Baixa escolaridade e doenças mentais em idosos: possíveis correlações

Tiago Rodrigo BIASOLI, Maria Clara MORETTO, Maria Elena GUARIENTO

Resumo


Objetivo
Descrever amostra de 334 idosos atendidos em ambulatórios do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas quanto ao perfil sociodemográfico e clínico- -psicológico e avaliar a relação entre baixa escolaridade e as variáveis clínicas.
Métodos
Esta pesquisa transversal com foco descritivo foi realizada com os dados digitais dos prontuários dos pacientes com transtorno mental, seguidos nas áreas de Geriatria, Psiquiatria e Neurologia do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas. Avaliou-se gênero, faixa etária, estado conjugal, escolaridade, diagnóstico psiquiátrico através da Classificação Internacional de Doenças, comorbidades, número de consultas no ano anterior à pesquisa, tempo de tratamento e óbitos. Para comparar os grupos segundo níveis de escolaridade, utilizou-se o teste Qui-quadrado, com nível de significância de 5% (p<0,05).
Resultados
Verificou-se que a amostra era composta predominantemente por mulheres (65,5%); por idosos na faixa etária entre 70-79 anos (41,3%); casados (56,6%); e com ensino fundamental incompleto (65,0%). Os transtornos mentais orgânicos estavam presentes em 56,9% da amostra, seguidos por 28,1% com transtornos de humor. A baixa escolaridade teve associação positiva com tempo de tratamento, número de consultas e presença de comorbidades. 

Conclusão
O conhecimento das características dessa população pode ajudar a compreender as interrelações entre envelhecimento e os sinais/sintomas dos transtornos mentais, visando o planejamento, o diagnóstico e o tratamento precoce e mais eficiente.




Palavras-chave


Envelhecimento. Escolaridade. Transtornos mentais.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. New understanding, new hope. Lisboa: WHO; 2002.

Damasceno BP. Demências. In: Guariento MH, Neri AL, organizadores. Assistência ambulatorial ao Idoso. Campinas: Alínea; 2010. p.243-54.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese dos indicadores sociais, uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janiero: IBGE; 2014 [acesso 2014 ago 5]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindic

sociais2010/SIS_2010.pdf

Xiaoyi C, Xiaolian J, Samantha P, Sijian Li, Yijuan C,Lang T.The prevalence and risk factors for psychological distress in older men and women affected by the Wenchuan, China earthquake. Aust J Age. 2014;33(3):20-6.

Nazemi L, Skoog I, Karlsson I, Hosseini S, Hosseini M, Hosseinzadeh Mj, et al. Depression, prevalence and some risk factors in elderly nursing homes in Tehran, Iran. Iran J Publ Health. 2013;42(6):559-69.

Borges G, Acosta I, Sosa AL. Suicide ideation, dementia and mental disorders among a communitysample of older people in Mexico. Int J Geriatr Psychiatry. 2015;30(3):247-55.

Clemente AS, Loyola Filho AI, Firmo JOA. Concepções sobre transtornos mentais e seu tratamento entre idosos atendidos em um serviço público de saúde mental. Cad Saúde Pública. 2011;27(3):555-64.

Almeida OP. Idosos atendidos em serviço de emergência de saúde mental: características de-mográficas e clínica. Rev Bras Psiquiatr. 1999; 21(1):12-8.

Kaup AR, Simonsick EM, Harris TB, Satterfield S, Metti AL, Ayonayon HN, et al. Older adults with limited literacy are at increased riskfor likely dementia. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2014;69(7):900-6.

Silva LSV, Silva TBL, Falcão DVS, Batistoni SST, Lopes A, Cachioni M, et al. Correlations between memory complaints, depressive symptoms and cognitive performance among elderly individuals living in the community. Rev Psiq Clin. 2014;41(3):67-71.

Forlenza OV. Psiquiatria geriátrica: do diagnóstico precoce à reabilitação. São Paulo: Atheneu; 2007.

McIntyre A. Terapia ocupacional e a terceira idade. São Paulo: Santos; 2007.

Maj M, Sartorius N. Transtornos depressivos. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Domiciano BR. Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência. Rev Neurocienc. 2014;22(3):330-6.

Silva CTB, Spanemberg L, Nogueira EL, Tramunt GK, Jarros RB, Catalgo Neto A. Sociodemographic and psychiatric profile of the elderly in an emergency department of a school hospital in Porto Alegre. Rev AMRIGS. 2011;55(2):164-8.

