Pseudotumor fibroso de epidídimo

Thiago Mussato Carcinoni, Lísias Nogueira Castilho, André Meirelles dos Santos, Carlos Augusto Bastos Varzim, Alexandre Soares Grieco, Thais Mussato Carcinoni

Resumo


Os tumores benignos de estruturas paratesticulares são incomuns; entre eles, o pseudotumor fibroso periepididimário é o mais raro. Os pseudotumores fibrosos podem acometer qualquer faixa etária, mas são mais comuns na terceira década de vida. Apresentam-se como uma massa na região do testículo, pouco dolorosa, acompanhada de hidro ou hematocele. Relata-se o caso de um paciente do sexo masculino de 35 anos com queixa de nodulação palpável em testículo esquerdo há dois anos, com aumento progressivo e leve desconforto local. Testículo esquerdo de tamanho um pouco aumentado em relação ao contralateral, com cabeça de epidídimo de dimensões aumentadas, endurecida e levemente dolorosa à palpação, sem limites definidos com o testículo adjacente. Ao ultrassom apresentava imagem expansiva em epidídimo esquerdo com vascularização ao doppler. Foi feita inguinotomia com orquiectomia esquerda e ficou evidenciado pseudotumor fibroso epididimário ao exame anatomopatológico. Este relato de caso tem com objetivo chamar a atenção dos urologistas para a possibilidade deste diagnóstico diante da presença de tumores da região escrotal.
Termos de indexação: Epidídimo. Granuloma de células plasmáticas. Doenças testiculares.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.