Estudo do percentual de área de janela em edificações brasileiras durante o Século XIX e XX

Verônica Stefanichen Monteiro, Cláudia Cotrim Pezzuto, Alexandre de Assis Mota, Lia Toledo Moreira Mota

Resumo


O consumo de energia para refrigeração residencial, comercial e de serviço tem demonstrado um crescimento em todo o mundo. Nesse sentido, a envoltória do edifício tem um papel importante na medida em que separa o ambiente interno do ambiente externo de uma edificação. Estudos relatam que as janelas contribuem significativamente para os ganhos e as perdas de calor pela envoltória. Portanto, as janelas têm um grande impacto não só sobre o consumo energético no ambiente construído, mas também na qualidade do conforto térmico. Desse modo, este trabalho tem como objetivo principal investigar o percentual de área de janela (área envidraçada) em edificações brasileiras durante o século XIX e XX. A primeira parte deste artigo aborda um breve histórico das janelas na arquitetura brasileira e um panorama geral da relação do consumo de energia e a utilização de janelas nas edificações. A segunda parte apresenta uma análise comparativa em edificações do século XIX e XX, a partir do parâmetro percentual de área de abertura na fachada total. As análises foram realizadas em duas edificações do século XIX, localizadas na cidade de Campinas, e em três edificações do século XX, localizadas nas cidades do Rio de Janeiro, Campinas e São Paulo. Para tanto, foram consultadas pesquisas publicadas, legislação e projetos arquitetônicos dos escritórios responsáveis. Conclui-se que, com o aumento das dimensões das aberturas durante o período estudado, foi-se tornando cada vez mais comum a utilização do vidro como elemento de fechamento. Observou-se que as edificações do século XX apresentaram um expressivo percentual de área de abertura (área envidraçada) na fachada total: índice de 99,56% (edificação São Paulo - 2000), 48,00% (edificação Campinas - 1956) e 66,00% (edificação Rio de Janeiro - 1936), em relação às edificações do século XIX, com 13,30% (edificação Campinas - 1806) e 21,30% (edificação Campinas - 1878). Assim, verificou-se uma expressiva mudança nas tipologias das edificações e um aumento considerável no percentual de área de janela nas fachadas no que diz respeito ao período analisado.

PALAVRAS-CHAVE: Área de janela. Fachadas envidraçadas. Janela.


Palavras-chave


Área de janela. Fachadas envidraçadas. Janela.

Texto completo:

PDF

Referências


BAHAJ, A.S.; JAMES, P.A.B.; JENTSCH, M.F. Potential

of emerging glazing technologies for highly glazed:

buildings in hot arid climates. Energy and Buildings,

v.40, n.5, p.720-731, 2008.

BRASIL. Lei nº 7.413, de 30 de dezembro de 1992.

Dispõe sobre o código de projeto e execução de obras

e edificações do município de Campinas. Diário

Oficial do Município, 30 dez. 1992. Disponível em:

. Acesso em:

jul. 2011.

BRASIL. Lei nº 10.295, de 17 de outubro de 2001.

Dispõe sobre a política nacional de conservação e

uso racional de energia e dá outras providências. Diá-

rio Oficial da União, 18 out. 2001a. Disponível em:

. Acesso em: 23 jul. 2011.

BRASIL. Decreto nº 4.059, de 19 de dezembro de

Regulamenta a Lei nº 10.295, de 17 de outubro

de 2001. Dispõe sobre a obra política nacional

de conservação e uso racional de energia, e dá outras

providências. Diário Oficial da União, 20 dez. 2001b.

Disponível em: . Acesso

em: 23 jul. 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e

Comércio Exterior. Instituto Nacional de Metrologia,

Normalização e Qualidade Industrial. Portaria nº 372,

de 17 de setembro de 2010. Requisitos técnicos da

qualidade para o nível de eficiência energética de edifícios

comerciais, de serviços e públicos. Diário Oficial

da União, 22 set. 2010. Disponível em: <http://www.

inmetro.gov.br>. Acesso em: 2 jul. 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e

Comércio Exterior. Instituto Nacional de Metrologia,

Normalização e Qualidade Industrial. Portaria nº 18,

de 16 de janeiro de 2012. Regulamento técnico da

qualidade do nível de eficiência energética de edifi-

cações residenciais. Diário Oficial da União, 19 jan.

Disponível em: .

Acesso em: 2 jul. 2011.

CAMPINAS. Secretaria da Cultura. Conselho de

Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas. Bens

Tombados. Processo 004/88: Solar do Barão de Itatiba

— Palácio dos Azulejos. Campinas: Prefeitura Municipal

de Campinas, 1988. Disponível em: <http://2009.

campinas.sp.gov.br/cultura/patrimonio/bens_tombados/>.

Acesso em: 2 jul. 2011.

CAMPINAS. Secretaria da Cultura. Conselho de Defesa

do Patrimônio Cultural de Campinas. Bens Tombado.

