Postura sentada de crianças com paralisia cerebral: influência do apoio dos membros superiores

Bruna Carla Périco, Sebastião Marcos Ribeiro de Carvalho, Lígia Maria Presumido Braccialli

Resumo


Objetivo

O estudo teve o propósito de analisar a distribuição de pressão no assento do mobiliário e o equilíbrio estático em crianças com paralisia cerebral na postura sentada sem apoio e com apoio dos membros superiores em mesa adaptada.

Métodos

Participaram deste estudo 12 crianças com diagnóstico de paralisia cerebral espástica, na faixa etária de 4 a 11 anos. A coleta de dados foi realizada com o participante sentado em cadeira adaptada em duas situações: 1) sem apoio dos membros superiores e 2) com os membros superiores apoiados em mesa adaptada. Os dados foram obtidos por meio do programa Conformat Research 5.8.

 

Resultados

O pico de pressão foi maior quando a amostra estudada permanecia sentada sem apoio dos membros superiores do que com apoio de membros superiores em mesa adaptada (p=0,015); houve menor distribuição da área de contato quando os participantes encontravam-se sentados sem apoio de membros superiores do que com apoio de membros superiores (p=0,007).

 

Conclusão

A utilização do apoio de membros superiores em mesa adaptada demonstrou melhora na distribuição de pressão no assento do mobiliário durante a postura sentada de crianças com paralisia cerebral espástica. Não houve diferença significativa entre o equilíbrio estático sem apoio e com apoio dos membros superiores em mesa adaptada.

Termos de indexação: Decoração interior e mobiliário. Paralisia cerebral. Postura.


Palavras-chave


Decoração interior e mobiliário. Paralisia cerebral. Postura.

Texto completo:

PDF

Referências


Krägeloh-Mann I, Cans C. Cerebral palsy update. Brain

Dev. 2009; 31(7):537-44.

Pakula AT, Braun KVN, Yeargin-Allsopp M. Cerebral

palsy: classification and epidemiology. Phys Med

Rehabil Clin N Am. 2009; 20(3):425-52.

Cobeljic G, Bumbasirevic M, Lesic A, Bajin Z. The

management of spastic equinus in cerebral palsy.

Orthop Trauma. 2009; 23(3):201-9.

Jacobsson B, Hagberg G. Antenatal risk factors for

cerebral palsy. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol.

; 18(3):425-36.

Borges D, Moura E, Lima E, Silva PAC. Fisioterapia:

aspectos clínicos e práticos da reabilitação. São Paulo:

Artes Médicas; 2007.

Papavasiliou AS. Management of motor problems in

cerebral palsy: a critical update for the clinician. Eur J

Paediatr Neurol. 2009; 13(5):387-96.

Chung J, Evans J, Lee C, Lee J, Rabbani Y, Roxborough

L, et al. Effectiveness of adaptive seating on sitting

posture and postural control in children with cerebral

palsy. Pediatr Phys Ther. 2008; 20(4):303-17.

Ferdjallah M, Harris GF, Smith P, Wertsch JJ. Analysis

of postural control synergies during quiet standing

in healthy children and children with cerebral palsy.

Clin Biomech. 2002; 17(3):203-10.

Washington K, Deitz JC, White OR, Schwartz IS. The

effects of a contoured foam seat on postural

alignment and upper-extremity function in infants

with neuromotor impairments. Phys Ther. 2002;

(11):1064-76.

McDonald RL, Surtees R. Longitudinal study

evaluating a seating system using a sacral pad and

kneeblock for children with cerebral palsy. Disabil

Rehabil. 2007; 29(13):1041-7.

Quinbya JM, Abrahamb A. Musculoskeletal problems

in cerebral palsy. Current Paediatr. 2005; 15(1):9-14.

Gericke T. Postural management for children with

cerebral palsy: consensus statement. Dev Med Child

Neurol. 2006; 48(4):244.

Braccialli LMP. Influência da utilização do mobiliário

adaptado na postura sentada de indivíduos com paralisia

cerebral espástica [tese]. Campinas: Universidade

Estadual de Campinas; 2000.

Palisano R, Rosembaum P, Walter S, Russell D, Wood

E, Galuppi B. Development and reliability of a system

to classify gross motor function in children with

cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 1997;

(4):214-23.

Nwaobi OM. Seating orientations and upper function

in children with cerebral palsy. Phys Ther. 1987; 67(8):

-12.

Myhr U, Wendt LV, Norrlin S, Radell U. Five-year followup

of function sitting position in children with

cerebral palsy. Dev Med Child Neurol. 1995; 37(7):

-96.

Tookuni KS, Bolliger Neto R, Pereira CAM, Souza DR,

Greve JMD, Ayala AD. Análise comparativa do controle

postural de indivíduos com e sem lesão do ligamento

cruzado anterior do joelho. Acta Ortop Bras. 2005;

(3):115-9.

Armitage P, Berry G. Estadística para la investigación

biomédica. 3ª ed. Madrid: Harcourt Brace; 1997.

Statistical Package for the Social Sciences Inc. SPSS

statistic base, version 13.0 for Windows User’s Guide.

Chicago (IL): SPSS; 2006.

Kochhann ARS, Canali N, Serafim MAP. Comparação

de picos de pressão em assento flexível em portadores

de lesão medular e indivíduos normais: uma avaliação

por interface de pressão. Acta Fisiatr. 2004; 11(3):

-100.

Shen I, Kang S, Wu C. Comparing the effect of different

design of desks with regard to motor accuracyin

writing performance of students with cerebral palsy.

Appl Ergon. 2003; 34(2):141-7.

Utley A, Sugden DA, Lawrence G, Astill S. The influence

of perturbing the working surface during reaching

and grasping in children with hemiplegic cerebral

palsy. Disabil Rehabil. 2007; 29(1):79-89.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v20n1/2a821

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.