Estado, investimentos e exclusão social: a produção do espaço da pobreza em Curitiba

André de Souza Carvalho, Maria Inês Sugai

Resumo


Considerada a cidade modelo de um país em desenvolvimento, após um processo de planejamento urbano muitas vezes exaltado e algumas vezes criticado pelo seu autoritarismo e favorecimento de setores empresariais locais, Curitiba nas últimas quatro décadas tem sido reconhecida e divulgada, inclusive internacionalmente, pelas suas inovações urbanísticas e uma conclamada qualidade urbana e de vida. A capital do Paraná realmente produziu e ofereceu um espaço privilegiado a uma restrita parcela de seus habitantes: áreas urbanas dotadas de boa infraestrutura para onde especialmente convergiram as atenções e investimentos do poder público e para as quais também afluíram os principais interesses e investimentos privados. Entretanto, concomitantemente à produção desse espaço parcial, restrito a uma elite e devidamente bem cuidado e ordenado, também se constituiu uma crescente periferia, habitada por populações de baixa renda, pouca qualificação profissional e educacional, apartada dos espaços privilegiados da cidade, portanto, espacialmente e socialmente excluída. O presente artigo pretende discutir a forma como os investimentos do Estado atuaram na consolidação e formatação de uma cidade marcadamente dual e segregada.

PALAVRAS-CHAVE: Curitiba. Exclusão social. Investimentos públicos. Segregação.


Palavras-chave


Curitiba. Exclusão social. Investimentos públicos. Segregação.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, L.M.M. Uma reflexão sobre a política urbana recente de Curitiba, entre 2001 e 2008, à luz do Estatuto

da Cidade. 2009. Dissertação (Mestrado) — Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas,

Campinas, 2009.

CARLOS, A. F. A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras

e Ciências Humanas, USP, 2007.

CASTELLS, M. A questão urbana. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2001.

FARRET, R. “Paradigmas da estruturação do espaço residencial intra-urbano”. In: FARRET, R. (Org.).

O espaço da cidade: contribuição à análise urbana. Porto Alegre: Projeto Ed., 1985, p.64-88.

FERREIRA, J.S.W. A cidade para poucos: breve história da propriedade urbana no Brasil. In: SIMPOSIO

INTERNACIONAL INTERFACES DAS REPRESENTAÇÕES URBANAS EM TEMPOS DE

GLOBALIZAÇÃO, 1., 2005, Bauru. Anais... Bauru: Unesp, 2005. p.1-20.

FIRKOWSKI, O.L.C.F. A nova territorialidade da indústria e o aglomerado metropolitano de Curitiba. 2001. Tese

(Doutorado) — Faculdade de Filosofia, Línguas e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

GOTTDIENER, M. A produção social do espaço. São Paulo: Edusp, 1993.

INSTITUTO DE PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA. Plano municipal de regularização fundiária em

áreas de preservação permanente, Curitiba: IPPUC, 2007.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Como anda a metrópole:

região metropolitana de Curitiba. Curitiba: Ipardes, 2006.

KLINK, J. Reestruturação, competição e neolocalismo: um olhar crítico sobre produção do espaço na grande

Curitiba. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v.31, n.119, p.17-40, 2010.

LERNER, J. A cidade: cenário do encontro. Curitiba: Centro de Documentação Casa da Memória, 1977.

(Roteiro do filme produzido em outubro de 1977).

LOJKINE, J. O Estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

MARICATO, E. Metrópole na periferia do capitalismo. São Paulo: Hucitec, 1996.

MOREIRA, P. Calçada de granito no Betel revolta populares: engenheiro diz que é para valorizar região.

Bem Paraná, Paraná, 11, jan. 2013. Disponível em: <http://www.bemparana.com.br/noticia/242905/calcada-de-

-granito-no-batel-revolta-populares-engenheiro-diz-que-e-para-valorizar-regiao>. Acesso em: 4 jan. 2013.

MOURA, R.; ULTRAMARI, C. (Org.). Metrópole: grande Curitiba: teoria e prática. Curitiba: Ipardes, 1994.

MOURA, R. Os riscos da cidade-modelo. In: ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e

risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

PEYERL, L. O planejamento urbano à luz do censo 2000. Espaço Urbano, v.3, n.3, p.6-21, 2003.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. Curitiba: a revolução ecológica. Curitiba: Lagarto Editores, 1992.

POLLI, S.A. Curitiba, metrópole corporativa: fronteiras da desigualdade. 2006. Dissertação (Mestrado) —

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

RIBEIRO, L.C.Q. Desafios na construção da cidadania na metrópole brasileira. Sociedade e Estado, v.22, n.3,

p.525-544, 2007.

ROLNIK, R. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ROLNIK, R. A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Fapesp, 1998.

SANCHEZ, F.E.G. Cidade espetáculo: política, planejamento e city marketing. Curitiba: Palavra, 1997.

SANCHEZ, F.; MOURA, R. Cidades-modelos: espelhos de virtude ou reprodução do mesmo? Cadernos IPPUR,

ano 13, n.2, p. 95-114, 1999.

SOUZA, N. R. Planejamento urbano em Curitiba: saber técnico, classificação dos citadinos e partilha da cidade.

Revista de Sociologia e Política, n.16, p.107-122, 2001.

SUGAI, M.I. Segregação silenciosa: investimentos públicos e distribuição sócio-espacial na área conurbada de

Florianópolis. 2002. Tese (Doutorado) — Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo,

São Paulo, 2002.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 2001.

WAISELFISZ, J.J. Mapa da violência 2012: os novos padrões da violência homicida no Brasil. São Paulo: Instituto

Sangarai, 2011.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n2a2549

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.