A parametrização do conceito de cidade compacta: uma abordagem “pós-moderna” para centros urbanos contemporâneos sustentáveis

Fernando Tadeu De Araujo Lima

Resumo


Este artigo visa promover a discussão sobre uma abordagem de projeto urbano que possa ser fundamentada em uma nova lógica conceitual e criativa, de maneira a ampliar os operadores cognitivos do arquiteto e urbanista e, ao mesmo tempo, transcender os princípios racionalistas de entendimento e planejamento das cidades. O paradigma paramétrico aplicado ao projeto urbano constitui um novo método para projeto urbanístico baseado no uso de padrões e regras projetuais. O objetivo desse método é facilitar o diálogo entre os diferentes participantes do processo de projeto urbano e permitir o desenvolvimento de propostas flexíveis, capazes de responder às modificações diversas. Os sistemas paramétricos diferem dos sistemas tradicionais de desenho digital por manterem a capacidade de o modelo alterar-se durante todo o processo de design e por permitirem gerar e testar grande quantidade de versões dentro de um ambiente controlado de projeto a partir da simples mudança de valores de um parâmetro específico. Nesse sentido, este artigo objetiva relacionar o conceito de cidade compacta proposto por Rogers e Gumuchdjian, em 1997 e o paradigma paramétrico de trabalho, no intuito de abordar uma lógica de projeto urbano sustentável que busque responder às demandas cada vez mais complexas, da cidade contemporânea.

PALAVRAS-CHAVE: Cidade compacta. Parametrização. Projeto urbano. Sustentabilidade.


Palavras-chave


Cidade compacta. Parametrização. Projeto urbano. Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNTLAND G.H. Nosso futuro comum. 2.ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

CHATELET, A. Abordagem ecossistêmica da cidade e da biodiversidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 9 maio 2013.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

HENRIQUES, G.C.; BUENO, E. Geometrias complexas e desenho paramétrico. Drops, São Paulo, ano 10,

n.030.08, 2010. Disponível em: . Acesso em:

jun. 2013

KOLAREVIC, B. Architecture in the digital age: design and manufacturing. London: Taylor & Francis, 2005.

LIMENA, M.M.C. Cidades complexas no século XXI, ciência, técnica e arte. Perspectiva, v.15, n.3, p.37-44, 2001.

MENGES, A. Instrumental geometry. In: HENSEL, M. et al. (Ed.). Techniques and technologies in morphogenetic

design. London: Editorial Offices, 2006.

MITCHELL, W.J.; McCULLOUGH, M. Digital design media. New York: Van Nostrand Reinhold, 1991.

OXMAN, R. Theory and design in the first digital age. Design Studies, v.27, n.3, p.229-265, 2006.

PANERAI, P. et al. Formes urbaines: de l’îlot à la barre. Marseille: Ed. Parenthèses, 2009.

PERULLI, P. Visões da cidade: as formas do mundo espacial. São Paulo: Senac, 2012. 254p.

PEZZI C.H. Um vitruvio ecológico: princípios y práctica del proyecto arquitectónico sostentable. Barcelona: 2007.

ROGERS, R.; GUMUCHDJIAN, P. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Gustavo Gili. 1997.

ROMERO, M.M.B. Princípios bioclimáticos para o desenho urbano. São Paulo: Pro-editores, 2008. 128p.

SCHNABEL, M.A. Architectural parametric designing. In: CONFERENCE EDUCATION AND RESEARCH

IN COMPUTER AIDED ARCHITECTURAL DESIGN IN EUROPE, 24., 2006, Volos. Proceedings…

Volos: University of Thessaly, 2006. p.216-221.

SILVA, R. C. Urbanismo paramétrico: parametrizando urbanidade. UFPE: Recife, 2010.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n2a2545

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.