Questões objetivas em doenças sexualmente transmissíveis: formulações e acertos justificados

Eloá Rondi Bórnea, Aguinaldo Gonçalves

Resumo


Objetivo

Contribuir para a educação continuada de profissionais da Saúde através da formulação, resposta e discussão de questões de múltipla escolha em doenças sexualmente transmissíveis.

Método

Considerando as diretrizes do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeira, cada questão é necessariamente constituída de três elementos: o texto-base, o enunciado e as alternativas (gabarito e distratores). A discussão de cada item é travada a partir de textos atualizados da área, devidamente caracterizados nas respectivas referências.

Resultados

São apresentadas e problematizadas 20 questões de múltipla escolha sobre diferentes aspectos da epidemiologia, clínica, diagnóstico e terapêutica das doenças sexualmente transmissíveis.

Conclusão

Colheram-se evidências adicionais favoráveis à adoção das questões de múltipla escolha como ferramenta de educação continuada em saúde em nosso meio.

Palavras-chave: Avaliação educacional. Educação continuada. Educação médica. Doenças sexualmente transmissíveis.


Palavras-chave


Avaliação educacional. Educação continuada. Educação médica. Doenças sexualmente transmissíveis.

Texto completo:

PDF

Referências


Martins LBM, Paiva LHSC, Dias MJD, Sousa MH, Pinto-

Neto AM, Tadin V. Fatores associados ao uso de

preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/

AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas

do Município de São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública.

; 22(2):315-23.

Oliveira DC, Pontes APM, Gomes AMT, Ribeiro MCM.

Conhecimentos e práticas dos adolescentes acerca

das DST/HIV/AIDS em duas escolas públicas

municipais do Rio de Janeiro. Rev Enferm. 2009;

(4):833-41.

Dessunti EM, Reis AOA. Fatores psicossociais e

comportamentais associados ao risco de DST/AIDS

entre estudantes da área de saúde. Rev Latino-Am

Enferm. 2007 [acesso 2012 jan 15]; 15(2). Disponível

em: .

Lima MCP, Cerqueira ATAR. Crenças sobre sexualidade

entre estudantes de medicina: uma comparação entre

gênero. Rev Bras Educ Med. 2008; 32(1):49-55.

Conselho Federal de Medicina. Código de ética

médica. Brasília: CFM; 2010.

Nunes HN, Freitas CA, Brito AO, Alves GG, Prince KA,

D´Angelis CEM, et al. Doenças sexualmente transmissíveis:

nível de conhecimento de estudantes secundaristas

da cidade de Juramento (MG). Rev Multidiscipl

Fac Integradas Pitágoras. 2010; (10):25-3.

Silva MF, Conceição FA, Leite MMJ. Educação

continuada: um levantamento de necessidades da

equipe de enfermagem. Mundo Saúde. 2008;

(1):47-55.

Accreditation Council for Continuing Medical

Education. Policies and definitions. Chicago (IL):

ACCME; 2013 (cited 2014 Feb 12). Available from:

<http://www.accme.org/requirements/accreditationrequirements-

cme-providers/policies-and-definitions/

cme-content-definition-and-examples>.

Accreditation Council for Continuing Medical

Education. Our history Chicago (IL): ACCME; 2013

(cited 2014 Feb 12) Available from: <http://

www.accme.org/about-us/our-history>.

Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº

772, de 12 agosto de 2005. Normas de

regulamentação para a certificação de atualização

profissional de título de especialista e certificado de

área de atuação. Diário Oficial da União. 2005 12

ago; Seção 1, p.141-2.

Brasil. Ministério da Educação. Guia de elaboração

de itens. BNI-Revalida. Brasília: Instituto Nacional da

Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira;

Galdi EH, Gonçalves A, Vilarta R. Aprender a nadar

com a extensão universitária. Campinas: Ipes Editorial;

Ferraz APCM, Belhot R. V. Taxonomia de Bloom: revisão

teórica e apresentação das adequações do

instrumento para definição de objetivos instrucionais.

Gestão Produção. 2010; 17(2):421-31.

Pedrosa R. O propagandista de produtos

farmacêuticos como agente de informação: estudo

de caso com Ginecologistas e obstetras de Salvador e

região Metropolitana [mestrado]. Salvador:

Universidade Federal da Bahia; 2008.

Leite MTM, Carlinii AL, Ramos MP, Sigulem D.

Educação médica continuada online: potencial e

desafios no cenário brasileiro. Rev Bras Ed Med. 2010;

(1):141-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Política de educação e

desenvolvimento para o SUS: caminhos para a

educação permanente em saúde: pólos de educação

permanente em saúde. Brasília: Ministério da Saúde;

Zimitat C. Designing effective on-line continuing

medical education. Med Teach. 2001; 23(2):117-22.

Simão CRE. O crescimento dos cursos de graduação

e pós-graduação na modalidade de EaD. Info Escola.

Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho; 2011.

Christante L, Ramos MP, Bessa R, Sigulem D. O papel

do ensino a distância na educação médica continuada:

uma análise crítica. Rev Assoc Med Bras. 2003;

(3):326-9.

Clemente TS, Lima MM, Barros LA, França AMB, Bento

TMA. A importância do pré-natal como ferramenta

na prevenção da sífilis congênita: revisão bibliográfica.

Cad Graduação Ciênc Biol Saúde. 2012; 1(1):33-42.

