As práticas do urbanismo modernista e da conservação urbana na cidade do Recife: dilemas, confrontos e o Plano de Gabaritos de 1965

Virgínia Pontual, Juliana Melo Pereira

Resumo


O foco deste artigo são as práticas do urbanismo modernista e da conservação urbana na cidade do Recife entre 1960 e 1978, período de elaboração, aprovação e vigência do Plano de Gabaritos para os bairros de Santo Antônio e São José. Este plano consiste numa planta de zoneamento fixadora de alturas nas proximidades de edificações históricas destes bairros. Durante o processo de modernização de Santo Antônio e São José o modelo de cidade modernista — com largas avenidas ocupadas por arranha-céus - foi eleito como ideal e perseguido pela Municipalidade e por proprietários de terrenos. Este anseio por modernização urbana chocou-se com a criação do 1º Distrito Regional da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico e Nacional na cidade, que, chefiado por Ayrton Carvalho, passou a exigir o cumprimento das determinações do Decreto nº. 25 para proteger a ambiência dos edifícios tombados. A partir de então, uma série de conflitos podem ser observados nos processos de aprovação de novas edificações na Avenida Dantas Barreto, que só foram amenizados com a aprovação do Plano de Gabaritos, elaborado em conjunto pela Municipalidade e pelo 1º Distrito.

Palavras-chave: Conservação. Legislações urbanísticas. Urbanismo modernista.


Palavras-chave


Conservação. Legislações urbanísticas. Urbanismo modernista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E.E. Legislações urbanísticas e a avenida

Dantas Barreto. Décadas de 1930 a 1970: propostas e

aplicações. Recife: UFPE, 2006. (Relatório de Inicia-

ção científica).

ARQUIVO público Jordão Emerenciano. Diário de Pernambuco.

Recife, 1964-1965.

ARQUIVO público Jordão Emerenciano. Jornal do

Commercio, Recife, 1964-1965.

BRASIL. Decreto-lei nº. 25, de 30 de novembro de 1937.

Disponível em: <http://portal.iphan. gov.br/portal/baixaFcdAnexo.do;

jsessionid=F5A8A2E41A51F3C0B879

B6D177FF9A1E?id =284>. Acesso em: 28 jun. 2011.

CARVALHO, A. Ofício nº 004/53. Arquivo da 5ª Superintendência

Regional do IPHAN, Pasta Processo de

Imóveis - edifício Igarassu. Recife, 1953.

CARVALHO. Ofício nº 219/52. Arquivo da 5ª Superintendência

Regional do IPHAN, Pasta Processo de Imó-

veis - edifício Igarassu. Recife, 1952

DOMINGUES, M. Domingues Marcos: depoimento

dez. 2008]. Entrevista concedida à Juliana Melo

Pereira. [mimeo].

LEME, M.C. (Org.). Urbanismo no Brasil. São Paulo:

Studio Nobel, 1999.

LISPECTOR, S. Ofício nº 1.399. Arquivo da 5ª Superintendência

Regional do IPHAN, Pasta Processo de

Imóveis - edifício Igarassu. Recife, 1954.

MATTOS, I.C. Os planos urbanísticos e a Avenida Dantas

Barreto: propostas e intervenções. Recife: UFPE,

(Relatório de Iniciação científica).

MENEZES, J.L.M. José Luiz da Mota Menezes: depoimento

dez. 2008]. Entrevista concedida à Juliana

Melo Pereira. [mimeo].

PEREIRA, J.M. Dilemas e confrontos entre o urbanismo

modernista e a conservação urbana na cidade do Recife:

o plano de gabaritos de 1965. Monografia — Universidade

Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

PESSÔA, J. (Org.). Lúcio Costa: documentos de trabalho.

Rio de Janeiro: IPHAN, 1999.

PICCOLO, R. Paraíso & martírios: histórias de destruição

de artefatos urbanos e arquitetônicos no Recife.

Dissertação (Mestrado) - Universidade

Federal de Pernambuco, Recife, 2008.

PONTUAL, V. O saber urbanístico no governo da cidade:

uma narrativa do Recife das décadas de 1930 a 1950.

Tese (Doutorado) — Universidade de São Paulo,

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 1998.

PROCESSO nº. 3.099/54. Edifício Banco Mercantil.

Arquivo da 5ª Superintendência Regional do IPHAN,

Pasta PI-D-1.10. Recife, 1954.

PROCESSO nº 26.771/52. Edifício Igaraçu. Arquivo

da 5ª Superintendência Regional do IPHAN, Pasta

PI-D-3.3. Recife, 1952.

PROCESSOEdifício Leila. Arquivo da 5ª Superintendência

Regional do IPHAN, Pasta PI-D-1.10. Recife, [s.d.]

RECIFE. Conselho Municipal. Lei Municipal nº.

051, de 11 de setembro de 1919. Imprensa Oficial.

RECIFE. Decreto n.º 109, de 15 de outubro de 1938.

Diário do Estado, 16 out. 1938, p.10.

RECIFE. Decreto n.º 75, de 30 de junho de 1938.

Diário do Estado, 31 jul. 1938, p.18.

RECIFE. Decreto nº. 27, de 15 de julho de 1916. Di-

ário Oficial, 16 jul. 1916, p.2981.

RECIFE. Lei nº. 2.590, de 24 de novembro de 1953.

Diário Oficial, 26 nov. 1953, p. 5579 e 5580.

RECIFE. Prefeitura Municipal do Recife. Decreto Municipal

nº. 374, de 12 de agosto de 1936. Imprensa Oficial.

REIS, J.S. Informação nº 29. Arquivo da 5ª Superintendência

Regional do IPHAN, Pasta Processo de

Imóveis - edifício Mercantil. Recife: [s.d.].

SILVA, G.G. Geraldo Gomes da Silva: depoimento [9

dez. 2008]. Entrevista concedida à Juliana Melo Pereira.

[mimeo].




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n13a144

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.