Discriminação entre palavras e pseudopalavras em escolares de 8 a 11 anos de idade

Lineu Corrêa Fonseca, Glória Maria Almeida Souza Tedrus, Diana Tosello Laloni, Josiane Maria de Freitas Tonelotto, Samanta Maria Visigalli Martins, Maria Agnes Perez Gibert, Thais de Assis Antunes, Natália Azevedo Sampaio Pensa

Resumo


Objetivo

A avaliação da discriminação entre palavras e pseudopalavras tem sido utilizada para melhor compreensão do processo de leitura e escrita.

Métodos

Estudou-se a discriminação de palavras/pseudopalavras em relação à idade da criança, série escolar e nível de escolaridade de seus pais, em 120 crianças, sem antecedentes de problemas neurológicos ou psiquiátricos, com idades entre 8 e 11 anos, e estudantes de escolas públicas de Campinas, São Paulo. Foram realizados: anamnese, exame físico e neurológico, prova de discriminação entre palavras e pseudopalavras (acertos/erros e tempo de reação), teste de desempenho escolar e teste de Raven.

Resultados

Houve maior porcentagem de acertos e menor tempo de reação no reconhecimento de palavras que de pseudopalavras. Observou-se para pseudopalavras, maior porcentagem de acertos nas crianças de 3ª a 5ª série em relação às de 2ª série. O tempo de reação para palavras e pseudopalavras foi menor quanto mais avançada a série escolar. A maior escolaridade dos pais foi associada a maior porcentagem de acertos de pseudopalavras.

Conclusão

A avaliação da discriminação de palavras/pseudopalavras permitiu captar aspectos evolutivos e de mecanismos e fatores envolvidos no processo da leitura.

Termos de indexação: criança; leitura; psicologia da criança.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.