Aplicação do Índice de Qualidade da Dieta Revisado antes e após orientação nutricional

Mariana Cassani Oliveira, Isabella Matins Calahani, Agatha Nogueira Prevideli, Maíra Barreto Malta, José Eduardo Eduardo Corrente, Silvia Justino Papini

Resumo


Objetivo

Avaliar o efeito da orientação nutricional individual nas mudanças das práticas alimentares e estilo de vida dos pacientes.

Métodos

Foram aplicados recordatórios de 24 horas antes e depois da orientação nutricional, para posterior cálculo do Índice Qualidade da Dieta Revisado, referente a cada um dos recordatórios. Foram avaliados trinta pacientes encaminhados para orientação nutricional individual no Ambulatório de Nutrição do Adulto do Centro de Saúde Escola, unidade auxiliar da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual Paulista.

Resultados

Como resultados da análise comparativa Índice Qualidade da Dieta Revisado, calculados, foi verificado o aumento do consumo de frutas, verduras, legumes e leguminosas, assim como a diminuição do consumo de carnes vermelhas, doces, bebidas açucaradas e laticínios integrais, depois das orientações nutricionais. Para as primeiras entrevistas, a pontuação média conquistada pelos pacientes foi de 61,45 e para a segunda entrevista foi visto que a pontuação aumentou para 70,20. A adesão ao programa nutricional proposto não foi muito satisfatória: 57% dos pacientes necessitaram ser reagendados duas ou mais vezes até comparecerem a consulta de retorno.

Conclusão

Houve mudança positiva no padrão alimentar dos participantes após orientação nutricional. A adesão ao tratamento pode ser estimulada por meio da educação nutricional, fundamental para que mudanças alimentares e de estilo de vida sejam efetivamente realizadas.

Palavras-chave: Doenças crônicas não-transmissíveis. Estilo de vida. Orientação nutricional. Qualidade da dieta.


Palavras-chave


Doenças crônicas não-transmissíveis. Estilo de vida. Orientação nutricional. Qualidade da dieta.

Texto completo:

PDF

Referências


Sousa AS, Kling MRS, Navarro FA. Importância da

orientação nutricional no tratamento da obesidade.

RBONE. 2007; 3(14):124-35.

Fisberg RM, Slater B, Marchioni DML, Martini LA.

Inquéritos alimentares: métodos e bases científicas.

Barueri: Manole; 2005.

Monteiro CA, Moura EC, Jaime PC, Claro RM. Validade

de indicadores de consumo de alimentos e bebidas

por inquérito telefônico. Rev Saúde Pública. 2009;

(40):582-9.

Costa AVG, Priore SE, Sabarense CM, Franceschini

SCC. Questionário de frequência de consumo

alimentar e recordatório de 24 horas: aspectos

metodológicos para avaliação da ingestão de lipídeos.

Rev Nutr. 2006; 19(5):631-41. http://dx.doi.org/

1590/S1415-52732006000500011

Haines OS, Siega-Riz AM, Popkin BM. The diet índex

revised: A measurement instrument for populations.

J Am Diet Assoc. 1999; 99(6):697-704.

Previdelli NA, Andrade SM, Pires MM, Ferreira SRG,

Fisberg RM, Marchioni DM. Índice de Qualidade da

Dieta Revisado para população brasileira. Rev Saúde

Pública. 2011; 45(4)794-8.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de

Saúde. Resolução nº 408, de 4 de outubro de 2006.

Diretrizes para a promoção da alimentação saudável

com impacto na reversão da epidemia de obesidade

e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis.

Diário Oficial da União. 2009, 9 mar; (45).

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2008:

Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças

Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério

da Saúde; 2009.

Paiva DCP, Berusa AAS, Escuder MML. Avaliação da

assistência ao paciente com diabetes e/ou

hipertensão pelo Programa de Saúde da Família do

município de Francisco Morato, SP - Brasil. Cad Saúde

Pública. 2006; 22(2):377-85.

Santos AFL, Araújo JWG. Prática alimentar e diabetes:

desafios para a vigilância em saúde. Epidemiol Serv

Saúde. 2011; 20(2):255-63.

Rubin O, Azzolin K, Muller S. Adesão ao tratamento

de diabetes Mellitus tipo 1 atendidos em um

programa especializado em Porto Alegre. Rev Med.

; 44(4):362-76.

Bronzi ES, Ribeiro AE. Programa de educação

alimentar e nutricional para mulheres obesas e

hipertensas: resultados e adesão ao tratamento. Rev

Saúde. 2012; 1(1):103-16.

Bueno JM, Leal FS, Saquy LPL, Santos CB, Ribeiro RPP.

Educação alimentar na obesidade: adesão e

resultados antropométricos. Rev Nutr. 2011;

(4):575-84. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-

Assumpção D, Barros MBA, Fisberg RM, Caramandina

L, Goldbaum M, Cesar CLG. Qualidade da dieta de

adolescentes: estudo de base populacional em Campinas,

SP. Rev Bras Epidemiol. 2012; 15(3):605-16.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v24n1a2308

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.