Prevalência de infecções urinárias e do trato genital em gestantes atendidas em Unidades Básicas de Saúde

Carla Cristian Santos, Heloise Skiavine Madeira, Claudinei Mesquita da Silva, Jorge Juarez Vieira Teixeira, Leyde Daiane de Peder

Resumo


Objetivo

Esta pesquisa teve por objetivo determinar a prevalência de fatores associados às infecções do trato urinário e genital em mulheres em período gestacional.

Métodos

Trata-se de pesquisa epidemiológica de caráter descritivo com abordagem quantitativa, realizada por meio da coleta de dados em prontuários de gestantes atendidas em nove Unidades Básicas de Saúde distribuídas em Cascavel, Paraná, entre janeiro e dezembro de 2015. Foram consideradas as gestantes com diagnóstico positivo para qualquer doença que acometa os tratos genital e urinário. Foram coletadas dos prontuários informações sociodemográficas, comportamentais, clínicas e resultados laboratoriais. Para as análises estatísticas foi utilizado o método de Qui-Quadrado.

Resultados

Foram analisados 798 prontuários, observando-se uma positividade de 33,08% (264 casos) com infecções do trato urinário, genital ou ambos. Destas pacientes, 125 (15,66%) apresentaram episódios de infecções do trato urinário, 115 (14,41%) foram acometidas por algum tipo de infecção genital e 24 (3,01%) estavam coinfectadas. Verificou-se diferença estatística em relação ao número de pacientes que apresentaram sinais e sintomas característicos para infecções do trato urinário (<0,001), infecção genital (<0,001) e para casos anteriores de infecções do trato urinário (<0,001). A maioria das infecções do trato genital deu-se por Gardnerella vaginalis (43/37,39%) e Candida sp. 34/29,57%). 

Conclusão

Os resultados indicam altas prevalências de infecções do trato urinário e infecção genital, considerando que, em gestantes, as consequências para o bebê podem ser graves, o que torna o diagnóstico dessas doenças de suma importância na determinação de medidas preventivas. Sendo assim, a investigação, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado auxiliam no controle de infecções e problemas congênitos.


Palavras-chave


Cistite. Doenças Sexualmente Transmissíveis. Epidemiologia. Gestantes.

Texto completo:

PDF

Referências


Masson P, Matheson S, Webster AC, Craiger JC. Metaanalyses

in prevention and treatment of urinary tract

infections. Infect Dis Clin North Am. 2009;23(5):355-

http://dx.doi.org/10.1016/j.idc.2009.01.001

Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. São

Paulo: Atheneu; 2009.

Esen S, Leblebicoglu H. Prevalence of nosocomial

infections at intensive care units in Turkey: A multicentre

-day point prevalence study. Scand J Infect Dis.

;36(5):144-8.

Lopes AC. Tratado de clínica médica. 2a ed. São Paulo:

Rocca; 2009.

Zeratti Filho M, Nardozza Junior A, Reis RB. Urologia

fundamental. São Paulo: Planmark; 2010.

Jacociunas LV, Picoli SU. Avaliação de Infecção urinária

em gestantes no primeiro trimestre de gravidez. RBAC.

;39(1):55-7.

World Health Organization. Department of Reproductive

Health and Research. Sexually transmitted infections

(STIs). Geneva: WHO; 2014.

Costa MC, Demarch EB, Azulay DR, Périssé ARS, Dias

MFRG, Nery JAC. Doenças sexualmente transmissíveis

na gestação: uma síntese de particularidades. An

Bras Dermatol. 2010; 85(6):767-85. http://dx.doi.

org/10.1590/S0365-05962010000600002

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância em

Saúde. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para

atenção integral às pessoas com infecções sexualmente

transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância

em Saúde. Manual de controle doenças sexualmente

transmissíveis. 10a ed. Brasília: Ministério da Saúde;

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância

em Saúde. Boletim epidemiológico da sífilis. Brasília:

Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância em

Saúde. Manual de controle das doenças sexualmente

transmissíveis. 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde;

Simões JA, Giraldo PS, Cecatti JG, Camargo RPS.

Complicações perinatais em gestantes com e sem

vaginose bacteriana pacientes e métodos. Rev Bras

Ginecol Obstet. 1998;20(8):437-41.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas

populacionais para os municípios e para as Unidades

da Federação brasileiros em 01.07.2016 [citado 2016

out 25]. Disponível em: .

Nishiura JL, Heilberg IP. Infecção urinária. Rev Bras

Med. 2009;66(12):5-12.

Duarte G, Marcolin AC, Quintana SM, Cavalli RC.

Infecção urinária na gravidez. Rev Bras Ginecol Obstet.

;30(2):93-100. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-7

Pigosso YG, Silva CM, Peder LD. Infecção do

trato urinário em gestantes: incidência e perfil de

suscetibilidade. Acta Biom Bras. 2016;7(1):62-71.

http://dx.doi.org/10.18571/acbm.099

Nascimento WLS, Oliveira M, Araújo GLS. Infecção

do trato urinário em gestantes usuárias do Sistema

Único de Saúde. Ensaios Ciênc: Ciênc Biol Agr Saúde.

