Perfil de ácidos graxos e teor de ácidos graxos trans em biscoitos recheados sabor chocolate

Silvana Mariana Srebernich, Gisele Mara Silva Gonçalves, Sueli Regina Baggio

Resumo


Objetivo

Em razão do elevado consumo de biscoitos por crianças e por adolescentes, este trabalho teve por objetivo determinar a composição em ácidos graxos, com ênfase nos isômeros trans, em biscoitos recheados com sabor de chocolate e verificar se os teores declarados estavam de acordo com a legislação vigente.

Métodos

Nas amostras de biscoito, fizeram-se a extração e a esterificação dos lipídeos, que foram, posteriormente, submetidos à cromatografia gasosa para determinação da composição em ácidos graxos.

Resultados

Os resultados obtidos por 100g de biscoito (8 amostras resultantes de 4 marcas, com 2 lotes de cada marca) variaram de 4,57g a 9,33g, de 2,74g a 6,78g e de 0,32g a 6,49g para os ácidos graxos saturados, monoinsaturados e poli-insaturados respectivamente.  As marcas A e B apresentaram valores de ácidos graxos saturados superiores aos declarados nos rótulos. Quanto aos isômeros trans, as variações entre as marcas e os lotes analisados foram mais acentuadas: de 0,05g.100g-1 para a amostra C2 a 3,52g.100g-1 para a amostra A1.

Conclusão

Os teores de gordura trans apresentaram grandes variações e somente as marcas C e D podem ser consideradas “zero trans” de acordo com a legislação brasileira.

Termos de indexação: Ácidos graxos. Ácidos graxos trans. Biscoitos.


Palavras-chave


Ácidos graxos. Ácidos graxos trans. Biscoitos.

Texto completo:

PDF

Referências


Geuking W. Factors determining trans isomerization

in partial hydrogenation of edible oils. In: Anales de

º Congreso y Exposición Latinoamericano sobre

Processamiento de Grasas y Aceites; Campinas:

Sociedade Brasileira de Óleos e Gorduras; 1995.

p.139-42.

Ribeiro APB, Moura JMLN, Grimaldi R, Gonçalves RAG.

Interesterificação química: alternativa para obtenção

de gorduras zero trans. Quim Nova. 2007; 30(5):1295-

Chiara VL, Silva R, Jorge R, Brasil AP. Ácidos graxos

trans: doenças cardiovasculares e saúde maternoinfantil.

Rev Nutr. 2002; 15(3):341-9. doi: 10.1590/

S1415-52732002000300010.

World Health Organization. (2009). Global health

risks: Mortality and burden of disease attributable to

selected major risks. Geneva: WHO.

Aued-Pimentel S, Caruso MSF, Cruz JMM, Kumagai

EE, Corrêa DUO. Ácidos graxos saturados versus

ácidos graxos trans em biscoitos. Rev Inst Adolfo Lutz.

; 62(2):131-7.

Dias FFG, Prado MA, Godoy HT. Avaliação da

rotulagem nutricional obrigatória em embalagens

segundo o modelo padrão da Anvisa. Rev Analytica.

; (34):56-60.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a

população brasileira: promovendo a alimentação

saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 360,

de 23 de dezembro de 2003. Aprova o regulamento

técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos

embalados, tornando obrigatória a rotulagem

nutricional. Diário Oficial [da] República Federativa

do Brasil. 2003 26 dez; Seção 1.

Food and Drug Administration. Revealing trans fats.

FDA Consumer. 2003; 37(5):20-6.

United States. Department of Agriculture. Food and

Nutrition Information Center. [cited 2011 Aug 11].

Available from: <http://fnic.nal.usda.gov/nal_display/

index.php?info_center=4&tax_level=2&tax_subject=

&topic_id=1342>.

Horwitz W, organizer. Official methods of analysis of

the Association of Official Analytical Chemistis. 17th

ed. Gaithersburg, MD: AOAC; 2000.

Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do Instituto

Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise

de alimentos. 3ª ed. São Paulo; 1985.

Hartman L, Lago RCA. Rapid preparation of fatty acid

methyl esters from lipids. Lab Pract. 1973; 22(8):475-

Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução

RDC nº 360, de 23 de dezembro de 2003, aprova o

regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de

alimentos embalados, tornando obrigatória a

rotulagem nutricional. Diário Oficial da União. 2003

dez.

Chiara VL, Sichieri R, Carvalho TSF. Teores de ácidos

graxos trans de alguns alimentos consumidos no Rio

de Janeiro. Rev Nutr. 2003; 16(2):227-33. doi:

1590/S1415-52732003000200010.

Gagliardi ACM, Mancini Filho J, Santos RD. Perfil

nutricional de alimentos com alegação de zero

gordura trans. Rev Assoc Med Bras. 2009; 55(1):50-

Hissanaga VM, Proença RPC, Block JM. Ácidos graxos

trans em produtos alimentícios brasileiros: uma

revisão sobre aspectos relacionados à saúde e à

rotulagem nutricional. Rev Nutr. 2012; 25(4):517-30.

doi: 10.1590/S1415-52732012000400009.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a

população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2005 [acesso

jun 15]. Disponível em: <http://www.saude.

gov.br/bvs>.

Chiara Vl, Sichieri R. Consumo Alimentar em

Adolescentes: questionário simplificado para

avaliação de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol.

; 77(4):332-6.

Neo YP, Tan CH, Ariffin A. Fatty acid composition of

five malaysian biscuits (Cream Crackers) with special

reference to trans-fatty acids. ASEAN Food J. 2007;

(3):197-204.

L’Abbé MR, Stender S, Skeaff M, Ghafoorunissa,

Tavella M. Approaches to removing trans fats from

the food supply in industrialized and developing

countries. Eur J Clin Nutr. 2009; (63):S50-S67.

Monge-Rojas R, Colón-Ramos U, Jacoby E,

Mozaffarian D. Voluntary reduction of trans-fatty acids

in Latin America and the Caribbean: Current situation.

Rev Panam Salud Publica. 2011; 29(2):126-9.

Martin CA, Matshushita M, Souza NE. Ácidos graxos

trans: implicações nutricionais e fontes na dieta. Rev

Nutr. 2004; 17(3):361-8. doi: 10.1590/S1415-




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v22n2a2131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.