Acidentes com crianças e adolescentes, segundo o Inquérito Sentinela

Suzana Ferreira Zimmerman, Andrea de Melo Alexandre Fraga, André Moreno Morcillo, Naoko Yanagizawa Jardim Silveira, Maria Ângela Reis de Góes Monteiro Antonio

Resumo


Objetivo

Os acidentes são a principal causa de mortalidade entre crianças e adolescentes. Para sua prevenção, faz-se necessário conhecer esses eventos. O objetivo deste estudo foi descrever as características dos acidentes e das vítimas crianças e adolescentes, atendidas nos serviços sentinela de urgência em Campinas, comparando os dados obtidos nos Inquéritos Sentinela dos anos de 2011 e 2014.

Métodos

Trata-se de estudo descritivo transversal, em que foram incluídas vítimas de acidentes na faixa etária de 0 a 19 anos, residentes em Campinas, e que procuraram atendimento por essas ocorrências pela primeira vez, durante trinta dias consecutivos, em 2011 ou em 2014. Realizou-se análise descritiva por meio de distribuição de frequências e, para a avaliação da associação entre variáveis, empregou-se o teste de Qui-Quadrado.

Resultados

Foram analisados os dados de 284 atendimentos prestados em 2011, bem como os 414 atendimentos de 2014, de forma comparativa. O estudo concluiu que as vítimas mais frequentes pertenciam ao sexo masculino (59,9% e 63,3%, respectivamente em 2011 e 2014) e foram transportadas ao serviço por veículo particular (66,9% e 69,9%). Os acidentes mais frequentes foram quedas (45,4% e 41,3%) e outros eventos (39,8% e 42,8%), predominando o choque contra objeto/pessoa. Os acidentes ocorreram, principalmente, na residência (39,8% e 46,1%), de segunda a sexta-feira (64,4% e 64,3%), no período entre 12h e 18h (50,0% e 46,9%). A lesão predominante foi contusão (33,8% e 25,8%), principalmente nos membros superiores (38,6% e 29,2%) e nos inferiores (33,7% e 25,6%). A evolução nas primeiras 24 horas foi alta em 90,5% e 92,8% dos casos, respectivamente.

Conclusão

Em síntese, o estudo concluiu que predominaram vítimas do sexo masculino, que chegaram ao hospital por veículo particular. Prevaleceram quedas dentro da residência, causando contusões em membros, que evoluíram para alta.


Palavras-chave


Acidentes. Prevenção de acidentes. Vigilância de evento sentinela.

Texto completo:

PDF

Referências


Dantés HG. Injuries from external causes in Mexico:

Lessons learned and challenges for the National Health

System. Salud Publica Mex. 2011;53(1):99-101.

Chen G, Smith GA, Deng S, Hostetler SG, Xiang H.

Nonfatal injuries among middle-school and highschool

students in Guangxi, China. Am J Public Health.

;95(11):1989-95.

World Health Organization. Department of injuries

and violence prevention [cited 2016 Aug 26]. Available from: http:// www. Who.int/violence_injury_prevention/

vip.htm

Gawryszewski VP, Koizumi MS, Jorge MHPM. As

causas externas no Brasil no ano 2000: comparando

a mortalidade e a morbidade. Cad Saúde Pública.

;20(4):995-1003.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância

em Saúde. Saúde Brasil 2010: uma análise da situação

de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Neves ACM, Mascarenhas MDM, Silva MMA, Malta DC.

Perfil das vítimas de violências e acidentes atendidas em

serviços de urgência e emergência do Sistema Único

de Saúde em capitais brasileiras: 2011. Epidemiol Serv

Saúde. 2013;22(4):587-96.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº1.356, de 23

de junho de 2006. Institui incentivo aos estados, ao

Distrito Federal e aos municípios para a Vigilância de

Acidentes e Violências em Serviços Sentinela, com

recursos da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).

Diário Oficial da União; 2006.

Gawryszewski VP, Silva MMA, Malta DC, Mascarenhas

MDM, Costa VC, Matos SG, et al. A proposta da rede

de serviços sentinela como estratégia da vigilância

de violências e acidentes. Ciênc Saúde Coletiva.

;11(Sup):1269-78.

