Manifestações clínicas de dengue em crianças durante epidemia na região de Campinas (SP)

Mariana Porto Zambon, Maria Ângela Reis de Góes Monteiro Antonio, André Moreno Morcillo, Rachel Alvarenga Queiroz, Marília de Queiroz e Carvalho, Marcelo Conrado dos Reis

Resumo


Objetivo

Descrever as manifestações clínicas e analisar os achados laboratoriais indicativos de dengue, na Unidade de Urgência Referenciada Pediátrica do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, durante epidemia na região, entre janeiro de 2007 e março de 2008.

Métodos

Foi feito estudo transversal de 231 pacientes com suspeita de dengue e idade entre zero e 15 anos. Os casos foram divididos em dois grupos, confirmados ou não, utilizando-se sorologias e/ou teste rápido ou critério clínico-epidemiológico durante a epidemia. Levantaram-se variáveis clínicas e laboratoriais, que foram processadas e comparadas entre os grupos, usando-se o programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) 16.0 e os testes estatísticos Qui-quadrado, teste-exato de Fisher, teste t de Student e regressão logística univariada, adotando-se p<0,05.

 

Resultados

Confirmou-se dengue em 156 pacientes: 115 (73,7%) por critério clínico-epidemiológico, 20 (12,8%) por sorologia, 11 (7,1%) por teste rápido e 10 (6,4%) por ambos. O grupo portador de dengue apresentou maior média de idade, mais queixas de prostração, cefaleia, exantema, menos de diarreia e dor abdominal, necessitando menos de hidratação venosa e internação hospitalar. Encontrou-se também maior média de hematócrito e menor de leucócitos e plaquetas. Apenas um paciente preencheu critérios para febre hemorrágica do dengue. Dois evoluíram para óbito (sepse e febre maculosa).

 

Conclusão

Na poopulação analisada, os sinais clínicos sugestivos para diagnóstico de dengue foram: idade, prostração, cefaleia e exantema, sendo pouco frequentes diarreia e dor abdominal. Alterações no hemograma mostraram-se estatisticamente significantes. Foram poucos os casos graves, um de febre hemorrágica do dengue e dois óbitos que não confirmaram dengue como causa mortis.

Termos de indexação: Criança. Dengue. Sintomas clínicos. Surto de doença.


Palavras-chave


Criança. Dengue. Sintomas clínicos. Surto de doença.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Dengue haemorrhagic fever: diagnosis, treatment, prevention and control. 2nd ed. Geneva: WHO; 1997 [Cited 2009 Feb 12]. Available from: http://www.who.int/csr/resources/publications/dengue/Denguepublication>.

Deen JL, Harris E, Wills B, Balmaseda A, Hammond SN, Rocha C, et al. The WHO dengue classification and case definitions: time for a reassessment. Lancet. 2006; 368(9530):170-3.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico. 3ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6ª ed. Brasília: MS; 2005. capítulo 6, p.231-53.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Dengue: diagnóstico e manejo clínico. Brasília: Funasa; 2002.

Brasil. Organização Mundial de Saúde. Dengue hemorrágica: diagnóstico, tratamento, prevenção e controle. 2ª ed. São Paulo: OMS; 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação nacional de saúde manual de dengue: vigilância epidemiológica e atenção ao doente. 2ª ed. Brasília: DEOPE; 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. 2ª Ed. revisada. Brasília: MS; 2008. Série A. Normas e

Manuais Técnicos Cadernos de atenção básica n° 21.

Centro de Vigilância Epidemiológica Professor Alexandre Vranjac. Dengue: casos autóctones por DIR e Município Estado de São Paulo 1995-2007 [acesso 2007 jun. 25]. Disponível em: .

Brasil. Ministério da Saúde. Dengue: notificações registradas no Sistema de Informação de Agravos de notificação - Sinan Net [acesso 2010 nov. 14]. Disponível em: <http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

tabnet/dh?sinannet/dengue/bases/denguebrnet.def>.

Kumar R, Tripathi P, Tripathi S, Kanodia A, Pant S, Venkatesh V. Prevalence and clinical differentiation of dengue fever in children in Northern India. Infection. 2008; 36(5):444-9.

