Contribuições da fisioterapia na incontinência urinária no climatério

Ana Heloísa Faustino Viana de OLIVEIRA, Luíza Quitéria Pinto de VASCONCELOS, Erica Feio Carneiro NUNES, Gustavo Fernando Sutter LATORRE

Resumo


Este estudo teve como objetivo levantar as contribuições da fisioterapia no tratamento da incontinência urinária de mulheres no climatério. Trata-se de revisão bibliográfica a partir dos termos climatério, incontinência urinária e fisioterapia, bem como de suas variantes em inglês, nas bases Lilacs, MedLine/PubMed, SciELO e PEdro. Observou--se que a fisioterapia para mulheres no climatério com incontinência urinária contribui diretamente para melhorias no quadro clínico e controle miccional, sendo a cinesioterapia e o treinamento do assoalho pélvico as técnicas mais mencionadas. Não houve grande aprofundamento nas especificidades do climatério. O estudo conclui que a fisioterapia pélvica pode contribuir de modo decisivo no tratamento da incontinência urinária no climatério, sendo necessárias pesquisas de melhor qualidade metodológica para aprofundar os estudos de fisioterapia e direcioná-los às especificidades desse período.


Palavras-chave


Assoalho pélvico. Climatério. Fisioterapia. Incontinência urinária. Mulheres.

Texto completo:

PDF

Referências


Prado DS, Mota VPLP, Lima TIA. Prevalência de disfunção sexual em dois grupos de mulheres de diferentes níveis socioeconômicos. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;32(3):139-43.

Kumar V, Cotran RS. Robbins: patologia estrutural e funcional. 6a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

Galhardo C, Katayama M. Anatomia e fisiologia do trato urinário inferior feminino. 8a ed. São Paulo: Livraria Médica Paulista; 2007.

Henscher U. Fisioterapia em ginecologia. São Paulo: Editora Santos; 2007.

Bø K, Berghmans B, Mørkved S, Van Kampen M. Evidence-based Physical Therapy for the pelvic floor: Bridging science and clinical practice. 2nd ed. London: Churchill Livingstone; 2015.

Abrams P, Andersson KE, Birder L, Brubaker L, Cardozo L, Chapple C, et al. Fourth International Consultation on Incontinence Recommendations of the Scientific Committee: Evaluation and treatment of urinary incontinence, pelvic organ prolapse, and fecal incontinence. Neurourol Urodyn. 2010;29:213-40.

Cavalcanti IF, Farias PN, Ithamar L, Silva VM, Lemos A. Função sexual e fatores associados à disfunção sexual em mulheres no climatério. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014;36(11):497-502.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2010.

Marconi NA, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica. 5a ed. São Paulo: Atlas; 2003.

Castro RA, Arruda RM, Zanetti MR, Santos PD, Sartori MG, Girão MJ. Single-blind, randomized, controlled trial of pelvic floor muscle training, electrical stimulation, vaginal cones, and no active treatment in the management of stress urinary incontinence. Clinics. 2008;63(4):465-72.

Fitz FF, Costa TF, Yamamoto DM, Resende APM, Stüpp L, Sartori MGF, et al. Impacto do treinamento dos músculos do assoalho pélvico na qualidade de vida em mulheres com incontinência urinária. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(2):155-9.

Honório GJS, Parucker NBB, Virtuoso JF, Krüger AP, Tonon SC, Ferreira R. Análise da qualidade de vida em mulheres com incontinência urinária antes e após tratamento fisioterapêutico. Arq Catarin Med. 2009;38(4):43-9.

Knorst MR, Royer CS, Basso DMS, Russo JS, Guedes RG, Resende TL. Avaliação da qualidade de vida antes e depois de tratamento fisioterapêutico para incontinência urinária. Fisioter Pesq. 2013;20(3):204-9.

McLean L, Varette K, Gentilcore-Saulnier E, Harvey MA, Baker K, Sauerbrei E. Pelvic floor muscle training in women with stress urinary incontinence causes hypertrophy of the urethral sphincters and reduces bladder neck mobility during coughing. Neurourol Urodyn. 2013;32(8):1096-102.

Oliveira JR, Garcia RR. Cinesioterapia no tratamento da Incontinência Urinária em mulheres idosas. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;14(2):343-51.

Ramos AL, Oliveira AAC. Incontinência urinária em mulheres no climatério: efeitos dos exercícios de Kegel. Rev Hórus. 2010;4(2):264-75.

Rett MT, Simões JA, Herrmann V, Gurgel MSC, Morais SS. Qualidade de vida em mulheres após tratamento da incontinência urinária de esforço com fisioterapia. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(3):134-40.

Bruno GS, Queiroz EIS, Pereira CM, Limana JA, Antono HMR, Armondes CCL. Cinesioterapia aplicada na incontinência urinária feminina de esforço. Rev Eletr FACIMEDIT. 2016;5(1):18-32.

Zanetti MRD, Castro RA, Rotta AL, Santos PD, Sartori M, Girão MJBC. Impact of supervised physiotherapeutic pelvic floor exercises for treating female stress urinary incontinence. São Paulo Med J. 2007;125(5):265-9.

Palma PCR, Berghmans B, Seleme M, et al. Guia de Prática Clínica da Associação Brasileira de Fisioterapia Pélvica in Urofisioterapia: aplicações clínicas e técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. 2a ed. São Paulo: AB Editora; 2014.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v26n3a3842

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.