A atenção do enfermeiro ao paciente em cuidado paliativo

Daiana Paula Picollo, Mérlim Fachini

Resumo


A Organização Mundial de Saúde define cuidados paliativos como a linha de tratamento que tem por objetivo ofertar qualidade de vida para o paciente fora de possibilidades terapêuticas de cura. Tal linha de cuidado depende de uma equipe qualificada para ofertar excelência como resultado final. O enfermeiro possui papel fundamental em todo o processo. Sendo assim, é necessário que este profissional possua um amplo conhecimento sobre sua atuação. O objetivo geral do presente estudo foi de conhecer a produção científica em relação a enfermagem acerca dos cuidados paliativos. Os objetivos específicos são: identificar o papel do enfermeiro frente aos cuidados paliativos, elencar as principais competências do profissional para tornar-se apto a atuação em cuidados paliativos e verificar a importância da equipe multidisciplinar em cuidados paliativos. Trata-se se uma revisão da bibliografia de cunho integrativa, onde foi realizada uma busca em base de dados de estudos com tema pertinente à questão norteadora. Posteriormente, as respostas encontradas foram organizadas em um quadro sinóptico para que a visualização e interpretação dos resultados. Observou-se a importância do trabalho do enfermeiro na equipe multidisciplinar atendendo as demandas do paciente de forma integral. O controle da dor e sofrimento, bem como a oferta de qualidade de vida, são pontos fundamentais na oferta de cuidados paliativos. Fica claro que pesquisas integrativas abrem lacunas sobre posteriores discussões em relação aos dados encontrados, os quais servem como ponto de partida para posteriores estudos.
 


Palavras-chave


Cuidados de enfermagem. Cuidados paliativos. Cuidados paliativos na terminalidade da vida. Doente terminal.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Cuidados paliativos. [citado 2016 ago 21]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/tratamento/cuidados_paliativos

Bastos LTO, Xenofonte PBS, Abreu FRH, Rolim KMC. O protagonismo de Florence Nightingale e sua contribuição na formação do enfermeiro. Anais do XVII Congresso Brasileiro de Conselhos de Enfermagem. Belém; 2014.

Foucault M. Microfísica do poder. 4a ed. Rio de Janeiro: Edições Graal; 1984.

Freire MEM, Sawada NO, França ISX, Costa FSG, Oliveira CDB. Qualidade de vida relacionada à saúde de paciente com câncer avançado: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2014;2(28):357-67.

Correia FR, Carlo MMRP. Avaliação da qualidade de vida no contexto dos cuidados paliativos: revisão integrativa da literatura. Rev Latinoam Enferm. 2012;2(20):1-10.

Vasques TCS, Lunardi VL, Silveira RS, Lunardi Filho WD, Gomes GC, Pintanel AC. Percepções dos trabalhadores de enfermagem acerca dos cuidados paliativos. Rev Eletrônica Enferm. 2013;3(15):772-9.

Cardoso DH, Muniz RM, Schawartz E, Arrieira ICO. Cuidados paliativos na assistência hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional. Texto Contexto Enferm. 2013;4(22):1134-41.

Botelho LLR, Cunha CCA, Macedo M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gest Soc. 2011;5(11):121-36.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas; 2002.

Silva CF, Souza DM, Pedreira LC, Santos MR, Faustino TN. Concepções da equipe multiprofissional sobre a implementação dos cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(9):2597-604.

Floriani CA. Moderno movimento hospice: kalotanásia, e o revivalismo estético da boa morte. Rev Bioét. 2013;3(21):397-405.

Saito DVT, Zoboli ELCP. Cuidados paliativos e a atenção primária à saúde: scoping review. Rev Bioét. 2015;23(3):593-607.

Manchola C, Brazão E, Pulschen A, Santos M. Cuidados paliativos, espiritualidade e bioética narrativa em unidade de saúde especializada. Rev Bioét. 2016;24(1):165-75.

Garanito MP, Cury MRG. A espiritualidade na prática pediátrica. Rev Bioét. 2016;24(1):49-53.

Evangelista CB, Lopes MEL, Costa FSG, Batista PSS, Batista JBV, Oliveira AMM. Cuidados paliativos e espiritualidade: revisão integrativa da literatura. Rev Bras Enferm. 2016;3(69):591-601.

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev Bioét. 2016;24(1):64-72.

Coelho MEM, Ferreira AC. Cuidados paliativos: narrativas do sofrimento na escuta do outro. Rev Bioét. 2015;2(23):340-8.

Figueiredo MTS. O sentido da vida na terminalidade humana. Mundo Saúde. 2010;4(34):544-6.

Fraga F, Boas RFOV, Mendonça ARA. Significado para os médicos, da terminalidade da vida e dos cuidados paliativos. Rev Bioét. 2012;3(20):514-9.

Fernandes MA, Platel ICS, Costa SFG, Santos FS, Zaccara AAL, Duarte CSM. Cuidados paliativos e luto: compreensão de médicos residentes. Rev Pesq Cuid Fundam. 2015;7(1):1808-19.

Lima CAS. Ortotanásia, cuidados paliativos e direitos humanos. Rev Soc Bras Clín Méd. 2015;13(1):14-7.

Ventura MM. Efetividade e custo-efetividade de cuida-dos paliativos domiciliares para adultos com doenças avançadas e seus cuidadores. Diagn Tratamento. 2016;21(2):95-6.

Vargas MAO, Vivan J, Vieira RW, Mancia JR, Ramos FRS, Ferrazo S, et al. Ressignificando o cuidado em uma unidade especializada em cuidados paliativos: uma realidade possível. Texto Contexto Enferm. 2013;22(3):637-45.

Lima MLS, Rego STA, Batista RS. Processo de tomada de decisão nos cuidados de fim de vida. Rev Bioét. 2015;23(1):31-9.

Chover-Sierra E, Martínez-Sabater A, Lapeña-Moñux Y. Knowledge in palliative care of nursing professionals at a Spanish hospital. Rev Latinoam Enferm. 2017;2(25):2847.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 19, 3 de janeiro, 2002 [citado 2016 ago 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0019_03_01_2002.html

Pires LCB, Vargas MAO, Vieira RW, Ramos FRS, Ferrazo S, et al. Relação entre equipe de enfermagem e família de pessoas em cuidados paliativos. Enferm Foco. 2013:57(54):54-7.

Silva RCF, Hortale VA. Cuidados paliativos oncológicos: elementos para o debate de diretrizes nesta área. Cad Saúde Pública. 2006;22(10):2055-66.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v27n2a3855

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.