Nos arredores do mercado grande: mudança urbana e agitação social em Campinas na segunda metade do século XIX

Valter Martins

Resumo


Em meados do século XIX, a cidade de Campinas enfrentava uma crise de escassez e carestia de gêneros alimentícios de primeira necessidade. O problema de abastecimento na cidade não era algo novo na cidade. A câmara sempre se preocupou em garantir passadio dos habitantes, desde os tempos em que Campinas era ainda Vila de São Carlos. Através das posturas e da ação de seu fiscal, a câmara municipal buscava regulamentar, organizar e controlar o comércio de gêneros alimentícios. Era uma tarefa dificil, nem sempre coroada de sucesso para lucro do especuladores e prfejuízo dos mais pobres.

Texto completo:

PDF

Referências


BENEVOLO, L. lo scenario físico delle città. In: CARRATELLI, Gio vanni Pugliese. Principii e forme della città. Milano, Libri Scheiwiller, 1993.

BITTENCOURT, L.C. Desenho urbano de Campinas: implantação e evolução. São Paulo, Dissertação (Mestrado em História Social) Departamento de História, Faculdade de Filosofia, letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1999.

BRAUDEL, F. O Mediterrâneo e o mundo mediterrônico. Lisboa, Dom Quixote, 1995.

MARQUES, V. R. B. A medicalização da roça. Médicos, educadores e discurso eugênico. Campinas, Editora do UNI­CAMP, 1994.

MARCÍLIO, M. L. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista - 1700/1836. São Paulo, Hucitec, 2000.

MARTINS, V. História de compra & venda. Mercados e abastecimento urbano em Campinas, 1859/1908. São Paulo, Tese, FFLCH-USP, 2001.

MARTINS, V. Nem senhores, nem escravos. Os pequenos agricultores em Campinas - 180011850. Campinas, CMU/UNICAMP, 1996.

BRESCIANI, M. S. M. Metrópoles: as faces do monstro urbano (as cidades no século XIX). Revista Brasileira de História. São Paulo, Marco Zero, v.5, n. 2 8/9, 1985.

CHALHOUB, S. Trabalho, lar e botequim. São Paulo, Brasiliense, 1986.

CHEVALIER, L. Classes laborieuses et classes dangereuses à Paris, pendont la premiere moitié du XIXeme siecle. Paris, Librairie Générole Fronçoise, 1978 .

CHOAY, F. A história e o método em urbanismo. In: BRESCIANI, S. (org.) Ima­gens da cidade - séculos XIX e XX. São Paulo, Marco Zero, 1993.

DONZELOT, J. A polícia das famílias. Rio de Janeiro, Global, 1980.

LAPA, J. R. do A. A cidade. Os cantos e os antros. Campinas 1850/1900. São Paulo, EDUSP, 1996.

LEMOINE, B. Les halles de Paris. Paris, Léquerre, 1980.

MAX, M. Cidade brasileira. São Paulo, Melhoramentos/EDUSP, 1980.

PERROT, M. Os excluídos da história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ROLNIK, R. A cidade e a lei. Legislação, política urbano e territórios no cidade de São Paulo. São Paulo, Studio Nobel, 1997.

SCHWARCS, L. M. O espetáculo das roças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1830-1930. São Paulo, Cia. das Letras, 1993.

THOMPSON, E.P. A economia moral da multidão inglesa no século XVIII. In: Costumes em comum. Estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Cia. das Letras, 1998.

WEBER, M. Conceito e categorias da cidade. In: VELHO, G. O. (org.) ofenômeno urbano. Rio de Janeiro, Zahar, 1973.

LOUREIRO, M. A. S. A evolução da casa paulistana e a arquitetura de Ramos de Azevedo. São Paulo, Voz do Oeste / Secretaria do Estado do Cultura, 1981.

ZOLA, E. O. Ventre de Paris. São Paulo, Cia. Brasil Editora, 1956.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.