Processo n° 006/95: Parque Ecológico Monsenhor

Emílio José Salim. Campinas: Prefeitura Municipal de

Campinas, 1995. Disponível em: .

Acesso em: 2 jul. 2011.

CAMPINAS. Secretaria da Cultura. Conselho de

Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas: Bens

Tombados. Processo 003/10: Edifício Itatiaia. Campinas:

Prefeitura Municipal de Campinas, 2010. Disponível

em: <http://2009.campinas.sp.gov.br/cultura/

patrimonio/bens_tombados/>. Acesso em: 2 jul. 2011.

CARAM, R.M. Caracterização ótica de materiais transparentes

e sua relação com o conforto ambiental em

edificações. 1998. Tese (Doutorado) — Faculdade de

Engenharia Civil, Universidade Estadual de Campinas,

Campinas, 1998.

CASTRO, A.P.A.S. Desempenho térmico de vidros utilizados

na construção civil: estudo em células-teste. 2006.

Tese (Doutorado) — Faculdade de Engenharia Civil,

Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de

Campinas, Campinas, 2006.

FRANCISCO, R.C. Construtores anônimos em Campinas

(1892-1929): reflexões sobre o estudo da história

da arquitetura. Oculum Ensaios: Revista de Arquitetura

e Urbanismo, v.9-10, p.42-50, 2009.

GHISI, E.; TINKER, J.A.; IBRAHIM, S.H. Área de janela

e dimensões de ambientes para iluminação natural

e eficiência energética: literatura versus simula-

ção computacional. Ambiente Construído, v.5, n.4 ,

p.81-93, 2005.

GÓMEZ, L.A.; LAMBERTS, R. Simulação da influência

de algumas variáveis arquitetônicas no consumo

de energia em edifícios. In: ENCONTRO NACIONAL,

, e ENCONTRO LATINO AMERICANO SOBRE CONFORTO

NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 1995, Gramado.

Anais… Gramado: Antac, 1995. p.415-420.

JABER, S.; AJIB, S. Thermal and economic windows

design for different climate zones. Energy and Buildings.

v.43, p.3208-3215, 2011.

LABAKI, L.C.; KOWALTOWSKI, D.C.C.K. Bioclimatic

and vernacular design in urban settlements of Brazil.

Building and Environment, v.33, n.1, p.63-77, 1998.

LAPA, J.R.A. Cidade: os cantos e os antros — Campinas

-1900. São Paulo: Edusp, 1996.

LEME, R.S.; SALGADO, I. Arquitetura Moderna em

Campinas: o edifício Itatiaia. Revista de Pesquisa em

Arquitetura e Urbanismo, v.9, n.1, p.22-34, 2009.

OLGYAY, V.; OLGYAY, A. Solar control and shading devices.

Princeton: Princeton University,1957.

RODRIGUES, J.W. Arquitetura civil I: a casa de moradia

no Brasil antigo. São Paulo: USP, 1975.

SADINENI, S.B.; MADALA, S.; BOEHM R.F. Passive

building energy savings: a review of building envelope

components. Renewable and Sustainable Energy

Reviews, v.15, n.8, p.3617-3631, 2011.

SANTANA, M.V.; GHISI, E. Influência do percentual de

área de janela na fachada e da absortância de paredes

externas no consumo de energia em edifícios de escritório

da cidade de Florianópolis-SC. In: ENCONTRO

NACIONAL, 9., e LATINO AMERICANO DE CONFORTO

NO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 5., 2007, Ouro

Preto. Anais… Ouro Preto: Antac, 2007. p.1668-1676.

SANTOS, J.C.P. Avaliação do desempenho térmico e

visual de elementos transparentes frente à radiação solar.

Tese (Doutorado) — Universidade de São Paulo,

São Carlos, 2002.

SANTOS, M.A. A arena cultural paulista: um olhar sobre

as condições de implementação do Modernismo na São

Paulo do início do século XX. Oculum Ensaios: Revista de

Arquitetura e Urbanismo, v.7-8, p.14-23, 2008.

SARDEIRO, P.S. Estudo das janelas laterais e a ilumina-

ção natural: estudo de caso. 2002. Dissertação (Mestrado)

— Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade

de São Paulo, São Carlos, 2002.

SARDEIRO, P.S. Parâmetros para a escolha de superfí-

cies translúcidas, visando o conforto térmico e visual na

edificação. 2007. Tese (Doutorado) — Universidade

Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

SINGH, M.C.; GARG, S.N. Energy rating of different

glazings for Indian climates. Energy, v.34,

p.1986-1992, 2009.

VASCONCELLOS, S. Arquitetura no Brasil: sistemas

construtivos. 5.ed. São Paulo: UFMG, 1973.

WISNIK, G. Lucio Costa. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

ZHAI Z.J.; PREVITAL J.M. Ancient vernacular architecture:

characteristics categorization and energy performance

evaluation. Energy and Buildings. v.42, n.3,

p.357-365, 2010.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n16a1452

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.