Energia incorporada em habitações de interesse social na fase de pré-uso: o caso do programa Minha Casa Minha Vida no Brasil

Rosa Maria Sposto, Jacob Silva Paulsen

Resumo


Nos últimos anos o governo brasileiro tem investido em programas de Habitações de Interesse Social para famílias de baixa renda; como exemplo, pode ser apontado o Programa Minha Casa Minha Vida. Considerando o grande porte deste programa, que consiste na produção de um número elevado de habitações, é importante analisar o impacto energético-ambiental negativo gerado, visando minimizá-lo, além de criar uma base de dados para futuras avaliações de projetos e tecnologia. O objetivo deste trabalho foi levantar a energia incorporada na fase de pré-uso por meio de um estudo de caso de uma Habitação de Interesse Social construída com um sistema convencional. A fase de pré-uso compreende a extração de matéria-prima, a fabricação de materiais e componentes, o transporte destes e a execução da habitação. O estudo de caso mostrou que a energia inicial incorporada desta habitação é 3,2GJ/m2. Cerca de 60% desta energia é utilizada na construção de vedações verticais, indicando que este é o elemento com maior potencial de melhorias para reduzir a energia incorporada.

PALAVRAS-CHAVE: Ciclo de vida. Energia incorporada. Vivência social.


Palavras-chave


Ciclo de vida. Energia incorporada. Vivência social.

Texto completo:

PDF

Referências


AASHISH, S. et al. Life cycle assessment of buildings: A review. Renewable and Sustainable Energy

Reviews, v.15, p.871-875, 2011.

AGOPYAN, V. et al. Pesquisa: alternativas para a redução do desperdício de materiais nos canteiros

de obras — resultados e análises: aço, concreto usinado e blocos/tijolos. São Paulo: EPUSP, 1998a.

(Relatório Técnico – 4).

AGOPYAN, V. et al. Pesquisa: alternativas para a redução do desperdício de materiais nos canteiros

de obras — resultados e análises: eletrodutos, condutores, tubos de PVC, placas cerâmicas, tintas,

revestimento têxtil, gesso. São Paulo: EPUSP, 1998b. (Relatório Técnico – 5).

ALVES, H.J.; MELCHIADES, F.G.; BOSCHI, A.O. Levantamento inicial do consumo de energias

térmica e elétrica na indústria brasileira de revestimentos cerâmicos. Cerâmica Industrial, v.12,

p.10-16, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14040: gestão ambiental — Avalia-

ção do ciclo de vida — princípios e estrutura. Rio de Janeiro: ABNT, 2009a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14044: gestão ambiental -Avaliação

do ciclo de vida — requisitos e orientações. Rio de Janeiro: ABNT, 2009b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15575: edificações habitacionais —

desempenho — Parte 1: requisitos gerais. Rio de Janeiro: ABNT, 2012.

BLENGINI, G.A. Life cycle of buildings, demolition and recycling potential: A case study in Turin,

Italy. Building and Environment, v.44, p.319-330, 2009.

BRASIL. Ministério das Cidades. Plano Nacional de Habitação: Programa Minha Casa Minha Vida.

Disponível em: . Acesso

em: 13 ago. 2012.

CITHERLET, S.; DEFAUX, T. Energy and environmental comparison of three variants of a family

house during its whole life span. Building and Environment, v.42, p.591-598, 2007.

GARCIA, F. Brasil 2022: planejar, construir, crescer: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CONSTRU-

ÇÃO, 9., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: FIESP, 2009.

KUHN, E.; SATTLER, M.A. Avaliação ambiental de protótipo de habitação de interesse social mais

sustentável. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA NO AMBIENTE CONSTRUIDO, 11.,

, Florianopolis. Anais... Santa Catarina: ENTAC, 2006. 1 CD-ROOM.

PFEIFER, M. Passos para cumprir uma agenda verde. Valor Setorial: Construção Civil, v.9, p.8-14, 2011.

RAMESH, T.; RAVI PRAKASH, K.; SHUKLA, K. Life cycle energy analysis of buildings: An overview.

Energy and Buildings, v.42, p.1592-1600, 2010.

SARTORI, I.; HESTNES, A.G. Energy use in the life cycle of conventional and lowenergy buildings: A

review article. Energy and Buildings, v.39, p.249-257, 2007.

SPERB, R.S. Avaliação de tipologias habitacionais a partir da caracterização de impactos ambientais

relacionados a materiais de construção. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) — Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

SPOSTO, R.M.Gestão e tecnologia para a qualidade e sustentabilidade na produção de blocos cerâmicos

e alvenaria no Distrito Federal. Brasília: UnB, 2007. (Relatório Técnico).

SPOSTO, R.M.; AMORIM, C.N.D. Preliminary analyses of sustainability of ceramic components to

masonry for social housing: Aspects of culture, industry capacity, quality and recycling in Brasília

Distrito Federal. In: BUILDING FOR THE FUTURE: THE CIB WORLD BUILDING CONGRESS, 16.,

, Toronto. Proceedings... Rotterdam (Netherlands): CIB, 2004. p.10.

SPOSTO, R.M.; PAULSEN, S.J. An embodied energy analysis of social housing in Brazil: Case. study

for the program my house my life. International Journal of Civil and Environmental Engineering,

v.12, n.5, p.40-46, 2012.

TAVARES, S.F. Metodologia de análise do ciclo de vida energético de edificações residenciais brasileiras.

Tese (Doutorado em Engenharia Civil) — Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,

TABELAS de composições de preços para orçamentos. São Paulo: Pini, 1996.

THORMARK, C. A low energy building in a life cycle: Its embodied energy, energy, need for operation

and recycling potential. Building and Environment, v.37, p.429-435, 2002.

TORGAL, F.P.; JALALI, S. A sustentabilidade dos materiais de construção. Barbudo: TecMinho. 2010.

UTAMA, A.; GHEEWALA, S.H. Life cycle energy of single landed houses in Indonesia. Energy and

Buildings, v.40, p.1911-1916, 2008.

WINTHER, B.N.; HESTNES, A.G. Solar versus green: The analysis of a Norwegian Row House. Solar

Energy, v.66, n.6, p.387-393, 1999.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v11n1a2281

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.