Aplicação do instrumento de avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina em escola pública de Brasília

Bruno Nogueira César, Isabel de Pádua Paz, Maria Rita Carvalho Garbi Novaes

Resumo


Objetivo

Avaliar aspectos da qualidade de vida do estudante de medicina em escola de Brasília, correlacionando-os a possíveis fatores, subsidiando o processo de gestão acadêmica.

Métodos

Estudo descritivo e transversal. Foram analisados 345 estudantes do curso de Medicina de primeiro a sexto anos por meio de aplicação do instrumento de avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina quanto aos domínios: Geral, Físico, de Gestão De Tempo, Ambiente de Ensino e Psicológico.

Resultados

Método de ingresso no curso: 77,1% dos entrevistados provenientes de ampla concorrência, 19,7% oriundos de vagas por cotas sociais, 3,2% transferidos de outra instituição. Em relação aos domínios Geral, Físico, Ambiente de Ensino e Psicológico, o segundo ano apresentou a maior e o quarto ano a pior pontuação para qualidade de vida em relação a outros anos do curso (p<0,05). No domínio Gestão de Tempo, não houve diferença estatística entre os anos. Finalmente, no escore total, foi ratificado o segundo ano como o de melhor qualidade de vida na escola e o quarto ano como o de pior, seguido pelo sexto ano (p<0,05).

Conclusão

A análise da qualidade de vida do estudante possibilita a abordagem e a intervenção precoce na formação educacional para minimizar a exposição e as conseqüências de fatores estressantes. Estes dados foram importantes para a reestruturação de uma política de desenvolvimento e apoio ao discente.

Termos de indexação: Educação de graduação em medicina. Educação médica. Qualidade de vida.


Palavras-chave


Educação de graduação em medicina. Educação médica. Qualidade de vida.

Texto completo:

PDF

Referências


Organización Mundial de la Salud. Promoción de la

salud: glosario. Genebra: OMS; 1998.

Fleck MPA, Lousada S, Xavier M, Chachamovich E,

Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português

do instrumento de avaliação de qualidade de

vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-

. Rev Saúde Pública. 1999; 33(2):198-205.

Seidl EMF, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde:

aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde

Pública. 2004; 20(2):580-8.

Tempski P, Perotta B, Bellodi P, Pose RA, Oliveira PTMS,

Vieira J, et al. Instrumento de Avaliação de Qualidade

de Vida do Estudante no curso de Medicina - IQVEM.

São Paulo: USP; [s.d.].

Rosita S, Elisabeta N. Qualidade de vida dos estudantes

de enfermagem. Rev Latino Am Enfermagem.

; 12(4):636-42.

Zonta R, Robles ACC, Grosseman S. Estratégias de

enfrentamento do estresse desenvolvidas por estudantes

de medicina da Universidade Federal de Santa

Catarina. Rev Bras Educ Med. 2006; 30(3):147-53.

Distrito Federal. Lei nº 3.361, de 15 de junho de 2004.

Institui reserva de vagas, nas universidades e

faculdades públicas do Distrito Federal, de, no mínimo,

% (quarenta por cento) por curso e por turno, para

alunos oriundos de escolas públicas do Distrito

Federal [acesso 2012 dez 25]. Diário Oficial do Distrito

Federal; 2004. (144):2; Seção 1. Disponível em: <http://

www.escs.edu.br/arquivos/leidistrital21092011.

pdf>.

Ball S, Bax A. Self-care in medical education:

Effectiveness of health-habits interventions for firstyear

medical students. Acad Med. 2002; 77(9):911-7.

Dias JCR, Igarashi MH, Libardi MC, Senger MH, Zillo

CM. Qualidade de vida em cem alunos do curso de

Medicina de Sorocaba - PUC/SP. Rev Bras Educ Med.

; 34(1):116-23.

Raj SR, Simpson CS, Hopman WM, Singer MA. Healthrelated

quality of life among final-year medical

students. CMAJ. 2000; 162(4):509-10.

Teul I, Baran S, Zbislawski W. Upper respiratory tract

diseases in self-evaluation of health status of Polish

students based on the SF-36 questionnaire. J Physiol

Pharmacol. 2008; 59(6):697-707.

Dyrbye LN, Thomas MR, Huntington JL, Lawson KL,

Novotny PJ, Sloan JA, et al. Personal life events and

medical student burnout: A multicenter study. Acad

Med. 2006; 81(4):374-84.

Trigo TR, Teng CT, Hallak JEC. Síndrome de burnout

ou estafa profissional e os transtornos psiquiátricos.

Rev Psiquiatr Clin. 2007; 34(5):223-33.

Alves JGB, Anjos AG, Figueroa JN, Tenório M. Qualidade

de vida em estudantes de medicina no início e

final do curso - avaliação pelo WHOQOL - BREF. Rev

Bras Educ Med. 2010; 34(1):91-6.

Voltmer E, Kieschke U, Spahn C. Psychosocial

behaviour and subjective experience specific to the

course of study of medical students in their first and

fifth years of study. Gesundheitswesen. 2008; 70(2):

-104.

Adamiak G, Swiatnicka E, Wolodzko-Makarska L,

Switalska MJ. Assessment of quality of life of medical

students relative to the number and intensity of

depressive symptoms. Psychiatr Pol. 2004; 38(4):631-8.

Dyrbye LN, Thomas MR, Massie FS, Power DV, Eacker

A, Harper W, et al. Burnout and suicidal ideation

among U.S. medical students. Ann Intern Med. 2008;

(5):334-41.

Barbist MT, Renn D, Noisternig B, Rumpold G, Hofer

S. How do medical students value health on the EQ-5D?

Evaluation of hypothetical health states compared to

the general population. Health Qual Life Outcomes.

; 6:111.

Sreeramareddy CT, Shankar PR, Binu VS,

Mukhopadhyay C, Ray B, Menezes RG. Psychological

morbidity, sources of stress and coping strategies

among undergraduate medical students of Nepal.

BMC Med Educ. 2007; 7:26.

Quintana AM, Rodrigues AT, Arpini DM. A angústia

na formação do estudante de Medicina. Rev Bras Educ

Med. 2008; 32(1):7-14.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v21n1/6a1875

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.