Carret MLV, Fassa ACG, Silveira DS, Bertoldi AD, Hallal

PC. Sintomas de doenças sexualmente transmissão

em adultos: prevalência e fatores de risco. Rev Saúde

Pública. 2004; 38(8):76-84.

Brasil. Ministério da Saúde. DST: Doenças

Sexualmente Transmissível. Brasília: Biblioteca Virtual

em Saúde; 2007 [acesso 2013 maio 14]. Disponível

em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/40dst.

html>.

Saraceni V. A sífilis, a gravidez e a sífilis congênita

[tese]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de controle

doenças sexualmente transmissíveis. Brasília:

Ministério da Saúde; 2006.

Lupi O. Herpes simples. An Bras Dermatol. 2000;

(75):261-75.

Penna GO, Hajjar LA, Braz TM. Gonorreia. Rev Soc

Bras Med. 2000; 5(33):451-64.

Gonçalves A. Estratégias para o controle das DST. An

Bras Dermatol. 1986; 61(3):156-7.

Kovacs FT, Brito MFM. Percepção da doença e

automedicação em pacientes com escabiose. An Bras

Dermatol. 2006; 4(81):335-40.

Souza SAM, Lima MC, Bobrowski VL, Rocha BHG.

Pesquisação com pré-universitários de Pelotas sobre

DST/AIDS. In: XIII congresso de Iniciação Científica,

, Pelotas. Universidade Federal de Pelotas. 2004

[acesso 2012 jan 1]. Disponível em: <http://

www.ufpel.edu.br/cic/2004/arquivos/conteudo_

CB.html>.

Porto CS. Saúde no Brasil: a sífilis na atualidade

[monografia]. Universidade do Extremo Sul

Catarinense; 2012.

Castro TMPG. Manifestações orais associada ao

Papilomavírus Humano (HPV) conceitos atuais: revisão

bibliográfica. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004;

(4):546-50.

Piro SC, Dias EP. O papel da Neisseria gonorrhoeae na

cavidade oral: uma revisão da literatura. J Bras

Doenças Sex Transm. 2002; 14(1):46-8.

Penello AM, Campos BC, Simão MS, Gonçalves MA,

Souza PMT, Salles RS, et al. Herpes genital. J Bras

Doenças Sex Transm. 2010; 22(2):64-72.

Marque CAS, Menezes MLB. Infecção genital por

Chlamydia trachomatis e esterilidade. J Bras Doenças

Sex Transm. 2005; 17(1):66-70.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de atenção

básica: HIV/Aids, hepatites e outras DST. Brasília:

Ministério da Saúde; 2006 [acesso 2013 maio 15].

Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/

publicacoes/abcad18.pdf>.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de bolso: doenças

infecciosas e parasitárias. Brasília: Ministério da Saúde;

Fernandes JBVD, Gorn PGV, Matayoshi S. Tratamento

de fitiríase palpebral com ivermectina. Arq Bras

Oftalmol. 2001; 64(2):157-8.

Hanson D, Diven DG. Molluscum contagiosum.

Dermatol Online J. 2003; 9(2):2 [acesso 2012 nov

. Disponível em: <http://escholarship.org/uc/item/

z11d13p>.

Pereira VV. Infecções por Chlamydia trachomatis em

Saúde Pública [monografia]. Universidade Federal de

Minas Gerais; 2009.

Holmes KK, Mardh PA, Sparling PF, Wiesner PJ. Sexually

transmitted diseases. New York: McGrall Hill; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento DST, Aids

e hepatites virais. Brasilia: Ministério da Saúde; 2006

[acesso 2012 nov 24]. Disponível em:

.

Gonçalves A, Gonçalves NNS. As doenças de

transmissão sexual como um problema de saúde

pública no Brasil. Rev Hosp Clin Fac Med. 1988;

(4):185-9.

Gonçalves A. Problema de saúde pública:

caracterizando e avaliando aplicações. Rev Bras

Epidemiol. 2006; 9(2):251-6.

Gonçalves A. Aspectos básicos de pseudohermafroditismo

feminino. Med (Ribeirão Preto). 1983;

(1,2):5-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância epidemiológica

das DST por meio da notificação de casos: uma nova

abordagem. J Bras Doenças Sex Transm. 2001;

(2):44-7.

Branco IMHP. Educação para a saúde: contributos para

a prevenção do cancro: modelo cancro do colo do

útero [dissertação]. Instituto de Ciências Biomédicas

Abel Salazar; 2011 [acesso 2013 maio 15]. Disponível

em: <http://repositorioaberto.up.pt/bitstream/10216/

/2EdSaudeContributosPrevenoCancroModelo

CancroColotero.pdf>.

Netto AA, Goedert ME. Avaliação da aplicabilidade e

do custo da profilaxia da oftalmia neonatal em

maternidades da grande Florianópolis. Rev Bras

Oftalmol. 2009; 68(5):264-70.

Espirito Santo. Secretaria do Estado de Saúde.

Gerência de Regulação e Assistência à Saúde Gerência

de Vigilância em Saúde. Diretrizes para atenção à

saúde em HIV/AIDS e outras doenças sexualmente

transmissíveis. Vitória: Secretaria de Estado da Saúde

Espirito Santo; 2008 [acesso 2013 maio 15].

Disponível em: <http://www.saude.es.gov.br/

download/34697_DST_AIDS_MIOLO.pdf>.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v23n2a2529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.