;16(4):111-23.

Borges AA, Magalhães Larissa G, Jabur APL, Cardoso

AMC. Infecção urinária em gestantes atendidas em

um laboratório clínico de Goiânia – GO entre 2012 e

Estud Vida Saúde. 2012;41(3):637-48. http://

dx.doi.org/10.18224/est.v41i3.3613

Heilberg IP, Schor N. Abordagem diagnóstica e

terapêutica na infecção do trato urinário – ITU. Rev

Assoc Med Bras. 2003;49(1):109-16. http://dx.doi.

org/10.1590/S0104-42302003000100043

Lima LHM, Viana MC. Prevalence and risk factors for HIV,

syphilis, hepatitis B, hepatitis C, and HTLV-I/II infection

in low-income postpartum and pregnant women in

Greater Metropolitan Vitória, Espírito Santo State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):668-76. http://

dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000300021

Figueiró-Filho EA, Lopes AHA, Senefonte FRA, Souza-

-Júnior VG, Botelho CA, Duarte G. Infecção pelo vírus

linfotrópico de células T humanas e transmissão vertical

em gestantes de estado da Região Centro-Oeste, do

Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(12):719-25.

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032005001200003

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Políticas de

Saúde. Saúde do Adolescente e do Jovem: DST-Aids

na adolescência. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Johnson HL, Ghanem KG, Zenilman JM, Erbelding EJ.

Sexually transmitted infections and adverse pregnancy

outcomes among women attending inner city public

sexually transmitted diseases clinics. Sex Transm

Dis. 2011;38(3):167-71. http://dx.doi.org/10.1097/

OLQ.0b013e3181f2e85f

Alessi AMB, Okasaki ELJ. Diagnóstico, tratamento e

prevenção das vaginoses e vulvovaginites durante a

gestação. Rev Enferm UNISA. 2007;8(1):64-6.

Paganoti CF, Bittar RE, Carvalho MHB, Francisco RPV,

Zugaib M. As infecções genitais podem alterar os

resultados dos testes preditivos do parto prematuro.

Rev Bras Ginecol Obstet. 2015;37(1):10-5. http://dx.doi.

org/10.1590/SO100-720320140005202

Fioravante FFS. Tecnologia educacional para a prevenção

da infecção urinária na gravidez: estudo

descritivo [dissertação]. Niterói: Universidade Federal

Fluminense; 2015.

Campos JD, Burns DAR. Tratado de Pediatria: Sociedade

Brasileira de Pediatria. 3a ed. Barueri: Manole; 2014.

v.2.

Hay WW, Levin MJ, Sondheimer JM, Deterding RR.

Current pediatria: diagnóstico e tratamento. 20a ed.

Porto Alegre: AMGH; 2012.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Vigilância

em Saúde. Indicadores e dados básicos da sífilis nos

municípios brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde;

Alter HJ. Epidemiology and prevention of hepatitis B.

Semin Liver Dis. 2003;23(1):39-46.

Holcomb SS. An update on hepatitis. Dimens Crit Care

Nurs. 2002;21(5):170-7.

Vettore MV, Dias M, Vettore MV, Leal MDC. Avaliação do

manejo da infecção urinária no pré-natal em gestantes

do Sistema Único de Saúde no município do Rio de

Janeiro. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(2):338-51. http://

dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200010

Fonseca SC, Kale PL, Silva KS. Pré-natal em mulheres

usuárias do Sistema Único de Saúde em duas

maternidades no Estado do Rio de Janeiro, Brasil:

a cor importa? Rev Bras Saúde Mater Infant.

;15(2):209-17. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-3

Hackenhaar AA, Albernaza EP, Fonseca TMV. Ruptura

prematura das membranas fetais pré-termo:

associação com fatores sociodemográficos e infecções

geniturinárias maternas. J Pediatr. 2013;90(2):197-202.

http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2013.08.003

Bombardelli MF, Martins ET, Svidzinski TIE. Candidíase

vulvovaginal na gravidez. Femina. 2007;35(10):651-5.

Oliveira RDR, Maffei CML, Martinez R. Infecção urinária

hospitalar por leveduras do gênero Cândida. Rev

Assoc Med Brasil. 2001;47(3):231-5. http://dx.doi.

org/10.1590/S0104-42302001000300035

Carvalhal GF, Rocha LCA, Monti PR. Urocultura e exame

comum de urina: considerações sobre sua coleta e

interpretação. Rev AMRIGS. 2006;50(1):59-62.

Baumgarten MCS, Silva VG, Mastalir FP, Azevedo PA.

Infecção urinária na gestação: uma revisão da literatura.

UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2011;13(3):333-42.

Duarte G, Marcolin AC, Gonçalves CV, Quintana

SM, Berezowski AT, Nogueira AA, et al. Infecção

urinária na gravidez: análise dos métodos para

diagnóstico e do tratamento. Rev Bras Ginecol Obstet.

;24(7):471-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-7

Couto EMP, Carlos D, Machado ER. Candidíase em

neonatos: uma revisão epidemiológica. Ensaios Ciênc:

Ciênc Biol Agr Saúde. 2011;15(4):197-213.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v27n3a4115

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.