Alterações citológicas cervicovaginais no Alto Uruguai Gaúcho, Rio Grande do Sul

Luana Taís Hartmann Backes, Telma Elita Bertolin, Vanusa Manfredini, Clóvis Klock, Luciane Noal Calil, Adelina Mezzari

Resumo


Objetivo

Avaliar a frequência de alterações cervicovaginais que acometem mulheres da região do Alto Uruguai.

Métodos

Foram avaliados dados de exames citopatológicos obtidos a partir de um sistema de programa personalizado conhecido como Laudo & Imagem, propriedade de um laboratório de referência da cidade de Erechim, Rio Grande do Sul, no período de 2007 a 2011.

Resultados

Dos 62.280 casos avaliados, 2.049 (3,3%) apresentaram alguma alteração citológica; destes, 1.094 (53,4%) corresponderam à lesão escamosa de baixo grau, 179 (8,8%) à lesão escamosa de alto grau, 13 (0,7%) à carcinoma escamoso, 5 (0,2%) à adenocarcinoma e 758 (37%) a atipias de significado indeterminado, que, no seguimento, 360 (47,5%) corresponderam a lesões benignas, 225 (29,7%) a lesões malignas; destas, 220 casos (29,02%) de lesão escamosa intraepitelial de baixo grau,

4 casos (0,53%) de lesão escamosa intraepitelial de alto grau e 1 (0,13%) de carcinoma escamoso. Não tiveram seguimento citopatológico 173 (22,8%) casos

Conclusão

O estudo verificou que os dados encontrados nessa Região assemelham-se aos encontrados nacionalmente, o que justifica a importância de incentivo ao rastreamento e à prevenção por meio dos programas de rastreamento do exame citológico para a detecção precoce do câncer de colo uterino.

Termos de indexação: Neoplasia do colo do útero. Esfregaço vaginal. Lesões pré-cancerosas. Patologia.


Palavras-chave


Neoplasia do colo do útero. Esfregaço vaginal. Lesões pré- -cancerosas. Patologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Carlotto K, Cesar JA, Hackenhaar AA, Ribeiro PRP.

Características reprodutivas e utilização de serviços

preventivos em saúde por mulheres em idade fértil:

resultados de dois estudos transversais de base

populacional no extremo sul do Brasil. Cad Saúde

Pública. 2008; 24(9):2054-62.

Becker DL, Brochier A, Vaz CB, Oliveira JP, Santos MLV,

Pilger DA, et al. Correlações entre infecções genitais

e alterações citopatológicas cervicais em pacientes

atendidas no Sistema de Saúde Pública de Porto

Alegre. DST J Bras Doenças Sex Transm. 2011;

(3):116-9.

Arcuri RA, Cunha KCF, Alves EC, Castro AA, Maciel

RA, Rosmanino AC, et al. Controle interno da

qualidade em citopatologia ginecológica: um estudo

de 48.355 casos. J Bras Patol Med Lab. 2002;

(2):141-7.

Teixeira RA, Valente JG, França EB. Mortalidade por

câncer de colo do útero no Estado de Minas Gerais,

Brasil, 2004-2006: análise da magnitude e

diferenciais regionais de óbitos corrigidos. Epiemiol

Serv Saúde. 2012; 21(4):549-59.

Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2014:

incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca;

[acesso 2013 jun 20]. Disponível em: http://

www.inca.gov.br/estimativa/2013. Acesso em: 20 jun

Türkmen IÇ, Bassüllü N, Korkmaz P, Günenç B, Baykal

CM, Güdücü N, et al. Patients with epithelial cell

abnormality in PAP smears: Correlation of results with

follow-upsmears and cervical biopsies. Turk Patologi

Derq. 2013; 29(3):174-9.

Corneanu LM, St·nculescu D, Corneanu C. HPV and

cervical squamous intraepithelial lesions:

Clinicopathological study. Rom J Morphol Embryol.

; 52(1):89-94.

Da Silva Barros N, Costa MC, Alves RRF, Villa LL,

Derchain SFM, Zeferino LC, et al. Association of HPV

infection and Chlamydia trachomatis seropositivity

in cases of cervical neoplasia in Midwest Brazil. J Med

Virol. 2012; 84(7):1143-50.

Asiaf A, Ahmad ST, Mohammad SO, Zargar MA.

Review of the current knowledge on the

epidemiology, pathogenesis, and prevention of

human papillomavirus infection. Eur J Cancer Prev.

; 23(3):206-24.

Bassal R, Schejter E, Bachar R, Shapira H, Sandbank J,

Supino RL. Cervical Pap screening among Israeli

women, 2005-2010. Arch Gynecol Obstet. 2014;

(3):615-22.

Gontijo RC, Derchain SFM, Montemor EBL, Sarian LOZ,

Serra MMP, Zeferino LC, et al. Citologia oncológica,

captura de híbridos II e inspeção visual com ácido

acético no rastreamento de lesões cervicais. Cad Saúde

Pública. 2005; 21(1):141-9.

