Triagem auditiva neonatal: necessidade de divulgação para profissionais de enfermagem

Silvana Maria Sobral Griz, Camila Padilha Barbosa, Thales Rafael Correia de Mélo Lima, Denise Costa Menezes, Adriana Ribeiro de Almeida e Silva

Resumo


Objetivo

Investigar o conhecimento dos profissionais de enfermagem acerca da triagem auditiva de neonatos e lactentes.

Métodos

Participaram 106 profissionais de enfermagem de um hospital universitário. Todos responderam a um questionário semiestruturado (com questões objetivas e discursivas), contendo informações sobre sua formação, local de trabalho e conhecimentos acerca da triagem auditiva neonatal universal e seus desdobramentos.

Resultados

Os dados apontaram para o pouco conhecimento por parte dos profissionais de enfermagem sobre a triagem e avaliação da audição de neonatos e lactentes. Entretanto, no que concerne a detecção da perda auditiva, muitos deles afirmaram que os procedimentos podem iniciar antes de um mês de idade. Por outro lado, observou-se que a maioria dos profissionais de enfermagem desconhece os indicadores de risco para perda auditiva.

Conclusão

Há necessidade de divulgar, para esses profissionais, informações sobre a detecção e o diagnóstico da perda auditiva, bem como a intervenção precoce e os indicadores de risco. Essas informações podem ser divulgadas em atividades de educação permanente e periódicos de ampla circulação.

Palavras-chave: Audição. Conhecimento. Criança. Enfermagem.


Palavras-chave


Audição. Conhecimento. Criança. Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Baraldi GS, Almeida LC, Borges ACC. Evolução da

perda auditiva no decorrer do envelhecimento. Braz J

Otorhinolaryngol. 2007; 73(1):64-70.

Joint Committee on Infant Hearing. Year 2007

position statement: Principles and guidelines for early

detection and intervention programs. Pediatrics.

; 120(4):898-921.

Ruggieri-Marone M, Schochat E. Etude des produits

de distorsions chez les nouveaux nès traités par

ototoxiques. Rev Laryngol Otol Rhinol. 2007;

(1):41-6.

Joint Committee on Infant Hearing. Year 2000

position statement: Principles and guidelines for early

detection and intervention programs. Pediatrics.

; 106(4):798-817.

Marques TR, Mendes PC, Bochnia CFP, Jacob LCB,

Roggia CM, Marques JM. Triagem auditiva neonatal:

relação entre banho e índice de reteste. Rev Bras

Otorrinolaringol. 2008; 74(3):375-81.

Hilú MRPB, Zeigelboim BS. O conhecimento, a

valorização da triagem auditiva neonatal e a

intervenção precoce da perda auditiva. Rev Cefac.

; 9(4):563-70.

Muniz L, Caldas Neto SS, Gouveia MCL, Albuquerque

M, Aragão A, Mercês G, et al. Conhecimento de ginecologistas e pediatras de hospitais públicos do Recife a respeito dos fatores de risco para surdez. Braz J Otorhinolaryngol. 2010; 76(4):510-6.

Zocoli AMF, Riechel FC, Zeigelboim BS, Marques JM.

Audição: abordagem do pediatra acerca dessa

temática. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006; 72(5):617-

Alvarenga KF, Bevilacqua MC, Melo TM, Lopes AC,

Moret ALM. Participação das famílias em programas

de saúde auditiva: um estudo descritivo. Rev Soc Bras

Fonoaudiol. 2011; 16(1):49-53.

Alvarenga KF, Bevilacqua MC, Martinez MANS, Melo

TM, Blascav WQ, Taga MFL. Proposta para capacitação

de agentes comunitários de saúde em saúde auditiva.

Pró-Fono R Atual Cient. 2008; 20(3):139-44.

Lewis DR, Marone SAM, Mendes BCA, Cruz OLM,

Nóbrega M. Comitê Multiprofissional em Saúde

Auditiva - Comusa. Braz J Otorhinolaryngol. 2010;

(1):121-8.

Soares CP, Marques LR, Flores NGC. Triagem auditiva

neonatal: aplicabilidade clínica na rotina dos médicos

pediatras neonatologistas. Rev Cefac. 2008;

(1):110-6.

Weich TM, Ourique AC, Tochetto TM, Franceschi CM.

Eficácia de um programa para redução de ruído em

unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Ter

Intensiva. 2011; 23(3):327-34.

Oliveira FLC, Kakehashi TY, Tsunemi MH, Pinheiro EM.

Nível de ruído em sala de parto. Rev Texto Contexto

Enferm. 2011; 20(2):287-93.

Lobiondo-Wood G, Haber J. Pesquisa em

enfermagem: métodos, avaliação crítica e utilização.

ª ed. São Paulo: Guanabara Koogan; 2001.

Comitê Brasileiro sobre Perdas Auditivas na Infância.

Recomendação nº 01/99. J CFFa. 2000; (5):3-7.

Griz SMS, Silva ARA, Barbosa CP, Menezes DC, Curado

NRPV, Silveira AK, et al. Indicadores de risco para perda

auditiva em neonatos e lactentes atendidos em um

programa de triagem auditiva neonatal. Rev Cefac.

; 13(2):281-91.

Menezes SRT, Priel MR, Pereira LL. Autonomia e

vulnerabilidade do enfermeiro na prática da

sistematização da assistência de enfermagem. Rev Esc

Enferm USP. 2011; 45(4):953-8.

Lima MLLT, Assis ABR, Mercês GB, Barros PF, Griz SMS.

Triagem auditiva: perfil socioeconômico de mãe. Rev

Cefac. 2008; 10(2):254-60.

Griz SMS, Barbosa CP, Silva ARA, Ribeiro MA, Menezes

DC. Aspectos demográficos e socioeconômicos de

mães atendidas em um programa de triagem auditiva

neonatal. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2010; 15(2):179-

Fernandes JC, Nozawa MR. Estudo da efetividade de

um programa de triagem auditiva neonatal universal.

Ciênc Saúde Colet. 2010; 15(2):353-61.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo

Brasilia: IBGE; 2010 [acesso 2010 dez 15].

Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br

Almeida MF, Alencar GP, Novaes HMD, França Júnior I,

Siqueira AAF, Campbell OMR, et al. Fatores de risco

para mortes fetais anteparto no Município de São

Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública. 2007; 41:35-43.

Gallo JHS. Gravidez na adolescência: a idade materna,

consequências e repercussões. Rev Bioet. 2011;

(1):179-9.

Sigolo C, Lacerda CBF. Da suspeita à intervenção em

surdez: caracterização deste processo na região de

Campinas/SP. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011; 23(1):32-

Vieira EP, Miranda EC, Azevedo MF, Garcia MV.

Ocorrência dos indicadores de risco para a deficiência

auditiva infantil no decorrer de quatro anos em um

programa de triagem auditiva neonatal de um

hospital público. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007;

(3):214-20.

Barreira-Nielsen C, Futuro Neto HA, Gattaz G.

Processo de implantação de programa de saúde

auditiva em duas maternidades públicas. Rev Soc Bras

Fonoaudiol. 2007; 12(2):99-105.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v24n1a3287

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.