Frank MH, Rodrigues NL. Depressão, ansiedade, outros transtornos afetivos e suicídio. In: Fretas EV, Py L, editores. Tratado de geriatria e gerontologia. 3a ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan; 2011. p.314-25.

Grinberg LP. Depressão em idosos:desafios no diagnóstico e tratamento. Rer Bras Med. 2006;63(7):317-30.

César KG, Takada LT, Brucki SMD, Nitrini R, Nascimento LFC, Oliveira MO, et al. Prevalence of depressive symptoms among elderly in the city of Tremenbé, Brasil. Rev Dement Neuropsychol. 2013;7(3):252-7.

Minayo MCS, Cavalcante FG. Suicídio entre pessoas idosas. Rev Saúde Pública 2010;44(4):750-7.

Martinelli JE. Parafrenia tardia. In: Forlenza OV. Psiquiatria geriátrica: do diagnóstico precoce à reabilitação. São Paulo: Atheneu; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse censo 2010. Rio de Janiero: IBGE; 2011 [acesso 2014 jul 2014]. Disponível em: http://www.censo2010.

ibge.gov.br/sinopse.

Lima-Costa MF, Matos DL, Camargos VP, Macinko J. 10-year trends in the health of Brazilian elderly: evidence from the National Household Sample Survey (PNAD 1998, 2003, 2008). Ciên Saúde Coletiva. 2011;16(9):3689-96.

Marx J. Preventing Alzheimer's: A Lifelong Commitment? Science. 2005;309(5736):864-6.

Lemonick MD, Mankato AP. The nun study: Alzheimer's. Time Mag. 2001;157(19):54-64.

Sharp ES, Gatz M. Relationship between education and dementia: An updated systematic. Rev Alzheimer Dis Assoc Disord. 2011;25(4):289-304.

Gatz M, Mortimer JA, Fratiglioni L, Johansson B, Berg S, Andel R, et al. Accounting for the relationship between low education and dementia: A twin study. Physiol Behav. 2007;92(1-2):232-7.

Brucki SMD. Illiteracy and dementia. Dement Neuropsychol. 2010;4(3):153-7.

Meng X, D’Arcy C. Education and Dementia in the Context of the Cognitive Reserve Hypothesis: A Systematic review with meta-analyses and qualitative analyses. PLoS One. 2012;7(6):e38268. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0038268

Paula AFM. Relação entre capacidade funcional, desempenho cognitivo, sintomas depressivos e evolução para óbito em idosos atendidos no ambulatório de geriatria do Hospital de Clínicas da Unicamp [mestrado]. Campinas: Unicamp; 2012.

Coelho FGM, Vital TM, Novais IP, Costa GA, Stella F, Santos-Galduroz RF, et al. Desempenho cognitivo em diferentes níveis de escolaridade de adultos e idosos ativos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(1):7-15.

Zahodne LB, Glymour MM, Sparks C, Bontempo D, Dixon RA, McDonald SW, et al. Education does not slow cognitive decline with aging: 12-year evidence from the Victoria Longitudinal Study. J Int Neuropsychol Soc. 2011;17(6):1039-46.

Lopes MA, Bottino CMC, Hototion SR. Epidemiologia das demências: análise crítica das evidências atuais. In: Bottino CMC, Laks J, Blay SL. Demência e Transtornos cognitivos em idosos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006.

Bueno DRS. Perfil de idosos com demência e de-pressão: status cognitivo medido pelo CAMCOG, escolaridade e histórico de habilidades sócio-cognitivas [mestrado]. Campinas: Unicamp; 2009.

Rombaldi JA. Prevalência e fatores associados a sintomas depressivos em adultos do sul do Brasil: estudo transversal de base populacional. Rev Brasil Epdemiol. 2010;13(4):620-9.

Louvison MCP, Lebrão ML, Duarte YAO, Santos JLF, Malik AM, Almeida ES. Inequalities in access to health care services and utilization for the elderly in Sao Paulo, Brazil. Rev Saúde Pública. 2008;42(4):733-40.

Leal MCC, Marques APO, Marino JG, Rocha EC, Santos CR, Austregésilo SC. Perfil de pacientes idosos e tempo de permanência em ambulatório geronto-geriátrico. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2009;12(1):77-86.

Blay SL, Laks J, Nitrini R, Caramelli P. Epidemiologia dos transtornos mentais em idosos e a utilização dos serviços por esta população. In: Mello MF, Mello AAF, Kohn R, organizadores. Epidemiologia da saúde mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed; 2007. p.143-50.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v25n1a2952

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.