Levantamento da biodiversidade de amebas testáceas em sedimentos de lagoas artificiais de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil

Carolina Jardim Leão, Itamar Ivo Leipnitz, Fabricio Ferreira

Resumo


Como contribuição ao conhecimento sobre a ocorrência de amebas testáceas, o objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento sazonal da riqueza e abundância da fauna viva desses protozoários em três lagoas artificiais do campus da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Por estação do ano, foram coletadas e imediatamente fixadas em formoldeído a 10%, duas amostras de sedimentos superficiais de cada uma das lagoas (C2, C5 e C7). Verificou-se em cada ponto o pH, a temperatura e a espessura da lâmina d’água. Em laboratório, 10cm³ de cada amostra foram lavados em peneiras com malha 0,045mm de abertura, corados, secos em estufa e aspergidos em uma solução de tetracloreto de carbono. O material sobrenadante foi depositado em mini-placas de petri e analisado sob microscópio estereoscópico. Na lagoa C2 a dominância no verão foi de Centropyxis constricta f. aerophila e Difflugia urceolata; no outono, Centropyxis constricta e Difflugia corona; no inverno, Lesquereusia modesta e Difflugia corona, e na primavera, Centropyxis marsupiformis. Na lagoa C5 a espécie dominante foi Difflugia pyriformis, exceto no verão, quando houve a predominância de Cucurbitella mespiliformis var. africana. Na lagoa C7 Difflugia acuminata var. inflata dominou as assembleias salvo o inverno, em que a dominância foi de Difflugia pyriformis.

Palavras-chave: Abundância. Riqueza. Sazonalidade. Tecamebas.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Bioikos

ISSNe 2318-0900 (eletrônico)
ISSN 0102-9568 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.