Qualidade de vida da equipe de enfermagem em unidades de urgência e emergência

Luciano Magalhães Vitorino, Fernanda Pereira Monteiro, José Vitor da Silva, Ewerton Naves Dias, Ana Eliza Oliveira Santos

Resumo


Objetivo

O presente estudo visou a avaliar a qualidade de vida da equipe de enfermagem do pronto-socorro e centro de terapia intensiva em hospitais de Itajubá e Pouso Alegre, Minas Gerais, e correlacionar as variáveis sociodemográficas e de saúde à qualidade de vida.

Métodos

O estudo, com 87 colaboradores, foi de abordagem quantitativa e transversal. Instrumentos: caracterização sociodemográfica e de saúde e World Health Organization Quality of Life Assessment-bref. O domínio Físico apresentou maior destaque, e o domínio Meio Ambiente, menor pontuação.

Resultados

As variáveis que apresentaram correlação com a qualidade de vida foram renda e estado de saúde.

Conclusão

O estudo concluiu que a qualidade de vida é diretamente proporcional ao estado de saúde, visto que quanto melhor o estado de saúde, melhor a qualidade de vida, e que é indiretamente proporcional à renda dos entrevistados.

Palavras-chave: Equipe de enfermagem. Qualidade de vida. Serviço hospitalar de emergência. Unidades de terapia intensiva.


Palavras-chave


Equipe de enfermagem. Qualidade de vida. Serviço hospitalar de emergência. Unidades de terapia intensiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Ohara R, Melo MRAC, Laus AM. Caracterização do

perfil assistencial dos pacientes adultos de um pronto

socorro. Rev Bras Enferm. 2010; 63(5):749-54.

Brasil. Ministério da Saúde. Terminologia básica em

saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 1985.

Brasil. Ministério da Saúde. Dicas em saúde. O que é

centro de terapia intensiva? Brasília: Ministério da

Saúde; 2009 [acesso 2012 jul 11]. Disponível em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/189_centro_

terapia_ intensiva.html>.

Zapparoli AS, Marziale MHP. Risco ocupacional em

unidades de suporte básico e avançado de vida em

emergências. Rev Bras Enferm. 2006; 59(1):41-6.

Farias SMC, Teixeira OLC, Moreira W, Oliveira MPF,

Pereira MO. Caracterização dos sintomas físicos de

estresse na equipe de pronto atendimento. Rev Esc

Enferm USP. 2011; 45(3):722-9.

Paschoa S, Zanei SSV, Whitaker IY. Qualidade de vida

dos trabalhadores de enfermagem de unidades de

terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2007; 20(3):305-

Kimura M, Silva JV. Índice de qualidade de vida de

Ferrans e Powers. Rev Esc Enferm USP. 2009;

(Esp):1098-104.

The WHOQOL Group. The World Health Organization

Quality of Life Assessment (WHOQOL): Position paper

from the World Health Organization. Social Sci Med.

; 10:1403-9.

Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira

G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português

do instrumento de avaliação da qualidade de vida da

Organização Mundial da Saúde “WHOQOL-100”. Rev

Saúde Pública. 1999; 33(2):198-205.

Organización Mundial de la Salud. Control de la

hipertensión. Genebra: OMS; 1996.

Machado SS, Biaggio AMB. Qualidade de vida e estress

de adultos jovens na sociedade contemporânea [tese].

Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do

Sul; 2012.

Campos JF, David HMSL. Abordagens e mensuração

da qualidade de vida no trabalho de enfermagem:

produção científica. R Enferm UERJ. 2007; 15(4):584-

Rodrigues NO, Neri AL. Social, individual and

programmatic vulnerability among the elderly in the

community: Data from the FIBRA Study conducted in

Campinas, São Paulo, Brazil. Ciênc Saúde Colet.

; 17(8):2129-39.

Barrientos LA, Suazo SV. Quality of life associated

factors in chilenas hospitals nurses. Rev Latino-Am

Enferm. 2007; 15(3):480-6.

Kudo Y, Kido S, Shahzad MT, Yoshimura E, Shibuya A,

Aizawa Y. Work motivation for Japanese nursing

assistants in small- to medium-sized hospitals.

Tohoku J Exp Med. 2011; 225(4):293-300.

Mastropietro AP, Oliveira-Cardoso EA, Simões BP,

Voltarelli JC, Santor MA. Relação entre renda, trabalho

e qualidade de vida de pacientes submetidos ao

transplante de medula óssea. Rev Bras Hematol

Hemoter. 2010; 32(2):102-7.

Andersen LB, Harro M, Sardinha LB, Froberg K, Ekelund

U, Brage S, et al. Physical activity and clustered

cardiovascular risk in children: A cross-sectional study

(The European Youth Heart Study). Lancet. 2006;

(9532):299-304.

Oler FG, Jesus AF, Barboza DB, Domingos NAM.

Qualidade de vida da equipe de enfermagem do

centro cirúrgico. Arq Ciênc Saúde. 2005; 12(2):102-

Paskulin LMG, Córdova FP, Costa FMD, Vianna LAC.

Percepção de pessoas idosas sobre qualidade de vida.

Acta Paul Enferm. 2010 [acesso 2012 jun 14];

(1):101-7. Disponível em: <http://www.scielo.br/

scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-210020

&lng=en>.

Freitas MC, Mendes MMR. Chronic health conditions

in adults: Concept analysis. Rev Latino-Am Enferm.

; 15(4):590-7.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v23n2a2527

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.