Antropofagia, incisões corporais, terra sem mal: os mortos e a territorialidade tupi nos séculos XVI e XVII

Renato Cymbalista

Resumo


O processo de ocupação do território americano pelos europeus, nos séculos XVI e XVII, significou não apenas a submissão ou a expulsão dos índios, mas também a destruição  de formas especificas de territorialização, incompatíveis com a empresa colonial. Este texto busca contribuir para a compreensão de como os índios tupi da costa brasileira construíam uma ideia de território, em termos muito diferentes daqueles operados pelos europeus. O foco específico são as formas de relacionamento entre os vivos e os mortos, que o texto defende ser uma chave de explicação eficaz para compreender aspectos da territorialidade dos índios. Utiliza-se de fontes do inicio da Idade Moderna, que mostram uma mentalidade européia profundamente marcada pela religiosidade, que identificava, na cultura dos índios, elementos que por vezes os olhos contemporâneos captam com mais dificuldade. As relações entre vivos e mortos são investigadas no texto a partir de três elementos inter-relacionados: as migrações em busca da imortalidade, a antropofagia e as incisões corporais que registravam os guerreiros mortos em combate.

Palavras-chave: America Portuguesa. Colonização. Historia do Território. Jesuítas. Tupi.


Palavras-chave


America Portuguesa. Colonização. Historia do Território. Jesuítas. Tupi.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBEVILLE,C. História da missão dos padres capuchi‑

nhos na Ilha do Maranhão e suas circunvizinhanças.

São Paulo: Siciliano, 2002.

BARLÉU,G. História dos feitos recentemente praticados

durante oito anos no Brasil. São Paulo: Edusp,1974.

BRITO, B.G. (Org.). História trágico‑marítima. Rio de

Janeiro: Lacerda,1998.

CABEZA DE VACA, A. Naufrágios e comentários. Porto

Alegre: L&PM,1999.

CARDIM, F. Tratados da terra e gente do Brasil. São

Paulo: Edusp, 1980.

CLASTRES, Terra sem mal: o profetismo tupi‑guarani.

São Paulo: Brasiliense,1982.

CLASTRES, H. La religion sans les dieux: les chroni‑

queurs du XVIe siècle devant les Sauvages d’Amérique

du Sud. In : SCHMIDT, F. (Ed.). L’impensable polythéis‑

me: études d’historiographie religieuse. Paris: Archives

Contemporaines,1988. p.95‑122.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. São Paulo:

Cosac & Naify, 2003.

CYMBALISTA, R. A cidade na América portuguesa: uma

comunidade de vivos e de mortos. Designio, n. 9/10,

p.189‑204, 2009.

DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da

Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia

das Letras, 2000.

EVREUX, Y. Viagem ao Norte do Brasil, feita nos anos

a 1614. São Paulo: Siciliano, 2002.

FAUSTO, C. Fragmentos de história e cultura tupinam‑

bá. In: CUNHA, M.C. (Org.), História dos índios no Bra‑

sil. São Paulo: Companhia da Letras, 1992. p.381‑396.

GANDAVO, P.M. História da província de Santa Cruz.

São Paulo: Edusp, 1980.

GRUSINSKI, S.O pensamento mestiço. São Paulo: Com‑

panhia das Letras, 2001.

KOK, G. Os vivos e os mortos na América portuguesa.

Campinas: Unicamp, 2001.

LEITE, S. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil. São

Paulo: Comissão do Quarto Centenário, 1956. v. 2.

LÉRY, J. Viagem à terra do Brasil. São Paulo: Edusp,

NÓBREGA, M. Carta ao Dr. Navarro, 1549. In: NÓBRE‑

GA, M.Cartas do Brasil. São Paulo: Edusp, 1988. p.88‑96.

NÓBREGA, M. Informação das terras do Brasil, 1549.

In: NÓBREGA, M. Cartas do Brasil. São Paulo: Edusp,

p.97‑102.

POMPA, C. Religião como tradução: missionários, Tupi

e Tapuia no Brasil Colonial. Bauru: Edusc, 2003.

RAMINELLI, R. Canibalismo em nome do amor. Nossa

História, v.2, n.17, p.26‑31, 2005,

SEVCENKO, N. As alegorias da experiência marítima e

a construção do europocentrismo. In: SCHWARCZ, L.;

QUEIROZ, R. (Org.). Raça e diversidade. São Paulo:

Edusp,1996.

SOUZA, G.S. Notícia do Brasil. São Paulo: Livraria Mar‑

tins Editora, [19--?]. Tomo 2. (Biblioteca Histórica

Brasileira, XVI).

STADEN, H. A verdadeira história dos selvagens, nus e

ferozes devoradores de homens, encontrados no novo

mundo. Rio de Janeiro: Dantes,1998.

THEVET, A. As singularidades da França Antártica. São

Paulo: Edusp,1978.

VAINFAS, R. (Org.). Santo Ofício da Inquisição de Lis‑

boa: confissões da Bahia. São Paulo: Companhia das

Letras, 1997.

VESPÚCIO, A. Novo Mundo: as cartas que batizaram a

América. São Paulo: Planeta, 2003.

VIEIRA, A. Carta ânua ao Geral da Companhia de Jesus,

de setembro de 1626. In: VIEIRA, A. Cartas do Brasil.

São Paulo: Hedra, 2003a. p.77‑117. (Edição João Adol‑

fo Hansen).

VIEIRA, A. Carta ao padre provincial do Brasil, 1654. In:

VIEIRA, A. Cartas do Brasil. São Paulo: Hedra, 2003b.

p.168‑186. (Edição João Adolfo Hansen).

VIVEIROS DE CASTRO, E. Araweté: os deuses canibais.

Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

VIVEIROS DE CASTRO. E. O mármore e a murta. In: A

inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac &

Naify, 2002. p.181‑264.

WAGENER, Z. Thierbuch. Rio de Janeiro: Index,1997.

ZIEBELL, Z. Terra de canibais. Porto Alegre: EDUFR‑

GS,2002.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n13a146

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.