Oliveira MJC, Cordeiro MT, Costa FM, Murakami G, Silva MAS, Travassos RC, et al. Freqüência de sarampo, rubéola, dengue e eritema infeccioso entre casos suspeitos de sarampo e rubéola no estado de Pernambuco, no período de 2001 a 2004. Rev Soc Bras Med Trop. 2008; 41(4):338-44.

Figueiredo LT, Cavalcante SM, Simões MC. Encuesta serológica sobre el dengue entre escolares de Rio de Janeiro, Brasil, 1986 y 1987. Bol Oficina Sanit Panam. 1991; 111(6):525-33.

Diaz-Quijano FA, Villar-Centeno LA, Martínez-Veja RA. Indicadores tempranos de infección por dengue en niños. An Pediatr (Barc). 2006; 64(6):523-9.

Endy TP, Chunsuttiwat S, Nisalak A, Libraty DH, Green S, Rothman AL, et al. Epidemiology of inapparent and symptomatic acute dengue virus infection: a prospective study of primary school children in

Kamphaeng Phet, Thailand. Am J Epidemiol. 2002;156(1):40-51.

Nogueira SA. The challenge of diagnosing dengue in children. J Pediatr (Rio de Janeiro). 2005; 81(3):191-2.

Cordeiro MT, Silva AM, Brito CAA, Nascimento EJM, Magalhães MCF, Magalhães GF, et al. Characterization of a dengue patient cohort in Recife, Brazil. Am J Trop Med Hyg. 2007; 77(6):1128-34.

Montgomery DC. Design and analysis of experiments 3rd ed. New York: John Wiley & Sons; 1991.

Montenegro D, Lacerda HR, Lira TM, Oliveira DSC, Lima AAF, Guimarães MJB, et al. Aspectos clínicos e epidemiológicos da epidemia de dengue no Recife, PE, em 2002. Rev Soc Bras Med Trop. 2006; 39(1):9-13.

Armien B, Suaya JA, Quiroz E, Sah BK, Bayard V, Marchena L, et al. Clinical characteristics and national economic cost of the 2005 dengue epidemic in Panama. Am J Trop Med Hyg. 2008; 79(3):364-71.

Caballero MEV, Portuondo TMA, Serrano HP. Características clínicas de la febre de dengue em niños durante el brote epidémico en Santiago de Cuba. Rev Cuba Med Trop. 2001; 53(1):20-3.

Kittigul L, Pitakarnjanakul P, Sujirarat D, Siripanichgon K. The differences of clinical manifestations and laboratory findings in children and adults with dengue virus infection. J Clin Virol. 2007; 39(2):76-81.

Sheng NG, Lum LCS, Ismail NA, Tan LH, Tan CPL. Clinicians’ diagnostic practice of dengue infections. J Clin Virol. 2007; 40(3):202-6.

Passos, SRL, Bedoya SJ, Hökerberg YHM, Maia SC, Georg I, Nogueira RMR, et al. Clinical and laboratory signs as dengue markers during an outbreak in Rio de Janeiro. Infection. 2008; 36(6):570-4.

Vita WP, Nicolai CCA, Azevedo MB, Souza MF, Baran M. Dengue: alertas clínicos e laboratoriais da evolução grave da doença. Rev Bras Clin Med. 2009; 7(1):11-14.

Guzman MG, Kouri G, Valdes L, Bravo J, Alvarez M, Vazquez S, et al. Epidemiological studies on dengue in Santiago de Cuba 1997. Am J Epidemiol. 2000; 152(9):793-9.

Nunes-Araújo FRF, Ferreira MS, Nishioka SA. Dengue fever in Brazilian adults and children: assessment of clinical findings and their validity for diagnosis. Ann Trop Med Parasitol. 2003; 97(4):415-9.

Setiati TE, Mairuhu ATA, Koraka P, Supriatna M, Gillavry MRM, Brandjes DPM, et al. Dengue disease severity in Indonesian children: an evaluation of the World Health Organization classification system. BMC Infect Dis. 2007; 7:22. [cited 2011 Fev 25]. Available from:

.

Marzochi, KBF. Dengue endêmico: o desafio das estratégias de vigilância. Rev Soc Bras Med Trop. 2004; 37(5):413-5.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v19n1/6a825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.