World Health Organization. Injury Surveillance

Guidelines. Geneva: WHO; 2001.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância

em Saúde. Manual do entrevistador: inquérito sobre

atendimentos por violências e acidentes em serviços

sentinela de urgência e emergência do Sistema de

Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA). Capitais,

Distrito Federal e municípios selecionados. Brasília:

Ministério da Saúde; 2011.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância em

Saúde. Viva: Vigilância de Violências e Acidentes [citado

nov 10]. Disponível em: http://portalms.saude.

gov.br/vigilancia-em-saude/vigilancia-de-violencias-eacidentes-

viva/vigilancia-de-acidentes/publicacoes

Secretaria Municipal de Saúde (Campinas). Estruturação

do Núcleo de Prevenção de Violências e Acidentes,

Promoção à Saúde e Cultura de Paz do município

de Campinas (NPVA Campinas) [citado 2018 out

. Disponível em: http://www.saude.campinas.

sp.gov.br/vigilancia/violencia/NPVA_campinas_

institucional_14jul10.pdf

Mascarenhas MDM, Silva MMA, Malta DC, Moura

L, Gawryszewski VP, Costa VC, et al. Atendimentos

de emergência por acidentes na Rede de Vigilância

de Violências e Acidentes: Brasil, 2006. Ciênc Saúde

Coletiva. 2009;14(5):1657-68.

Baracat ECE, Paraschin K, Nogueira RJN, Reis MC,

Fraga AMA, Sperotto G. Acidentes com crianças e sua evolução na região de Campinas, SP. J Pediat.

;76(5):368-74.

Filócomo FRF, Harada MJCS, Mantovani R, Ohara

CVS. Perfil dos acidentes na infância e adolescência

atendidos em um hospital público. Acta Paul Enferm.

;30(3):287-94.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Silva MMA, Macario EM.

Perfil dos atendimentos de emergência por acidentes

envolvendo crianças menores de dez anos: Brasil, 2006

a 2007. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1669-79.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Bernal RTI, Viegas

APB, Sá NNB, Junior JBS. Acidentes e violência na

infância: evidências do inquérito sobre atendimentos

de emergência por causas externas: Brasil, 2009. Ciênc

Saúde Coletiva. 2012;17(9):2247-58.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Bernal RTI, Andrade

SSCA, Neves ACM, Melo EM, et al. Causas externas em

adolescentes: atendimentos em serviços sentinelas de

urgência e emergência nas Capitais Brasileiras - 2009.

Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(9):2291-304.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Neves ACM, Silva MA.

Atendimentos por acidentes e violências na infância em

serviços de emergências públicas. Cad Saúde Pública.

;31(5):1095-105.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Silva MMA, Carvalho

MGO, Barufaldi LA, Avanci JQ, et al. A ocorrência de

causas externas na infância em serviços de urgência:

aspectos epidemiológicos, Brasil, 2014. Ciênc Saúde

Coletiva. 2016;21(12):3729-44.

Fraga AM, Silva JMB, Fernandez TM, Fraga GP, Reis MC,

Baracat ECE, et al. Children and adolescents deaths

from trauma-related causes in a Brazilian City. World

J Emerg Surg. 2013;8:52.

Martins CBG. Acidentes na infância e adolescência: uma

revisão bibliográfica. Rev Bras Enferm. 2006;59(3):344-8.

Martins CBG. Acidentes e violências na infância e

adolescência: fatores de risco e de proteção. Rev Bras

Enferm. 2013;66(4):578-84.

Sleet DA, Ballesteros MF, Borse NN. A review of

unintentional injuries in adolescents. Annu Rev Public

Health. 2010;31:195-212.

Martins CBG, Andrade SM. Causas externas entre

menores de 15 anos em cidade do Sul do Brasil:

atendimentos em pronto-socorro, internações e óbitos.

Rev Bras Epidemiol. 2005;8(2):194-204.

Malta DC, Silva MMA, Mascarenhas MDM, Sá NNB,

Neto OLM, Bernal RTI, et al. Características e fatores

associados às quedas atendidas em serviços de

emergência. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):128-37.

Fraga AM, Baracat ECE. Aspectos epidemiológicos,

clínicos e tratamento broncoscópico da aspiração de

corpo estranho em menores de 14 anos de idade,

atendidas em Hospital Universitário, no período de

-2005 [Dissertação]. Campinas: Universidade

Estadual de Campinas; 2007.

Fraga AM, Fraga GP, Stanley C, Costantini TW, Coimbra

R. Children at danger: Injury fatalities among children in

San Diego County. Eur J Epidemiol. 2010;25(3):211-7.

Silva MM, Mascarenhas MD, Lima CM, Malta DC,

Monteiro RA, Freitas MG, et al. Perfil do Inquérito

de Violências e Acidentes em Serviços Sentinela

de Urgência e Emergência. Epidemiol Serv Saúde.

;26(1):183-94.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v27n3a4315

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.