Enfermeiros da Atenção Primária em suporte básico de vida

Talita Poliana Roveroni MORAES, Edison Ferreira de PAIVA

Resumo


Objetivo
Avaliar o conhecimento de enfermeiros da Atenção Primária à Saúde sobre as medidas de Suporte Básico de Vida utilizadas no tratamento da parada cardiorrespiratória em adultos e relacioná-lo com tempo de formação, experiência profissional e participação em cursos de atualização.
Métodos
Cento e vinte e nove enfermeiros preencheram formulário contendo as variáveis do estudo e realizaram um teste com 10 questões de múltipla escolha.
Resultados
A pontuação média global foi preocupantemente baixa (4,5±1,9 pontos). Enfermeiros mais jovens, com menos tempo de formação e atuação em Atenção Primária à Saúde e com experiência em emergência ou cardiologia tiveram desempenho significativamente melhor. Enfermeiros que realizaram cursos práticos avançados de suporte de vida nos últimos dois anos também tiveram melhor desempenho, mas isto correspondeu a menos de 10% da amostra. 

Conclusão
A falta de experiência em emergências e a carência de treinamento regular contribuíram para o fraco desempenho dos enfermeiros que atuam na Assistência Primária à Saúde. Isso foi evidenciado na avaliação utilizada para medir o conhecimento sobre tratamento da parada cardiorrespiratória em adultos, indicando a necessidade de um programa de educação continuada.


Palavras-chave


Atenção primária à saúde. Enfermagem. Parada cardíaca. Planejamento em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [acesso 2016 out 28]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

World Health Organization. Global status report on non-communicable diseases 2010. Geneva: WHO; 2011 [cited 2016 Oct 28]. Available from: http:www.who.int/nmh/publications/ncd_report_full_en.pdf

Chugh SS Reinier K, Teodorescu C, Evanado A, Kehr E, Al Samara M, et al. Epidemiology of sudden cardiac death: Clinical and research implications. Prog Cardiovasc Dis. 2008;51(3):213-28. https://doi.org/10.1016/j.pcad.2008.06.003

Gräsner JT, Bossaert L. Epidemiology and management of cardiac arrest: What registries are revealing. Best Pract Res Clin Anaesthesiol. 2013;27(3):293-306. https://doi.org/10.1016/j.bpa.2013.07.008

Fox CS, Evans JC, Larson MG, Kannel WB, Levy DS. Temporal trends in coronary heart disease mortality and sudden cardiac death from 1950 to 1999: The Framingham Heart Study. Circulation. 2004;84(110):522-7. https://doi.org/10.1161/01.CIR.0000136993.34344.41

Kleinman ME, Brennan EE, Goldberger ZD, Swor RA, Terry M, Bobrow BJ, et al. Part 5: Adult basic life support and cardiopulmonary resuscitation quality. Circulation. 2015;132(Suppl.2):S414-35. https://doi.org/10.1161/CIR.0000000000000259

Berg RA, Hemphill R, Abella BS, Aufderheide TP, Cave DM, Hazinski MF, et al. Part 5: Adult basic life support – American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation. 2010; 122(Suppl.3):685-705. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.110.970939

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção às urgências. Brasília: Ministério da Saúde; 2003 [acesso 2016 out 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_urgencias.pdf

Brião RC, Souza EN, Castro RA, Rabelo ER. Estudo de coorte para avaliar o desempenho da equipe de enfermagem em teste teórico, após treinamento em parada cardiorrespiratória. Rev Latino-Am Enferm. 2009;17(1):40-4. https://doi.org/10.1590/S0104-1 1692009000100007

Bellan MC, Araújo IIM, Araújo S. Capacitação teórica do enfermeiro para o atendimento da parada cardiorrespiratória. Rev Bras Enferm. 2010;63(6):1019-27. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000600023

Kardong-Edgren SE, Oermann MH, Odom-Maryon T, Ha Y, et al. Comparison of two instructional modalities for nursing student CPR skill acquisition. Resuscitation. 2010;81(8):1019-24. https://doi.org/10.1016/j.resuscitation.2010.04.022

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico: Campinas. Brasília: IBCIT; 2010 [acesso 2016 mar 2]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=350950&search=em-paulo|campinas

Almeida AOl, Araújo IEM, Dalri MCB, Araujo S. Theoretical knowledge of nurses working in non-hospital urgent and emergency care units concerning cardiopulmonary arrest and resuscitation. Rev Lat-Am Enferm. 2011;19(2):261-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692011000200006.

Ministério da Saúde (Brasil). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres 2016 out 28]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Scott M, Flaherty D, Currall J. Statistics: Are we related? J Small Anim Pract. 2013;54(3):124-8. https://doi.org/10.1111/jsap.12029

ECC Committee, Subcommittees and Task Forces of the American Heart Association. Circulation. 2005;112(24Suppl.):IV1-203. https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.105.166550

Oermann MH, Kardong-Edgren SE, Odom-Maryon T. Effects of monthly practice on nursing students’ CPR psychomotor skill performance. Resuscitation. 2011;82(4):447-53. https://doi.org/10.1016/j.resuscitation.2010.11.022

Szogedi I, Zrínyi M, Betlehem J, Ujváriné AS, Tóth H, et al. Training nurses for CPR: Support for the problem-based approach. Eur J Cardiovasc Nurs. 2010;9(1):50-6. https://doi.org/10.1016/j.ejcnurse.2009.09.003

Nyman J, Sihvonen M. Cardiopulmonary resuscitation skills in nurses and nursing students. Resuscitation. 2000;47(2):179-84. https://doi.org/10.1016/S0300-9 572(00)00226-4

Bertoglio VM, Azzolin K, Souza EN, Rabelo ER. Tempo decorrido do treinamento em parada car-diorrespiratória e o impacto no conhecimento teórico de enfermeiros. Rev Gaúcha Enferm. 2008;29(3):454-60.

Tanigawa K, Iwami T, Nishiyama C, Nonogi H, Kawamura T. Are trained individuals more likely to perform bystander CPR? An observational study. Resuscitation. 2011;82(5):523-8. https://doi.org/10.1016/j.resuscitation.2011.01.027




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v26n1a3783

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.