Discutindo a lógica da autoprodução de moradias

Priscilla Nogueira

Resumo


O artigo apresenta a dinâmica da autoprodução de moradias, típicas de bairros periféricos de grandes metrópoles. Nessas áreas, vive uma variada e complexa classe média, fruto de sensíveis mudanças em curso na economia brasileira. Apesar de sempre terem construído e reformado suas moradias com poucos recursos, os autoprodutores são excluídos da construção formal e do contexto social para o qual arquitetos usualmente trabalham. Sem dinheiro vivo, mas com crédito aprovado, adquirem mais bens de consumo do que antes, mas continuam à margem das melhores oportunidades de educação e serviços e têm pouco ou nenhum conhecimento construtivo. Tradicionalmente, arquitetos são autores e edifícios são produtos acabados, uma lógica que não condiz com as necessidades dos autoprodutores. O trabalho dos Arquitetos da Família, desenvolvido em Belo Horizonte, entre 2008 e 2010, demonstrou que é possível aproximar arquitetos de autoprodutores populares. Ao mesmo tempo, apesar de ter avançado em relação à prática usual, a experiência revelou que o processo construtivo permaneceu dividido entre projeto, construção e uso. Os trabalhadores manuais permaneceram à margem do processo, apenas obedecendo a decisões prévias. Continuam operando como se estivessem em canteiros formais, cujo objetivo é o lucro, em situações onde o objetivo é o uso. Este artigo discute e questiona se é possível imaginar esquemas de trabalho que de fato integrem arquitetos, usuários e trabalhadores da construção na autoprodução de moradias.

PALAVRAS-CHAVE: Autoprodução de moradias. Bairros periféricos. Lucro. Trabalhadores manuais. Uso.


Palavras-chave


Autoprodução de moradias. Bairros periféricos. Lucro. Trabalhadores manuais. Uso.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, C.; ISHIKAWA, S.; SILVERSTEIN, M. A pattern language. Barcelona: Gustavo

Gilli, 1977.

ALEXANDER, C. El modo intemporal de construir. Barcelona: Gustavo Gilli, 1981.

ARQUITETOS da família. Free Folder, v.1, n.12, p.1, 2009.

BARRETO, I.S. et al. Arquitetura popular do Brasil. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2010.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP, 2008.

DIAZ, S. Promesha: cuaderno de análisis — el arquitecto de la comunidad en Cuba. Habana:

[s.n.], 2002.

FERRO, S. O canteiro e o desenho, 1976. In: FERRO, S. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo: Cosac

Naify, 2006. p.105-202.

HABRAKEN, N.J. El diseño de soportes. Barcelona: Gustavo Gilli, 1979.

HAMDI, N. Small change. London: Earthscan, 2004.

JONES, P.B.; PETRESCU, D.; TILL, J. (Ed.). Architecture and participation. New York: Spon, 2005.

KAPP, S.; BALTAZAR DOS SANTOS, A.P.; VELLOSO, R.C.L. Morar de outras maneiras: pontos de

partida para uma investigação da produção habitacional. Topos, v.4, p.34-42, 2006.

KRAYCHETTE, G. Economia popular solidária: sustentabilidade e transformação social. Salvador:

Universidade Católica de Salvador, 2006.

LIVINGSTON, R. Arquitectos de família: el metodo — arquitectos de la comunidad. Buenos Aires:

Nobuko, 2006.

MALARD, M.L. et al. Avaliação pós-ocupação, participação de usuários e melhoria de qualidade de

projetos habitacionais: uma abordagem fenomenológica. In: ABIKO, A.K.; ORNSTAEIN, S.W. (Org.).

Inserção urbana e avaliação pós-ocupação de habitação de interesse social. Rio de Janeiro: Finep,

p.243-267.

MALARD, M.L.; SANTOS, A.P.B. Residencial Serra Verde: participative design process and self-management

of low-income housing construction in Belo Horizonte, Brazil. In: ASSOCIATION FOR

COMMUNITY DESIGN ANNUAL CONFERENCE, 2006, Los Angeles. Proceedings… Washington:

ACD, 2006. p.23-34.

NOGUEIRA, P.S. Práticas de arquitetura para demandas populares: a experiência dos arquitetos

da família. 2010. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo

Horizonte, 2010.

PALHARES, S.R. Variantes de modificação em habitação popular do espaço planejado ao espaço vivido;

estudo de caso: conjunto habitacional esperança. 2001. Dissertação (Mestrado) — Universidade

Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

RICARDO, E. Análise do programa aquisição de material de construção voltado para população

de baixa renda. 2008. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo

Horizonte, 2008.

SAMUEL, F. Suburban self built. Field: Alternative Currents, v.2, p.111-123, 2008.

SANTOS, R.E. A armação do concreto no Brasil: história da difusão da tecnologia do concreto armado

e da construção da sua hegemonia. 2008. Tese (Doutorado) — Universidade Federal de Minas

Gerais, Belo Horizonte, 2008.

SINGER, P. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

SCHUMACHER, E.F. O negócio é ser pequeno. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

SOUZA, J. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte:

UFMG, 2010a.

SOUZA, J. Uma nova classe social. Le Monde Diplomatique Brasil, v.4, n.40, p.7, 2010b.

SOUZA, J. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

WEIMER, G. Arquitetura popular brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2005.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v10n1a1927

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.