Lactato sanguíneo, antes e após o teste de caminhada de seis minutos, em portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica com diferentes graus de obstrução das vias aéreas

Mário Augusto PASCHOAL, Náira Bueno SEIXAS, Livea GIANFRANCESCO, Luisa Torres de CAMARGO

Resumo


 

Objetivo
Avaliar se pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica com maior obstrução das vias aéreas apresentam maiores elevações no valor de lactato sanguíneo durante o teste de caminhada de seis minutos.
Métodos
Estudo transversal aplicado em 29 indivíduos, divididos em três grupos: controle (n=10), doença pulmonar obstrutiva crônica leve (n=9) e doença pulmonar obstrutiva crônicamoderada (n=10). O grau da doença foi quantificado por meio dos valores do volume expiratório forçado do primeiro segundo e índice de Tiffeneau, obtidos em espirometria recente. Todos foram submetidos à avaliação antropométrica e clínica, além de ter a lactacidemia medida antes e após três minutos do teste de caminhada de seis minutos. Foi aplicado o teste de Kruskal-Wallis para comparação dos dados obtidos antes e após o teste de caminhada de seis minutos, e correlação de Spearman para avaliar a influência de variáveis sobre o lactato sanguíneo. O nível de significância foi p<0,05. 

Resultados
Apesar de os pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica moderada terem apresentado o menor desempenho no teste de caminhada de seis minutos, representado pela menor distância percorrida (403,3m) em relação aos demais grupos (doença pulmonar obstrutiva crônica leve com 424,8m e controle com 541,8m), mostraram maiores valores médios de lactato no sangue (2,57mmol/L), quando comparados aos pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônicaleve(1,46mmol/L) e ao grupo controle (0,9mmol/L).
Conclusão
A maior obstrução das vias aéreas e sua repercussão sistêmica, resultaram na significativa limitação metabólica por parte dos pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica moderada, expressa pelos maiores valores de lactato sanguíneo e menor distância percorrida no teste de caminhada de seis minutos.


Palavras-chave


Doença pulmonar obstrutiva crônica. Exercício. Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Jardim JR, Oliveira J, Nascimento O. Consenso brasileiro sobre doença pulmonar obstrutiva crônica. J Bras Pneumol. 2004;30(5):1-42.

Rabahi MF. Epidemiologia da DPOC: enfrentando desafios. Pulmão. 2013;22(2):4-8.

Barreiro E, Bustamante V, Cejudo P, Gáldiz JB, Gea J, Lucas P, et al. Guidelines for the evaluation and treatment of muscle dysfunction in patients with chronic obstructive pulmonary disease. Arch Bronconeumol. 2015;51(8):384-95.

Palange P, Ward SA, Carlsen KH, Casaburi R, Gallagher CG, Gosselink R, et al. Recommendations on the use of exercise testing in clinical practice. Eur Respir J. 2007;29(1):185-209.

Rondelli RR, Corso SD, Simões A, Malagutti C. Métodos de avaliação da fadigabilidade muscular periférica e seus determinantes energético-metabólicos na DPOC. J Bras Pneumol. 2009;35(11):1125-35.

Messonier LA, Emhojj CA, Fattor JA, Homing MA, Carlson TJ, Brooks GA. Lactate kinetics at the lactate threshold in trained and untrained men. J Appl Physiol. 2013;114:1593-602.

Ferreira EVM. Teste cardiopulmonar de exercício na DPOC: indo além do consumo máximo de oxigênio. J Bras Pneumol. 2012;38(5):539-40.

Enright PL, Sherril DI. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. Am J Resp Care Med. 1998;158:1384-97.

Demers C, McKelvie RS, Negassa A, Yusuf S. Reliability, validity, and responsiveness of the six-minute walk test in patients with heart failure. Am Heart J. 2001;142(4):698-703.

Enright PL. The six-minute walk test. Respir Care. 2003;48(8):783-5.

