Condição metropolitana: arquitetura e cidade contemporânea no Rio de Janeiro

Guilherme Lassance

Resumo


O Rio de Janeiro está hoje confrontado a novas dinâmicas urbanas estimuladas pelo crescimento econômico da cidade e do País. Apesar de reunir um importante acervo de obras pertencentes à história da arquitetura brasileira, a cidade, que esteve relativamente ausente das páginas do jornalismo especializado, se oferece hoje como um território cada vez mais cobiçado por grandes firmas internacionais. Neste texto, pretende-se argumentar, no entanto, que é possível encontrar, na metrópole carioca, uma série de realizações pertencentes a diferentes momentos de sua história urbana, incrivelmente alinhadas com os rumos que tem tomado o debate arquitetônico e urbanístico internacional. Referências que, atualizadas e divulgadas, podem nos ajudar a construir uma visão e uma atitude mais afinada com a condição metropolitana das nossas cidades, assim como a reorientar a própria formação do arquiteto e urbanista.

PALAVRAS-CHAVE: Arquitetura contemporânea. Metrópole. Referência projetual. Rio de Janeiro.

Palavras-chave


Arquitetura contemporânea. Metrópole. Referência projetual. Rio de Janeiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, S.; MCQUADE, M. (Ed.). Landform building: architecture’s new terrain. Zurique: Lars

Muller, 2011.

COLOMINA, B. Privacy and publicity: modern architecture as mass media. Cambridge: MIT, 1996.

FAVERO, M. Dos mestres sem escola à escola sem mestres. 2009. Tese (Doutorado em Arquitetura) —

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

FENTON, J. Hybrid buildings, 11: pamphlet architecture. New York: Princeton Architectural, 1985.

ITO, T. Diagram architecture. El Croquis, v.77, p.18-24, 1996.

KAIJIMA, M.; KURODA, J.; TSUKAMOTO, Y. Made in Tokyo. Tokyo: Kajima, 2001.

KOOLHAAS, R. Delirious New York: a retroactive manifesto for Manhattan. New York: Oxford University,

KOOLHAAS, R. et al. Mutations. Barcelona: Actar, Arc en Rêve Centre d’Architecture, 2000.

KUMA, K. Anti-Object: the dissolution and desintegration of architecture. London: AA, 2008.

LIMA, E.F.W. Corredor cultural do Rio de Janeiro: uma visão teórica sobre as práticas da preservação

do patrimônio cultural. Fórum Patrimônio: Ambiente Construído e Patrimônio Sustententável, v.1,

n.1, p.78-91, 2007.

MACHADO, M.F. Escritório Edison Musa, 1963-1983: como trabalhava um escritório de arquitetura

de grande porte no Rio de Janeiro pós-Brasília. 2009. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) — Faculdade

de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

NUSSAUME, Y. Anthologie critique de la théorie architecturale japonaise: le regard du milieu. Bruxelas:

Ousia, 2004.

RUDOFKSY, B. Architecture without architects. New York: MOMA, 1964.

SCOFFIER, R. Os quatro conceitos fundamentais da arquitetura contemporânea, In: OLIVEIRA, B.

et al. Leituras em teoria da arquitetura I: conceitos. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, 2009. p.162-236.

SHINOHARA, K. Towards architecture. Japan Architect, v.293, p.15, 1981.

TAULOIS, N. Porto olímpico do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IAB-RJ, 2011.

VAZ, L.F.; JACQUES, P.B. Pequeña historia de la favelas de Río de Janeiro. Ciudad y Territorio, v.35,

n.136/137, p.259-272, 2003.

VAZ, L.F.; SILVEIRA, C.B. Áreas centrais, projetos urbanísticos e vazios urbanos. Território, v.7,

p.51-66, 1999.

VIRILIO, P.; PARENT, C. Architecture principe. Paris: Les Editions de l’Imprimeur, 1967.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v10n2a2141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.