Desafios da extensão universitária e dos escritórios modelo nos cursos de arquitetura e urbanismo

Anna Lúcia dos Santos Vieira e Silva, Camila Matos Fontenele, Luna Esmeraldo Gama Lyra

Resumo


Em um panorama de crescente homogeneização das condutas, dos saberes e dos valores humanos, este artigo se propõe a examinar como a universidade pública e, em menor grau, a universidade privada, especialmente no ensino de arquitetura e urbanismo, avaliam e se inserem na realidade das cidades. O ensino universitário é questionado por seu frequente distanciamento das referências imediatas e locais na implantação de sistemas interativos capazes de suprir necessidades sociais e didáticas, simultaneamente. Quando a universidade é abordada sob um ponto de vista em que seu contexto é admitido como próprio, sobre o qual há uma responsabilidade de comprometimento, pode-se tratar a relevância da extensão universitária. Novas abordagens de extensão são apontadas como forma de dissolução das fronteiras entre as relações ensino e aprendizado; universidade e sociedade; teoria e prática. Os Escritórios Modelo de Arquitetura e Urbanismo são apresentados para aprofundar essa discussão, e exemplificar conceitos e metodologias que adequam os projetos a demandas urbanas e, assim, ampliar os horizontes a partir de experiências reais.

PALAVRAS-CHAVE: Arquitetura e urbanismo. Escritório modelo de arquitetura e urbanismo. Extensão universitária. Teoria e prática.


Palavras-chave


Arquitetura e urbanismo. Escritório modelo de arquitetura e urbanismo. Extensão universitária. Teoria e prática.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha. São Paulo: Edusp, 1998.

BANKSY, R. Wall and Piece. Londres: Century, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. 292p.

BRASIL. Lei nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008. Assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública

e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social e altera a Lei nº 11.124, de 16 de junho de

Brasília: Senado, 2008.

DUARTE, F. Crise das matrizes espaciais: arquitetura, cidades, geopolítica e tecnocultura. São Paulo:

Perspectiva, 2002.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LEFEBVRE, H. El derecho a la ciudad. Barcelona: Península, 1969.

RANCIÈRE, J. O Espectador emancipado. 2008. Disponível em: <http://www.questaodecritica.com.

br/2008/05/o-espectador-emancipado>. Acesso em: 29 abr. 2013.

RUBINO, S.; GRINOVER, M. (Org.). Lina por escrito. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro:

Record, 2000.

SANTOS, B.S. A universidade no séc. XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade.

São Paulo: Cortez. 2004.

SIMMEL, G. As grandes cidades e a vida do espírito (1903). Mana, v.11, n. 02, p.577-591, 2005. Disponível

em: . Acesso em:

abr. 2013.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n2a2550

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.