Caracterização do patrimônio ambiental em parques na bacia hidrográfica do Sorocaba-Médio Tietê: cidades de Cabreúva, Itu, Salto e Porto Feliz, São Paulo

Fernando Vicente de Oliveira, André Munhoz de Argollo Ferrão

Resumo


Este artigo caracteriza o patrimônio existente na forma de parques como um componente fundamental da paisagem na Bacia Hidrográfica do Sorocaba-Médio Tietê, entre as cidades de Cabreúva, Itu, Salto e Porto Feliz, no estado de São Paulo, Brasil, através de um único — e integrador —, parque fluvial, procurando evidenciá-lo através da composição de seu mosaico à beira do rio. Esse patrimônio se comprova com relevância, tanto no contexto nacional como internacional, entendido como algo a ser preservado pelo seu valor intrínseco cultural e de suas políticas de preservação. Seus espaços físicos são reconhecidos como história da formação do estado de São Paulo. O parque fluvial a ser apresentado é entendido como uma potencialidade e ferramenta para o uso do planejamento e da ordenação territorial das bacias hidrográficas, pois engloba várias municipalidades. Os parques que compõem esse cenário, além do caráter natural, também levam em conta as representações sociais e culturais, pois seu processo de execução contempla a paisagem e o patrimônio. Assim, enquanto se promove o desenvolvimento do território, pode-se explorar suas atividades turísticas e culturais.

PALAVRAS-CHAVE: Bacia hidrográfica. Paisagem. Parque fluvial. Patrimônio cultural.


Palavras-chave


Bacia hidrográfica. Paisagem. Parque fluvial. Patrimônio cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A.N. Os domínios da natureza no Brasil:

potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

ARGOLLO FERRÃO, A.M. Arquitetura rural e o espaço

não-urbano. Labor & Engenho, v.1, n.1, p.89-112,

Disponível em: .

Acesso em: dez. 2011.

CARPI JÚNIOR, S. Unidades geoambientais patrimônio

natural no Vale do Médio Tietê, SP, Brasil. In: SEMINÁ-

RIO LATINO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA, 6.,

e SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO DE GEOGRAFIA

FÍSICA, 2., 2010, Coimbra, Portugal. Anais… Coimbra:

Universidade de Coimbra, 2010. p.1-12.

CHOAY, F. Alegoria do patrimônio. São Paulo: Unesp,

GOMES CARNEIRO, C.F.A. Patrimônio natural e

valores. Curitiba: SEEC/PR, [200-?]. Disponível em:

. Acesso

em: 16 abr. 2007.

LEINZ, V. Estudos sobre a glaciação permo-carbonífera

do Sul do Brasil. Rio de Janeiro: DNPM, 1937.

LEMOS, C.A.C. O que é patrimônio histórico? São Paulo:

Brasiliense, 1987.

MODENESI, M.C. Contribuição a geomorfologia da

região de Itu – Salto. 2008. Dissertação (Mestrado) –

Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo,

São Paulo, 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Patrimô-

nio natural. [200-?]. Disponível em: <http://www.

unesco.org.br/areas/ciencias/areastematicas/patrimonionatural/index_html/mostra_documento>.

Acesso em: 10 abr. 2007.

RONDINO, E. Áreas verdes como redestinação de áreas

degradadas pela mineração: estudo de casos nos municípios

de Ribeirão Preto, Itu e Campinas, estado de São

Paulo. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Escola

Superior de Agronomia Luiz de Queiroz, Universidade

de São Paulo, 2005.

SABATÉ BEL, J.; SCHUSTER, J.M. (Ed.). Projectant l’

eix del Llobregat: paisage cultural i desenvolupament

regional. Barcelona: Universitat Politècnica de Catalunya,

SALTO. Prefeitura da Estância Turística. Parque das

Lavras. [200-?a]. Disponível em: <www.salto.sp.gov.

br>. Acesso em: dez. 2011.

SALTO. Prefeitura da Estância Turística. Parque Rocha

Moutonée. [200-?b]. Disponível em: <www.salto.

sp.gov.br>. Acesso em: dez. 2011.

SANTOS, J.L. O que é cultura? 16.ed. São Paulo: Brasiliense,

SCIFONI, S. Patrimônio mundial: do ideal humanista à

utopia de uma nova civilização. Geousp, v.14, p.77-88,

Disponível em: <http://www.geografia.fflch.

usp.br/ publicacoes/Geousp/Geousp14/Geousp_14_

Scifoni.htm>. Acesso em: 20 abr. 2007.

SILVA, F.F. As cidades brasileiras e o patrimônio cultural

da humanidade. São Paulo: Petrópolis, 2003.

TOSCANO, J.W. Diagnóstico geral da cidade de Itu para

a implementação de um programa de ação cultural. São

Paulo: Condephaat, 1977.

TUCCI, C.E.M. Hidrologia: ciência e aplicação. 2.ed.

Porto Alegre: UFRGS, 1997.

YASSUDA, E.R. Gestão de recursos hídricos: fundamentos

e aspectos institucionais. Revista de Administração

Pública, v.27, n.2, p.5-18, 1993.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n16a1450

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.