Desafios para organização do rastreamento do câncer no colo uterino em um município da região metropolitana do Recife

Erlene Roberta Ribeiro dos Santos, Karolina de Cássia Lima da Silva, Adriana Falangola Lima da Silva

Resumo


Objetivo

Identificar os principais entraves para a realização do rastreamento do câncer do colo uterino, em um município de grande porte da Região Metropolitana de Recife.

Métodos

O percurso metodológico se deu a partir de investigação do banco de dados do programa Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero e entrevistas com profissionais de saúde além do mapeamento das áreas de incidência.

Resultados

As análises realizadas apontaram números preocupantes, pois as informações dos anos de 2008 revelam uma média de 18 mil citologias nos quatro anos, o que corresponde à média necessária para um mês, a partir do parâmetro estabelecido em Portaria Ministerial. Algumas Unidades de Saúde não possuem registro do procedimento no Sistema de Informação da Atenção Básica. Quanto à captação das mulheres para realizar o exame, destacam-se problemas, como a escassez dos espéculos descartáveis, lâminas e escovas no posto de coleta. O número de profissionais é insuficiente, assim como, a estrutura física das salas inadequada.

Conclusão

Como conclusão, o trabalho aponta para a necessidade de adoção das estratégias adequadas para intensificação do rastreamento do câncer do colo, com vistas à intervenção nos óbitos evitáveis.

Termos de indexação: Atenção primária à saúde. Neoplasias do colo uterino. Serviços de saúde.

Palavras-chave


Atenção primária à saúde. Neoplasias do colo uterino. Serviços de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de informação

sobre mortalidade 2006-2007: dados de declaração

de óbito. Brasília: MS; 2009.

Freitas F. Rotinas em ginecologia. 4a ed. Porto Alegre:

Artmed; 2003.

Primo CC, Bom M, Da Silva PC. Atuação do enfermeiro

no atendimento à mulher no programa saúde da

família. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(1):76-82.

Anschau F, Gonçalves MAG. Citologia cervical em meio

líquido versus citologia convencional. Femina. 2006;

(5):329-34.

Instituto Nacional do Câncer. Colo do útero. Rio de

Janeiro: INC; 2002 [acesso 2012 abr 5]. Disponível

em: <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/

tiposdecancer/site/home/colo_utero/definicao>.

Ferraz ST. A pertinência da adoção da filosofia de cidades

saudáveis no Brasil. Saúde Debate. 1993; 41(4):

-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 399/GM, de 22

de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde

: consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais

do referido pacto. Brasília: MS; 2006.

Brasil. Instituto Nacional de Câncer. Estimativas 2012:

incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INC;2011 [acesso 2012 mar 5]. Disponível em: <http://

www1.inca.gov.br/estimativa/2012/estimativa20122

pdf>.

World Health Organization. Cancer. Geneva: WHO;

[cited 2011 Oct 14]. Fact sheet n° 297. Available

from: <http://www.who.int.mediacentre/ factsheets/

fs297/en/print.html>.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de informações

de Saúde. Brasília: MS; 2009.

Rama C, Roteli-Martins C, Derchain S, Longatto-Filho

A, Gontijo R, Sarian L, et al. Rastreamento anterior

para câncer de colo uterino em mulheres com alterações

citológicas ou histológicas. Rev Saúde Pública.

; 42(3):411-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.669, de 3 de

novembro de 2009. Estabelece as prioridades, objetivos,

metas e indicadores de monitoramento e avaliação

do Pacto pela Saúde, nos componentes pela

Vida e de Gestão, e as orientações, prazos e diretrizes

do seu processo de pactuação para o biênio 2010-2011.

Brasília: MS; 2009.

Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais.

a ed. São Paulo: Cortez; 1998.

Minayo C. A construção do conhecimento. 8a ed. São

Paulo: Hucitec; 2004.

Brasil. Conselho Municipal de Saúde. Secretaria Municipal

de Saúde. Plano Municipal de Saúde do Jaboatão

dos Guararapes-PE 2010-2013. Jaboatão dos

Guararapes: CMS; [s.d.].

Brasil. Conselho Municipal de Saúde. Secretaria Municipal

de Saúde. Jaboatão dos Guararapes. Secretaria

Municipal de Saúde. Política Municipal de Saúde da

Mulher. Jaboatão dos Guararapes: CMS; 2009.

Chubaci RYS, Merighi MAB. Exame para detecção

precoce do câncer cérvico-uterino: vivência de

mulheres das cidades de Kobe e Kawasaki, Japão e

São Paulo, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2005;

(4):471-8.

Amorim VMSL, Barros MA, César CLG, Carandina L,

Goldbaum M. Fatores associados a não realização do

exame de Papanicolaou: um estudo de base populacional

no Município de Campinas, São Paulo, Brasil.

Cad Saúde Pública. 2006; 22(11):2329-38.

Pinho AA, França Junior I, Schraiber LB, D’Oliveira

AFPL. Cobertura e motivos para a realização ou não

do teste de papanicolaou no Município de São Paulo.

Cad Saúde Pública. 2003; 19(Supl 2):S303-13.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v21n1/6a1871

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.