Pesca artesanal no médio e baixo rio Tietê (São Paulo, Brasil): pontos de desembarque e estimativa de número de pescadores

Paula Maria Gênova de Castro, Lidia Sumile Maruyama, Patricia de Paiva

Resumo


Os principais pontos de desembarque foram identificados ao longo do Médio e Baixo Tietê, nas seis represas dispostas em cascata na região: Barra Bonita, Bariri, Ibitinga, Promissão, Nova Avanhandava e Três Irmãos. Foi estimado o número de pescadores artesanais, regularmente atuantes na região, no período de maio a dezembro de 2001. A metodologia empregada foi a denominada “bola de neve”, na qual as informações dos pescadores reportam à localização de outros, sucessivamente. Preliminarmente, para tanto, recorreu-se à consulta a pescadores tradicionais, Colônia de Pescadores e Polícia Ambiental, estabelecendo-se um contingente amostral de 202 pescadores. Após a localização dos pontos, estes foram identificados geograficamente através de um Global Positioning System que permitiu posteriormente a plotagem em mapas georeferenciados através do aplicativo ArcGIS versão 9.0, empregando-se a base cartográfica digital do Instituto Brasileiro de Geografi a e Estatística. Foram identificados 47 principais pontos de desembarque e estimado uma população de 822 pescadores, onde estes estavam distribuídos em 32 municípios de forma dispersa. A intensidade de pesca (ind./km2) mostrou uma tendência declinante de Barra Bonita (1,18 pescador/km2) para Três Irmãos 0,22 pescador/km2). Os problemas e conflitos elencados pelos pescadores dizem respeito, principalmente, ao turismo, estrago e roubo de redes. As soluções relacionadas, tanto do Médio como do Baixo Tietê foram semelhantes, sendo que mais de 65% das respostas, no seu conjunto, envolviam questões ligadas a um maior apoio do governo quanto a melhoria da atividade em relação à infra-estrutura de desembarque, limpeza/comercialização do pescado; disponibilização de áreas para ranchos de pesca próximas ao rio/reservatório, assim como a criação de cooperativas, alternativa que poderia melhorar tanto o preço como a comercialização do pescado, bem como à integração entre os pescadores.

Palavras-chave: Mapeamento da pesca. Médio e Baixo rio Tietê. Pesca artesanal profissional.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Bioikos

ISSNe 2318-0900 (eletrônico)
ISSN 0102-9568 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.