C.F.A. (Org.). Goiânia art déco: acervo arquitetônico e urbanístico: dossiê de tombamento. Goiânia:

Seplan, 2004.

MAYOL, P. Morar. In: CERTEAU, M.; GIARD, L; MAYOL, P. A invenção do cotidiano: 2. Morar, cozinhar.

Petrópolis: Vozes, 1996, p.37-185.

SILVA, C.A. Goiânia(s): representações sociais e identidades. 2012. Tese (Doutorado) — Instituto de Estudos

Socioambientais, Universidade Federal de Goiás, 2012.

VELHO, G. A utopia urbana: um estudo de antropologia social. 6.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n2a2552

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.