Kjellberg L, Hallmans G, Ahren AM, Johansson R,

Bergman F, Wadell G, et al. Smoking, diet, pregnancy,

and oral contraceptive use as risk factors for cervical

intra-epithelial neoplasia in relation to human

papillomavirus infection. Br J Cancer. 2000;

(7):1332-8.

Santos ERR, Silva KCL, Bezerra AFB. Desafios para

organização do rastreamento. Rev Cienc Med. 2012;

(1-6):45-54.

Wolschick NM, Consolaro MEL, Suzuki LE, Bôer CG.

Câncer do colo do útero: tecnologias emergentes no

diagnóstico, tratamento e prevenção da doença. Rev

Bras Anal Clin. 2007; 39(2):123-9.

Solomon D, Nayar R. Sistema Bethesda para

citopatologia cervicovaginal: definição, critérios e

notas explicativas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Revinter;

Ince U, Aydin O, Peker O. Clinical Importance of “lowgrade

squamous intraepitehelial lesion, cannot

exclude high-grade squamous intraepitehelial lesion

(LSIL-H)” terminology for cervical smears. 5- years

analysis of the positive predictive value of LSIL-H

compared with ASC-H, LSIL, and HSIL the detectionof

high-grade cervical lesions with a review of the

literature. Gynecol Oncol. 2011; 121(1):152-6.

Bueno KS. Atipías escamosas de significado

indeterminado: novas qualificações e importância na

conduta clínica. Rev Bras Anal Clin. 2008; 40(2):121-

Campaner AB, Galvão MAL, Santos RE, Aoki T. Células

glandulares atípicas em esfregaços cervicovaginais:

significância e aspectos atuais. J Bras Patol Med Lab.

; 43(1):37-43.

Rodriguez AC, Schiffman M, Herrero R, Hildesheim

A, Bratti C, Shermann ME, et al. Longitudinal study of

human papillomavirus persistent and cervical

intraepithelial neoplasia grade 2/3: Critical role of

duration of infection. J Natl Cancer Inst. 2010;

(5):315-24.

Santos AL, Derchain SF, Martins MR, Sarian LO,

Martinez EZ, Syrjanen KJ. Human Papillomavirus viral

load in predicting high-grade CIN in women with

cervical smears showing only atypical squamous cells

or low-grade squamous intraepithelial lesion. São

Paulo Med J. 2003; 121(6):238-43.

Silveira LM, Silva AH, Pereira IP, Pinheiro VM. Critérios

citomorfológicos para o diagnóstico de HPV e sua

relação com a gravidade da neoplasia intra-epitelial.

Rev Bras Anal Clin. 2005; 37(2):129-34.

Piccoli R, Mandato VD, Lavitola G, Acunzo G, Bifulco

G, Tommaselli GA, et al. Atypical squamous cells and

low squamous intraepithelial lesions in

postmenopausal women: Implications for

management. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2008;

(2):269-74.

Costa JSD, Olinto MTA, Gigante DP, Menezes AMB,

Macedo S, Borba AT, et al. Cobertura do exame

citopatológico na cidade de Pelotas, Rio Grande do

Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003; 19(1):19-97.

Instituto Nacional de Câncer. Portaria nº 2.439 GM

de 8 de dezembro de 2005. Institui a política nacional

de atenção oncológica: promoção, prevenção,

diagnóstico, reabilitação e cuidados paliativos, a ser

implantada em todas as unidades federadas,

respeitadas as competências das três esferas de

gestão. Rio de Janeiro: Inca; 2005.

Corrêa DAD, Villela WV. O controle do câncer do colo

do útero: desafios para implementação de ações

programáticas no Amazonas, Brasil. Rev Bras Saúde

Mater Infant. 2008; 8(4):491-7.

Roberto Neto A, Ribalta JCL, Focchi J, Baracat EC.

Avaliação dos métodos empregados no Programa

Nacional de Combate ao Câncer de Colo Uterino do

Ministério da Saúde. Rev Bras Ginec Obst. 2001;

(4):209-16.

Pinho AA, França-Júnior I, Schraiber LB, D’Oliveira

AFPL. Cobertura e motivos para a realização ou não

do teste de Papanicolaou no município de São Paulo.

Cad Saúde Pública. 2003; 19(2):303-13.

Russomano F, Monteiro ACS, Mousinho RO. O

diagnóstico citológico das células escamosas atípicas:

uma avaliação crítica das recomendações diagnósticas.

Rev Bras Ginec Obst. 2010; 30(11):373-62.

Tavares CMA, Prado ML. Pesquisando a prevenção

do câncer ginecológico em Santa Catarina. Texto

Contexto Enferm. 2006; 15(4):578-86.

Veiga FR, Russomano FB, Camargo MJ, Monteiro ACS,

Tristão A, Silva VG. Prevalence of high-grade

squamous intraepithelial lesions and cervical cancer

among patients with unsatisfactory colposcopic

examination, without visible lesion. São Paulo Med J.

; 127(5):266-9.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v23n2a2525

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.