Infecção por Clostridium difficile associada a antibioticoterapia: fisiopatologia, diagnóstico e tratamento

Sandna Larissa Freitas dos SANTOS, Karla Bruna Nogueira Torres BARROS, Regilane Matos da Silva PRADO

Resumo


Objetivo
Apresentar as evidencias cientificas sobre a infecção por Clostridium difficile associada a antibioticoterapia, bem como a fisiopatologia, o diagnóstico adequado e o tratamento eficaz.
Métodos
Revisão integrativa da literatura por meio da pesquisa nas bases de dados, LILACS, MedLine e Biblioteca Virtual de Saúde, utilizando as palavras-chave em português e inglês selecionados mediante consulta aos Descritores em Ciências da Saúde da Bireme: “Clostridium difficile”, “diarreia”, “terapia combinada”.
Resultados
Foi incluído pesquisas publicadas em inglês e português entre 2009 a 2016. De um total de 35 estudos encontrados, 16 publicações elencadas, onde 4 (25%) eram publicações em português e 12 (75%) em inglês.

Conclusão
A produção das toxinas A e B estimula a produção de fator de necrose tumoral, interleucinas e aumento da permeabilidade vascular. O intenso processo inflamatório gera a destruição da lâmina própria intestinal, impedindo a absorção de nutrientes, e levando a quadro disabsortivo e translocação bacteriana. O diagnóstico baseia-se no quadro diarreico com toxina positiva em exame de fezes. A colonoscopia é indicada na colite quando a pesquisa nas fezes da toxina é negativa e há necessidade do diagnóstico rápido, ainda pode ser realizado o Ensaio de Imunoadsorção Enzimática para detecção das toxinas. Os dois principais antibióticos utilizados para tratamento são o metronidazol e a vancomicina. A formação de esporos é uma característica da bactéria, ou seja de qualquer espécie de Clostridium difficile, não estando relacionada com o uso de antibióticos com isso, justifica o estudo e a evidencia na pratica clínica para utilização racional de antibióticos para que seja prestado os cuidados de saúde em condições de segurança, qualidade e eficácia.


Palavras-chave


Clostridium difficile. Diarreia. Terapia combinada.

Texto completo:

PDF

Referências


Jabbar U, Leischner J, Kasper D, Gerber R, Sambol SP, Parada JP, et al. Effectiveness of alcohol-based hand rubs for removal of Clostridium difficile spores from hands. Infect Control Hosp Epidemiol. 2010;31:565.

McFree RB, Abdelsayed GG. Clostridium difficile. Dis Mon. 2009;55(7):439-70.

Correia L, Monteiro R, Alfaro T, Simão A, Carvalho ANC. Doença associada ao Clostridium difficile: aumento dramático da incidência em doentes internados. Rev Med Interna. 2012;19(2):61:8.

Spadão FS. Aspectos clínicos e biológicos da diarréia por Clostridium difficile em pacientes hematológicos e transplantados de medula óssea [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2012.

Zilberberg MD, Nathanson BH, Sadigov S, Higgins TL, Kollef MH, Shorr AF. Epidemiology and outcomes of Clostridium difficile-associated diease among patients on prolonged acute mechanical ventilation. Chest. 2009;136(3):752-8.

Cohen SH, Gerding DN, Johnson S, Kelly CP, Loo VG, McDonald LC, et al. Clinical practice guidelines for Clostridium difficile infection in adults: 2010 update by the Society for Healthcare Epidemiology of America (SHEA) and the Infectious Diseases Society of America (IDSA). Infect Control Hosp Epidemiol. 2010;31(5):431-5.

Mendes KDD, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;7(4)758-64.

Kim JW, Lee KL, Jeong JB, Kim BG, Shin S, Kim JS, et al. Proton pump inhibitors as a risk factor for recurrence of Clostridium-difficile-associated diarrhea. World J Gastroenterol. 2010;16(28):3573-7.

Oughton MT, Loo VG, Dendukuri N, Fenn S, Libman MD. Hand hygiene with soap and water is superior to alcohol rub and antiseptic wipes for removal of Clostridium difficile. Infect Control Hosp Epidemiol. 2009;30(10):939-44.

Parkes GC, Sanderson JD, Whelan K. The mechanisms and efficacy of probiotics in the prevention of Clostridium difficile-associated diarrhoea. Lancet. 2009;9(4):237-44.

Jung KS, Park JJ, Chon YE, Jung ES, Lee Hj, Jang HW, et al. Risk factors for treatment failure and recurrence after metronidazole treatment for Clostridium difficile-asssociated diarrhea. Gut Liver. 2011;4(3):332-7.

Venuto C, Butler M, Ashley ED, Brown J. Alternative therapies for Clostridium difficile infections. Pharmacotherap. 2011;30(12):1266-78.

Sueth DM, Guimarães MG, Guimarães RA. Colite por Clostridium difficile e doença Crohn: relato de caso. Gastroenterol Endosc Dig. 2012;31(3):98-101.

Mullane KM, Miller MA, Weiss K, Lentner A, Golan Y, Sears PS, et al. Efficacy of fidaxomicin versus vancomycin as therapy for Clostridium difficile infection in individuals taking concomitant antibiotics for other concurrent infections. Clin Infect Dis. 2011;53(5):440-7.

Efron PA, Mazuski JE. Clostridium difficile colitis. Surg Clin North Am. 2009;89(2):483-500.

Vieira AM, Machado MV, Lito L, Cristino J M, Fernandes A, Maldonado R, et al. Diarreia associada a Clostridium difficile num hospital central. J Port Gastrenterol. 2010;17:10-7.

Antonio, ACP, Maccari JG, Seabra A, Tonietto TF. Colite por Clostridium difficile e Citomegalovirus após cirurgia báriatrica: relato de caso. Arq Bras Cir Dig. 2013:26(1):85-7.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v26n1a3631

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.