Síndrome do Túnel do Carpo: acometimento e evolução dos pacientes acompanhados junto ao Ambulatório de Saúde do Trabalhador do Hospital de Clínicas da Unicamp

Rogério Ortolan Nonno, José Inácio de Oliveira, Artur Udelsmann

Resumo


Objetivo

Identificar e descrever os pacientes acometidos pela síndrome do túnel do carpo e atendidos no Ambulatório de Saúde do Trabalhador do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas.

Métodos

O estudo foi realizado a partir dos dados dos prontuários dos pacientes com diagnóstico clínico e eletroneuromiográfico. Foram comparadas as principais variáveis entre os tratamentos clínico e cirúrgico; foi avaliado se houve relação entre o tipo de tratamento e o tempo de afastamento e de retorno ao trabalho.

Resultados

Foram estudados prontuários de 131 pacientes: 97,7% precisaram se afastar ao menos uma vez do trabalho, e apenas 28,9% destes o retomaram. O tempo médio de duração dos sintomas dos pacientes tratados cirurgicamente foi de 39,0 meses, enquanto o dos tratados clinicamente foi de 44,1 meses. Quanto aos resultados, ao período de afastamento e ao retorno ao trabalho, não houve diferença significativa entre os tratamentos empregados.

Conclusão

Concluiu-se que a Síndrome do Túnel do Carpo ocorre com maior frequência em mulheres, entre 30 e 49 anos. O acometimento foi mais frequentemente bilateral, sendo a mão dominante a mais comprometida. Tanto a evolução do tratamento clínico quanto a do cirúrgico foram pouco satisfatórias, pois em ambos os casos apenas cerca de 10% apresentaram melhora total. As profissões dos pacientes mais frequentemente encontradas foram operadores de máquinas, empregadas domésticas, trabalhadores rurais, secretárias e costureiras.

Termos de indexação: Ossos do Carpo. Síndrome do Túnel Carpal. Transtornos traumáticos cumulativos.


Palavras-chave


Ossos do Carpo. Síndrome do Túnel Carpal. Transtornos traumáticos cumulativos.

Texto completo:

PDF

Referências


Zumiotti AV, Ohno PE, Prada FS, Azze RJ. Complicações

do tratamento cirúrgico da síndrome do túnel do

carpo. Rev Bras Ortop. 1996; 31(9):199-201.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Ações

Programáticas e Estratégicas. Lesões por Esforço

Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares

Relacionados ao Trabalho (DORT). Brasília: Ministério

da Saúde; 2001. Serie A. Normas e Manuais Técnicos,

nº 103.

Cailliet R. Doença dos tecidos moles. 3ª ed. Porto

Alegre: ArtMed; 2000.

Nunes F, Vranceanu AM, Ring D. Determinants of pain

in patients with carpal tunnel syndrome. Orthop Res

Clin Relat. 2010; 46(10):3328-32.

Isaac SM, Okoro T, Danial I, Wildin C. Does wrist

immobilization following open carpal tunnel release

improve functional outcome? Curr Musculoskelet Rev

Med. 2010; 3(3):11-7.

Zumioti VA, Ohno P. Tratamento cirúrgico da síndrome

do túnel do carpo por via endoscópica. Rev Bras Ortop.

; 8(2):561-4.

Oliveira JT. Controvérsias a respeito de diagnóstico

clínico e eletrofisiológico e a relação com o trabalho.

Arq Neuro Psquiatr. 2000; 58(7):201-9.

Campos CC, Manzano GM, Andrade LB, Castelo Filho

A, Nóbrega JAM. Tradução e validação do questionário

de avaliação de gravidade dos sintomas e do estado

funcional na síndrome do túnel do carpo. Arq Neuro

Psiquiatr. 2003; 61(1):107-11.

Costa VV, Oliveira SB, Fernandes MCB, Saraiva RA.

Incidência de síndrome dolorosa regional após

cirurgia para descompressão do Túnel do Carpo:

existe correlação com a técnica anestésica? Rev Bras

Anestesiol. 2011; 61(3):425-33.

Severo A, Ayzemgerg H, Pitágoras T, Nicolodi D, Mentz

L, Lech O. Síndorme do túnel carpal: análise de 146

casos operados pela miniincisão. Rev Bras Ortop.

; 36(4):330-5.

Mackinnon SE. Pathophysiology of nerve

compression. Hand Clin. 2002; 18(6):231-41.

Gurcay E, Unlu E, Gurcay AG, Tuncay R, Cakci A.

Assessment of phonophoresis and iontophoresis in

the treatment of carpal tunnel syndrome: A

randomized controlled trial. Rheumatol Int. 2010;

(9):149-55.

Terrini E, Rosenfeld A, Juliano Y, Fernandes ARC,

Natour J. Diagnóstico por imagem do punho na

Síndrome do Túnel do Carpo. Rev Bras Reumatol.

; 45(7):81-5.

Pereira ES, Zalcman I, Mori CE, Amaro JT. Síndrome

do Túnel do Carpo: análise comparativa entre

tratamento conservador e cirúrgico. Rev Bras Ortop.

; 28(6):570-8.

Slimane NB, Elleuch M, Gharbi E, Babay H, Hamdoum

M. Occupational Carpal Tunnel Syndrome. Tunis Med.

; 88(3):634-7.

Gelberman RH, Hergenroeder PT, Hargens AR. The

carpal tunnel syndrome: A study of carpal tunnel

pressures. J Bone Joint Surg. 1983; 63(5):380-3.

Werner CO, Elmqvist D, Ohlin T. Pressure and nerve

lesions in the carpal tunnel. Acta Orthop Scand. 1983;

(4):312-6.

Ono S, Clapham PJ, Chung KC. Optimal management

of carpal tunnel syndrome. Int J Gen Med. 2010;

(2):255-61.

Verdugo RJ, Salinas RA, Castillo JL, Cea JG. Surgical

versus non-surgical treatment for carpal tunnel

syndrome (Review). Cochrane Database Syst Rev.

; 4(2):1-21.

Mahmud MAI, Merlo ARC, Gomes C, Becker J, Nora

DB. Relação entre tensão neural adversa e estudos de

condução nervosa em pacientes com sintomas da

síndrome do túnel do carpo. Arq Neuro Psiquiatr.

; 64(7):220-7.

Elfar JC, Yassen Z, Stern PJ, Kiefhaber TR. Individual

finger sensibility in carpal tunnel syndrome. J Hand

Surg Am. 2010; 35(8):1807-12.

Kilbom A. Repetitive work of theupper extremity: The

scientific basis for the guide. Int J Ind Erg. 1994;

(4):59-86.

Santos LL, Branco MA, Meirelles LM, Santos JBG,

Faloppa F, Albertoni WM, et al. Reavaliação em longo

prazo do tratamento cirúrgico da síndrome do túnel

do carpo por incisão palmar e utilização do

instrumento Paine®. Acta Ortop Bras. 2005;

(5):225-8.

Butler DS. Mobilização do sistema nervoso. São Paulo:

Manole; 2003.

Huisstede BM, Hoogvliet P, Randsdorp MS. Carpal

tunnel syndrome. Part I: Effectiveness of nonsurgical

treatments: A systematic review. Arch Phys Med

Rehabil. 2010; 91(10):981-1004.

Barbosa VRN, Dantas FG, Cardoso MAA, Medeiros

JLA. Pain and numbness in the arms and hands in

carpal tunnel syndrome. Arq Neuro Psiquiatr. 2006;

(6):205-11.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v22n2a2127

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.