Ações de promoção de saúde bucal no âmbito hospitalar

Patricia Elaine Gonçalves, Naiza Amélia Lopes Ruduvalho Rodrigues, Francielly Lourenço Seixas

Resumo


Objetivo

O objetivo do trabalho foi verificar a percepção de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem quanto à promoção de saúde bucal e às atividades que realizam no município de Gurupi, Tocantins.

Métodos

A coleta de dados foi por meio da elaboração e aplicação de um questionário, o qual apresentava perguntas abertas e fechadas.

Resultados

Quanto à percepção sobre promoção de saúde bucal, quase a metade dos entrevistados (48,9%) identificou-a como higienização bucal, seguida por prevenção de doenças (45,7%). Todos afirmaram ser importante a promoção de saúde bucal no âmbito hospitalar, pois consiste na prevenção de infecções gerais (34,4%) e proporciona qualidade de vida ao paciente (32,2%). Uma grande parcela (77,4%) afirmou realizar atividades de promoção de saúde bucal no seu local de trabalho, como escovação dos dentes (44,3%), e remoção de detritos alimentares com espátula e gaze (24%). Contudo, essas atividades apenas são executadas quando o paciente se encontra debilitado, acamado ou impossibilitado (84,9%).

Conclusão

No âmbito hospitalar, a saúde bucal apresenta problemas orais, que podem afetar a saúde geral do paciente e diminuir a sua qualidade de vida, agravando o estado patológico que causou a internação. Isso ocorre em razão da falta de informação e capacitação sobre saúde bucal por parte da equipe e da precariedade do processo de higienização. Assim, há necessidade de medidas específicas para tornar o atendimento mais próximo do ideal.

Palavras-chave: Qualidade de vida. Promoção da saúde. Saúde bucal.


Palavras-chave


Qualidade de vida. Promoção da saúde. Saúde bucal.

Texto completo:

PDF

Referências


Smeltzer SC, Bare BG, Brunner S. Tratado de

enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan; 2002.

Schneid JL, Berzoini PL, Flores O, Cordon JAP. Práticas

de enfermagem na promoção de saúde bucal no

hospital do município de Dianópolis-TO. Comun

Ciênc Saúde. 2007; 18(4):297-306.

Lotufo RFM, Pannuti CM. Efeitos diretos dos

patógenos bucais nas condições sistêmicas. In:

Brunetti MC, organizadora. Periodontia médica: uma

abordagem integrada. São Paulo: Senac; 2004. p.42-

Cohen DW. Relação de risco médico-periodontal.

Compend Contin Educ Dent. 1998; 19(1):11-24.

Williams RC, Paquette D. Periodontite como fator de

risco para doença sistêmica. In: Lindhe J, Karring T,

Lang NP, editores. Tratado de periodontia clínica e

implantologia oral. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara

Koogan; 2005. p.356-75.

Souza CRD, Libério SA, Guerra NMR, Monteiro S,

Silveira EJD, Pereira ALA. Avaliação da condição

periodontal de pacientes renais em hemodiálise. Rev

Assoc Med Bras. 2005; 51(5):285-90.

Potter PA, Perry AG. Fundamentos de enfermagem.

Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São

Paulo: Atlas; 2002.

De Kelete JM, Rogiers X. Metodologia da recolha de

dados. Lisboa: Instituto Piaget; 1999.

Creutzberg M, Padilha D, Ricalcati CS, Meira FS.

Interfaces of geriatric nursing and dental care. Online

Braz J Nurs. 2004 [cited 2010 Jun 29]; 3(3). Available

from: <http://www.nepae.uff.br//siteantigo/

objn303creutzbergetal.htm>.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70;

Gonçalves ER, Verdi MIM. Os problemas éticos no

atendimento a pacientes na clínica odontológica de

ensino. Ciênc Saúde Colet. 2007; 12(3):755-64.

Bergamaschi RHR. Técnicas de enfermagem

padronizadas: seu uso por uma equipe de

enfermagem e por estudantes de enfermagem. Rev

Nurs. 2008; 11(123):359-63.

Rocha KPWF. A educação em saúde no âmbito

hospitalar. Rev Nurs. 2007; 108(9):216-21.

Almeida EO, Antenucci RMF, Silva EMM. Prevenção

da saúde bucal do idoso: interação paciente-equipe

de enfermagem. Rev Enferm Bras. 2008; 7(1):44-9.

White R. Nurse assessment of oral health: A review of

practice and education. Br J Nurs. 2000; 9(5):260-66.

Gonçalves GA, Martins C, Tura LFR, Primo LG. A

dimensão educativa da equipe de nefrologia na

promoção de saúde bucal de crianças e adolescentes

portadores de doença renal crônica. J Bras Nefrol.

; 31(3):198-205.

Denardi MV. Odontologia intensiva: uma nova

especialidade. Rev Intensiv. 2008; 4(16):18-21.

Rodrigues HDB, Coelho MJ, Godinho PS.

Sistematização dos cuidados de enfermagem ao

cliente intubado à luz da teoria de Imogene King. Rev

Enferm Bras. 2006; 5(2):86-94.

Morais TMN, Avi ALRO, Souza PHR, Knobel E,

Camargo LFA. A importância da atuação odontológica

em pacientes internados em unidade de terapia

intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2006; 18(4):412-17.

Oliveira LCBS, Carneiro PPM, Fischer RG, Tinoco EMB.

A presença de patógenos respiratórios no biofilme

bucal em pacientes com pneumonia nasocrimal. Rev

Bras Ter Intensiva. 2007; 19(4):428-33.

Santos PSS, Mello WR, Wakim RCS, Paschoal MAG.

Use of oral rinse with enzymatic system in patients

totally dependent in the intensive care unit. Rev Bras

Ter Intensiva. 2008; 20(2):154-9.

Araújo RJG, Oliveira LCG, Hanna LMO, Corrêa AM,

Carvalho LHV, Alves NCF. Análise de percepções e ações

de cuidado bucais realizados por equipes de

enfermagem em unidades de tratamento intensivo.

Rev Bras Ter Intensiva. 2009; 21(1):38-44.

Santos APP, Melo WR, Scranin RC, Paschoal MAG.

Oral hygiene frequency and presence of visible biofilm

in the premary dentiton. Rev Braz Oral. 2007;

(1):64-9.

Potter PA, Perry AG. Fundamentos de enfermagem:

conceitos, processos e práticas. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan; 1999.

Costa EMMB, Fernandes MZ, Quinderé LB, Souza LB,

Pinto LP. Evaluation of an oral preventive protocol in

children with acute lymphoblastic leukemia. Pesq

Odontol Bras. 2003; 17(2):147-50.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v23n1a2411

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.