Dispositivos políticos, aspectos arquitetônicos de instituições de ensino e formas de inclusão e exclusão social na Territorialidade Sul Baiana

Silvia Kimo Costa, Milton Ferreira da Silva Junior

Resumo


O artigo aborda como a presença de determinados elementos arquitetônicos, que materializam políticas públicas de Inclusão, favorecem a inclusão ou exclusão social de portadores de deficiência (físico-motora, sensorial, cognitiva e múltipla) em instituições de ensino público na Territorialidade Sul Baiana. Fala-se, especificamente, das políticas públicas que têm como formalidades legais do Dispositivo a Lei nº 10.098/2000: que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências; e as especificações da NBR 9050/2004: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Foram analisadas escolas públicas estaduais de Ensino Médio, localizadas em três municípios do Território de Identidade Litoral Sul da Bahia, com população acima de 20 mil habitantes, e que foram construídas seguindo um projeto arquitetônico padronizado pelo governo do Estado. Os dados foram coletados por meio de um roteiro de observação direcionado elaborado com base no “Manual de Acessibilidade Espacial para Escolas”, desenvolvido pelo Ministério da Educação, observando-se os seguintes aspectos: 1) acesso à escola; 2) corredores; 3) rampas; 4) salas (de aula, informática, arte, vídeo, grêmio estudantil e laboratório de ciências); 5) salas administrativas; 6) biblioteca; 7) auditório; 8) sanitários; 9) quadra de esportes. A análise teórico-metodológica fundamentou-se nos conceitos referentes à Governamentalidade, Dispositivos, Disciplinamento, Discursos e não Discursos abordados por Michel Foucault. A pesquisa possibilitou concluir que há uma inclusão excludente, ao se verificar a presença de poucos dispositivos de acessibilidade e o excesso de dispositivos de segurança patrimonial na arquitetura das edificações escolares analisadas.

PALAVRAS-CHAVE: Acessibilidade. Escolas. Exclusão social. Inclusão.


Palavras-chave


Acessibilidade. Escolas. Exclusão social. Inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade de pessoas portadoras

de deficiência a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro:

ABNT, 2004. Disponível em: <http://www.mj.gov.br/sedh/ct/CORDE/dpdh/corde/ABNT/

NBR9050-31052004.pdf>. Acesso em: 5 fev. 2013.

BAHIA (Estado). SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA. Colégio Modelo Luis Eduardo

Magalhães. 2013. Disponível em: <http://escolas.educacao.ba.gov.br/search/node/Col%C3%A9gio%20

Modelo%20Luis%20Eduardo%20Magalh%C3%A3es>. Acesso em: 5 jan. 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponí-

vel em: . Acesso

em: 10 ago. 2013.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos

para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida,

e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 dez. 2000. p.2.

BRUMER, A.; PAVEI, K.; MOCELIN, D.G. Saindo da escuridão: perspectiva da inclusão social, econô-

mica, cultural e política dos portadores de deficiência visual em Porto Alegre. Revista Sociologias,

v.6, n.11, p.300-327, 2004.

DISCHINGER, M.; ELY, V.H.M.B.; BORGES, M.M.F.C. Manual de acessibilidade espacial para escolas:

o direito à escola acessível. Brasília: MEC, 2009.

DISCHINGER, M.; ELY, V.H.M.B.; PIARDI, S.M.D.G. Promovendo acessibilidade espacial nos edifícios

públicos: programa de acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida nas edificações

de uso público. Florianópolis: Ministério Público de Santa Catarina, 2012.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 25.ed. São Paulo: Graal, 2012a.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 8.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012b.

LAUTERT, L.V.S. Do trabalho aos processos de socialização: subjetividades discentes e discursos

docentes em negociação na sala de aula da EJA. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO E

CONTEMPORANEIDADE, 4., 2010, São Cristovão. Anais... São Cristovão: UFS, 201. p.1-12.

LOPES, M.C. Políticas de inclusão e governamentalidade. Educação e Realidade, v.34, n.2, p.153-

, 2009.

MACIEL, M.L.C. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. Revista São Paulo em Perspectiva,

v.14, n.2, p.51-56, 2000.

OLIVEIRA, A.M.F. Acessibilidade: comparação das leis dos países do Mercosul. Brasília: Biblioteca

Digital da Câmara dos Deputados, 2008. Disponível em: . Acesso em:

jan. 2013.

PASSARINO, L.M.; MONTARDO, S.P. Inclusão social via acessibilidade digital: proposta de inclusão

digital para pessoas com necessidades especiais. Associação Nacional do Programa de Pós-Gradua-

ção em Comunicação, v.8, p.1-18, 2007. Disponível em: . Acesso

em: 10 ago. 2013.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, v.8, n.16, p.20-45, 2006.

VEIGA-NETO, A.; LOPES, M.C. Inclusão e governamentalidade. Educação e Sociedade, v.28, n.100,

p.947-963, 2007.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n1a2285

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.