Paschoal MA, Florindo LMP, Moraes SPB. Respostas cardiovasculares de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica durante os testes de Paschoal e da caminhada de seis minutos. Rev Ciênc Med. 2006;15(5):415-25.

Gloeckl R, Marinov B, Pitta F. Parctical recommendations for exercise training in patients with COPD. Eur Respir Rev. 2013;22(128):178-86.

Sparks AS, Hilton NP. A quantification of the treadmill 6-min walk test using the MyWellness Key accelerometer. J Sport Health Sci. 2015;4(2):188-94.

Soares SMPT, Jannuzzi HPC, Kassab MFO, Nucci LB, Paschoal MA. Investigation of the immediate pre-operative physical capacity of patients scheduled for elective abdominal surgery using the 6-minute walk test. Physiotherapy. 2015;101(3):292-7.

Souza RB. Pressões respiratórias estáticas máximas. J Pneumol. 2002;28(Supl.3):S155-65.

Borg GA. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc.1982;14(5)377-81.

American Thoracic Society. Committee on Proficiency Standards for Clinical Pulmonary Function Laboratories. ATS Statement: Guidelines for the six-minute walk test. Am J Resp Crit Care Med. 2002;166(1):111-7.

Spruit MA, Watkins ML, Edwards LD, Vestbo J, Calverley PM, Pinto-Plata V, et al. Determinants of poor 6-min walking distance in patients with COPD: The ECLIPSE cohort. Respir Med. 2010;104(6):849-57.

Vestbo J, Prescott E, Almdal T, Dahl M, Nordestgaard BG, Andersen T, et al. Body mass, fat-free body mass, and prognosis in patients with chronic obstructive pulmonary disease from a random population sample: Findings from the Copenhagen city heart study. Am J Respir Crit Care Med. 2006;173(1):79-83.

Marquis K, Debigare R, Lacasse Y, LeBlanc P, Jobin J, Carrier G, et al. Midthigh muscle cross-sectional area is a better predictor of mortality than body mass index in patients with chronic obstructive pulmonary disease. Am J Respir Crit Care Med. 2002;166(6):809-13.

Swallow EB, Reyes D, Hopkinson NS, Man DCM, Porcher R, Cettet EJ, et al. Quadriceps strength predicts mortality in patients with moderate to severe chronic obstructive pulmonary disease. Thorax. 2007;62:115-20.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Sociedade Brasi-leira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Nefro-logia. Anais do 6º Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1Supl.1):1-51.

Bessa EJC, Lopes AJ, Rufino R. A importância da medida da força muscular respiratória na prática da pneumologia. Pulmão. 2015;24(1):37-41.

Gosselink R, Vos J, van den Heuvel SP, Segers J, Decramer M, Kwakkel G. Impact of inspiratory muscle training in patients with COPD: What is the evidence? Eur Respir J. 2011;37(2):416-25.

Jensen TM, Marott JL, Lange P, Vestbo J, Schnohr P, Nielsen OW, et al. Resting heart rate is a predictor of mortality in COPD. Eur J Respir J. 2013;42:341-9.

Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. Projeto diretrizes: doença pulmonar obstrutiva crônica. Brasília: SBPT; 2001.

Moreira MAF, Medeiros GA, Boeno FP, Sanches PRS, Silva Júnior DP, Müller AF. Análise da dessaturação de oxigênio durante o teste de caminhada de seis minutos em pacientes com DPOC. J Bras Pneumol. 2014;40(3):222-8.

Mathur S, Brooks D, Carvalho CRF. Structural alterations of skeletal muscle in COPD. Front Physiol. 2014;5:104-8.

Wasserman K, Hansen JE, Sue DY, Stringer WW, Whipp BJ, Sietsema KE, et al. Principles of exercise testing and interpretation. 5th ed. Philadelphia: Lippincott; 2012.

Goodwin ML, Harris JE, Hernández A, Gladden LB. Blood lactate measurements and analysis during Exercise: A guide for clinicians. J Diabetes Sci Technol. 2007;1(4):558-69.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v25n1a3326

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.