Espaços coletivos de trabalho: outros princípios de análise

Viviane Zerlotini da Silva

Resumo


O presente trabalho propõe a superação de equívocos conceituais, presentes nos fundamentos de propostas elaboradas por técnicos especialistas, para os espaços de trabalho associado, neste texto denominados espaços coletivos de trabalho. Pretende-se identificar outras bases conceituais no âmbito da produção do espaço, que possam nortear as decisões desses técnicos de modo a potencializar os traços de autonomia encontrados nas práticas espaciais engendradas por esses grupos. Acredita-se na necessidade de superar propostas de cunho produtivistas baseadas no argumento “geração de trabalho e renda”, ou em afirmações supostamente diversas do universo da produção, a exemplo de argumentos humanistas e culturalistas. Sem a pretensão de elaborar propostas idealistas, a pesquisa explora as premissas que fundamentam os conceitos de “pobreza política” de Pedro Demo, “vida cotidiana” de Henri Lefevbre, “precedência do trabalho de reprodução” de Silke Kapp e Sulamita Lino, “autonomia coletiva” de Marcelo Lopes de Souza, de modo a delinear os princípios fundamentais existentes nos processos de produção cotidiana de espaços ditos socialistas.

PALAVRAS-CHAVE: Autonomia coletiva. Espaço de trabalho associado. Pobreza política. Produção cotidiana do espaço.


Palavras-chave


Autonomia coletiva. Espaço de trabalho associado. Pobreza política. Produção cotidiana do espaço.

Texto completo:

PDF

Referências


AJZENBERG, A. As classes sociais e suas formas modernas de luta. Revista GEOUSP — Espaço e

Tempo, n.17, p.9-19, 2005.

ARENDT, H. A condição humana. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. 2.ed. Porto Alegre: Zouk, 2011. p.17-173.

CORAGGIO, J.L. Territorio y economías alternativas. In: SEMINARIO INTERNACIONAL PLANIFICACIÓN

REGIONAL PARA EL DESARROLLO NACIONAL, 1., 2009, La Paz. Anais... La Paz: Ministerio

de Planificación del Desarrollo, 2009. p.1-28.

CUNHA, G.C. Políticas públicas de economia solidária enquanto ressignificação das relações

Estado-Sociedade: alguns elementos teóricos e empíricos. 2007. Disponível em: <http://www.

planejamento.gov.br/secretarias/upload/Arquivos/seges/EPPGG/producaoAcademica/ARTIGO_

GABRIELACUNHA_SEMINARIO.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2010.

DAGNINO, R. Neutralidade da ciência e determinismo tecnológico. Campinas: Unicamp, 2008.

DELGADO, G.C. O setor de subsistência na economia brasileira: gênese histórica e formas de reprodução.

In: Jaccoud, L. (Org.). Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília:

IPEA, 2005. p.19-50.

DEMO, P. Pobreza política. Campinas: Autores Associados, 1996.

ENGELS, F.; MARX K. Manifesto comunista. 1848. Disponível em: <http://www.marxists.org/

portugues/marx/1848/ManifestoDoPartidoComunista/>. Acesso em: 28 fev. 2013.

FRIEDMAN, J. Planning in the public domain: From knowledge to action. New Jersey. Princeton

University Press, 1987.

KAPP, S. Casa alheia, vida alheia: uma crítica da heteronomia. V!RUS, n.5, 2011. Disponível em:

. Acesso em: 28 abr. 2013.

KAPP, S.; LINO, S.F. Na cozinha dos modernos. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v.15, n.16, 2008.

KRAYCHETE, G. (Org.). Economia dos setores populares: entre a realidade e a utopia. Petrópolis:

Vozes, 2000.

LEFEBVRE, H. A re-produção das relações de produção. Porto: Escorpião, 1973.

LEFEBVRE, H. Espacio y politica. Barcelona: Peninsula, 1976.

LEFEBVRE, H. Psicologia das classes sociais. GEOUSP: Espaço e Tempo, n.17, p.21-41, 2005.

NOVAES, H.T. O fetiche da tecnologia: a experiência das fábricas recuperadas. São Paulo: Fapesp, 2010.

OLIVEIRA, F. A economia brasileira: crítica a razão dualista. São Paulo: Brasiliense, 1975.

SINGER, P. Introdução à economia solidária. São Paulo: Contexto. 2002.

SOUZA, J. (Coord.). A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2009. 483p.

SOUZA, J. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte:

UFMG, 2010.

SOUZA, M.L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de

Janeiro: Bertrand Brasil, 2010a.

SOUZA, M.L. “Com o estado, apesar do estado, contra o estado: os movimentos urbanos e suas práticas

espaciais, entre a luta institucional e a ação direta”. Cidades, v.7, n.11, p.13-47, 2010b.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n2a2544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.